PUBLICIDADE
Topo

Scheffer quebra jejum olímpico de 25 anos e é bronze nos 200m livre

Beatriz Cesarini

Do UOL, em Tóquio

26/07/2021 22h51

O Brasil conquistou mais uma medalha nas Olimpíadas de Tóquio. Na noite desta segunda-feira (26), o estreante em olimpíadas Fernando Scheffer disputou a final dos 200m livre, fez o terceiro melhor tempo e levou o bronze. O brasileiro nadou na raia oito, e com o tempo de 1min44s66, garantiu seu lugar no pódio. Tom Dean fez 1min44s22 e ficou em primeiro. Duncan Scott marcou 1min44s26 e ficou com a prata, em uma dobradinha para a Grã-Bretanha.

Depois de 25 anos, o Brasil voltou a ganhar uma medalha nos 200m livre na natação. A última vez que o Brasil conquistou uma medalha olímpica na prova foi em Atlanta-96 com Gustavo Borges. O brasileiro também disputou a final em uma raia de canto, a um, e ficou com a prata.

Nesta noite, Scheffer largou bem, mas desde o início da prova o ritmo dos oito nadadores era forte. Na segunda virada, o brasileiro passou em segundo, brigando com o britânico Tom Dean. A partir daí, o gaúcho não deixou de figurar nenhuma vez entre os três primeiros até bater no fim da prova.

"Eu não sei até agora ainda. Na prova, eu não tava pensando em colocação, só queria fazer minha prova. Colocar na água tudo o que eu treinei e nadar feliz, cada braçada, aproveitando cada metro. É uma sensação muito especial, parece que eu tô sonhando ainda", falou o mais novo medalhista brasileiro, em entrevista ao SporTV.

Na semifinal, Scheffer nadou na raia de número quatro e saiu na frente nos primeiros 100 metros. Nos últimos 50 metros, ele foi ultrapassado e terminou em terceiro na primeira série, com o tempo de 1min45s71. Na classificação final, ele ficou com o oitavo tempo.

A caminhada de Scheffer na seleção brasileira começou em 2016, quando ele disputou o Mundial de piscina curta, em Windsor, Canadá. Os primeiros grandes resultados vieram em 2018, no Pan de Lima: ele subiu ao lugar mais alto do pódio para receber a medalha em duas oportunidades: no revezamento 4x200m e nos 200m livre.

Scheffer chegou aos Jogos de Tóquio correndo por fora. Na delegação nacional, não era cotado como um dos favoritos a conquistar medalha, mas surpreendeu e marcou seu nome na história da natação.