PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Rafael Reis


Por onde andam outros 7 brasileiros que foram artilheiros na Europa?

Aílton marcou época com a camisa do Werder Bremen, da Alemanha - Divulgação
Aílton marcou época com a camisa do Werder Bremen, da Alemanha Imagem: Divulgação
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

11/05/2020 04h00

Ser artilheiro de algum dos principais campeonatos nacionais da Europa não é para qualquer um. E a prova disso é que os atacantes mais importantes do Brasil na atualidade, como Neymar, Roberto Firmino e Gabriel Jesus, jamais conseguiram atingir esse feito.

Mas, ao longo das últimas décadas, vários representantes do futebol pentacampeão mundial terminaram temporadas na parte de cima da tabela dos goleadores máximos de Alemanha, Itália, Espanha, França, Inglaterra ou Portugal.

Por isso, nas duas últimas semanas, o "Blog do Rafael Reis" relembrou brasileiros que foram artilheiros nesse primeiro escalão do Velho Continente e mostrou o que cada um deles anda fazendo da vida.

Devido ao sucesso dos posts, apresentamos abaixo outros sete homens de frente tupiniquins que foram goleadores na Europa e também identificamos por onde eles andam atualmente.

AÍLTON
Ex-atacante
46 anos
Artilheiro do Alemão (2003/2004)

Aílton, no Werder Bremen - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Apesar do físico mais rechonchudo do que normalmente se espera de um jogador de futebol, o ex-atacante fez gols como poucos na Alemanha. Foram mais de 100 ao longo de nove temporadas na Bundesliga. Seu auge foi em 2003/2004, quando marcou 28 vezes e levou o Werder Bremen ao título nacional. O sucesso transformou Aílton em uma celebridade na Alemanha. Em 2012, ele participou de um reality show da TV germânica chamado Dschungelcamp ("Camping na Selva"), em que famosos convivem e disputam provas no meio da floresta. Apesar de hoje viver nos Estados Unidos, o ex-atacante é ainda hoje figurinha carimbada em campanhas publicitárias alemãs.

ROMÁRIO
Ex-atacante
54 anos
Artilheiro do Espanhol (1993/1994)

Não foi à toa que o Baixinho brilhou tanto na conquista do tetra pela seleção brasileira. Romário chegou à Copa de 1994 calibrado pela artilharia do Campeonato Espanhol. Na temporada anterior ao Mundial, ele marcou nada menos que 30 gols na Liga pelo Barcelona. Um dos grandes da história recente do futebol, o Baixinho jogou profissionalmente até os 42 anos, mas não voltou a disputar o Mundial depois dos Estados Unidos-1994. Depois de ingressar na carreira política, Romário cumpre atualmente seu primeiro mandato como senador pelo Rio de Janeiro. Em 2018, ele disputou as eleições para o governo estadual, mas ficou apenas na quarta posição.

RONALDO
Ex-atacante
43 anos
Artilheiro do Espanhol (1996/1997 e 2003/2004)

O Fenômeno defendeu os dois maiores clubes do futebol espanhol e foi artilheiro do campeonato nacional por ambos. Em 1996/1997, sua primeira temporada no país, marcou 34 vezes pelo Barcelona. Já em 2003/2004, meteu 24 bolas nas redes e levantou o "Pichichi" pelo Real Madrid. Nove anos depois de se aposentar dos gramados, Ronaldo ainda continua com seu nome fortemente vinculado ao mundo do futebol. Depois de ter sido dono de uma agência de marketing esportivo e ter trabalhado durante anos como comentarista da TV Globo em jogos da seleção, ele atualmente é o acionista majoritário do Valladolid, time da parte de baixo da tabela da primeira divisão da Espanha.

WALDO
Ex-atacante
Morto aos 84 anos
Artilheiro do Espanhol (1966/1967)

Waldo - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

A história de goleadores brasileiros na Espanha começou muito antes de Romário e Ronaldo, ou mesmo de Baltazar. Lá na década de 1960, Waldo foi o primeiro representante do futebol tupiniquim a ser artilheiro da primeira divisão da terra das touradas. Maior goleador da história do Fluminense, o carioca marcou época também com a camisa do Valencia e terminou no top da temporada 1966/1967, com 24 gols. Após a aposentadoria, o ex-atacante continuou na Espanha e chegou a trabalhar como técnico de um time da Comunidade Valenciana, o Alzira. Ele morreu em 2019, aos 84 anos, já bastante debilitado pelo Mal de Alzheimer.

LUÍS VINÍCIO
Ex-atacante
88 anos
Artilheiro do Italiano (1965/1966)

Luís Vinício - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Revelado no Botafogo e companheiro de Garrincha no início da carreira, o ex-atacante é muito mais conhecido lá na Itália do que no Brasil. Nada mais natural: Luís Vinício atuou durante 13 temporadas no Calcio e defendeu clubes como Napoli e Inter de Milão. No entanto, seu auge foi no Vicenza, clube pelo qual foi artilheiro da Serie A em 1965/1966, com 25 anos. Depois de pendurar as chuteiras, o brasileiro virou um treinador relativamente importante no cenário italiano. Dirigiu Napoli, Lazio, Udinese e se aposentou em 1992, na nanica Juve Stabia.

DINO DA COSTA
Ex-atacante
88 anos
Artilheiro do Italiano (1956/1957)

Dino da Costa - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Também cria do Botafogo, Dino da Costa teve um pouco mais de sucesso por aqui e até foi artilheiro do Carioca de 1954. No ano seguinte, acabou negociado com a Roma, clube pelo qual se tornou o primeiro brasileiro a ser o goleador máximo do futebol italiano (22 gols, em 1956/1957). Dino da Costa ainda defendeu Fiorentina, Atalanta, Juventus, Hellas Verona e Ascoli. Depois, teve uma breve carreira de treinador e comandou um dos times do campeonato de futebol do Vaticano.

PAULINHO CASCAVEL
Ex-atacante
61 anos
Artilheiro do Português (1986/1987 e 1987/1988)

Paulinho Cascavel - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Nascido na cidade paranaense que lhe emprestou o apelido, Paulinho chegou a defender o Fluminense, mas só encontrou o estrelato mesmo depois que cruzou o Oceano Atlântico. Em Portugal, foi artilheiro da primeira divisão por dois clubes diferentes (primeiro pelo mediano Vitória de Guimarães e depois com o Sporting, um dos grandes do país) e ficou até o fim da carreira. De volta ao Brasil, hoje administra negócios nos ramos de construção civil e agropecuário no Paraná e no Mato Grosso do Sul.

Rafael Reis