PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Rafael Reis


5 brasileiros para seu time resgatar do "soccer" dos Estados Unidos

Brasileiro Heber defende o New York City desde 2019 - Icon Sportswire/Icon Sportswire via Getty Images
Brasileiro Heber defende o New York City desde 2019 Imagem: Icon Sportswire/Icon Sportswire via Getty Images
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

08/03/2020 04h00

Os Estados Unidos não são um mercado que atrai tantos jogadores brasileiros famosos quanto a China e as ligas do Oriente Médio. Mesmo assim, há vários atletas tupiniquins bons de bola que atuam por lá.

Por isso, o "Blog do Rafael Reis" apresenta abaixo uma lista com cinco nomes da MLS (Major League Soccer), a elite do futebol dos EUA, que seriam reforços consideráveis para clubes brasileiros.

Alguns deles talvez se dessem bem em times até do alto da tabela. Outros, poderiam ajudar bastante aquelas equipes menores que lutam para permanecer na primeira divisão.

Vale lembrar que a janela de transferências para atletas que atuam no exterior fecha só no dia 2 de abril. Até lá, os clubes brasileiros podem se reforçar à vontade com jogadores que hoje defendem clubes do exterior.

HÉBER
Atacante
28 anos
New York City (EUA)

Apesar de só estar há um ano nos Estados Unidos, já se transformou em um dos brasileiros mais relevantes do "soccer". Contratado pelo New York City, filial do Manchester City na América do Norte, para substituir o astro espanhol David Villa, o ex-atacante de Figueirense e Avaí anotou 15 gols em sua temporada de estreia e foi o artilheiro da franquia. Já em 2020, começou voando e marcou três vezes já na sua primeira partida, contra o San Carlos, da Costa Rica, pela Concachampions.

ARTUR
Volante
23 anos
Columbus Crew (EUA)

Artur, do Columbus Crew - Justin Casterline/Getty Images - Justin Casterline/Getty Images
Imagem: Justin Casterline/Getty Images

Formado nas categorias de base do São Paulo, o volante já está bastante consolidado no cenário da MLS. Nos EUA desde 2017, o volante é titular indiscutível do Columbus Crew e até já teve seu nome envolvido em rumores de naturalização para defender a seleção norte-americana no futuro. Mesmo com essa situação bastante estabilizada por lá, o meio-campista teria a ganhar com um retorno ao Brasil. Afinal, é praticamente desconhecido em seu país-natal e pode querer vencer por aqui.

ILSINHO
Meia-atacante
34 anos
Philadelphia Union (EUA)

Brasileiro mais conhecido que atua na MLS, o ex-Palmeiras, São Paulo e Internacional já está em sua quinta temporada vestindo a camisa do Philadelphia Union. Em janeiro, Ilsinho renovou contrato com a franquia até o fim do ano. O ex-lateral direito que virou meia-atacante já falou algumas vezes que hoje está mais preocupado com qualidade de vida do que com ganhos financeiros, o que torna um pouco mais difícil o seu retorno ao Brasil. Mas difícil não é impossível.

AURO
Lateral direito
24 anos
Toronto FC (CAN)

Auro, do Toronto FC - Andy Mead/ISI Photos/Getty Images - Andy Mead/ISI Photos/Getty Images
Imagem: Andy Mead/ISI Photos/Getty Images

Cria do São Paulo, o lateral direito até teve chances no time principal do Morumbi, mas não conseguiu "explodir" por lá. A oportunidade para construir uma carreira mais sólida foi se mudar para a América do Norte. Desde 2018, Auro defende o Toronto FC, uma equipe que oficialmente é do Canadá, mas que, na prática, disputa a liga profissional de futebol dos Estados Unidos. Por isso, mesmo defender um time norte-americano, ele pode sim fazer parte dessa lista.

DANILO SILVA
Zagueiro
33 anos
Los Angeles FC (EUA)

O zagueiro, que já defendeu São Paulo e Internacional, está em sua segunda passagem pelos EUA. Danilo Silva atuou pela primeira vez no "soccer" lá em 2005, ainda no começo da carreira. Ele retornou à América do Norte em 2018, primeiro emprestado ao Los Angeles FC e depois devidamente contratado pela equipe californiana. Apesar de ter tido uma carreira bem interessante no Brasil, o defensor tem passado a maior parte do tempo em Los Angeles sentado no banco de reservas.

Rafael Reis