PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Pole Position


Massa apoia ida Sainz à Ferrari e fala em momento "estranho" para Vettel

Vettel divulgou que não seguirá na Ferrari em 2021 - Andrej ISAKOVIC / AFP
Vettel divulgou que não seguirá na Ferrari em 2021 Imagem: Andrej ISAKOVIC / AFP
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

21/05/2020 04h00

É bastante provável que Sebastian Vettel esteja vivendo o mesmo dilema de Felipe Massa sete anos atrás, quando não renovou seu contrato com a Ferrari. Vettel ainda não divulgou qual será seu futuro a partir de 2021, quando se encerra seu acordo atual com a Scuderia, e o fato de o tetracampeão ter declarado que precisava "dar um tempo para refletir sobre o que realmente importa em relação ao futuro" alimentou as especulações de que o piloto de 32 anos poderia até se aposentar da categoria.

"Foi tudo uma surpresa: ninguém esperava que, sem a temporada ter ao menos começado, iríamos ter tantas decisões sobre o futuro", reconheceu Massa ao UOL Esporte. "Talvez Vettel e a Ferrari acabaram não chegando a um acordo, mas fica todo o respeito pelo que ele fez pelo time e na carreira que ele teve até hoje. Ele tem todo meu carinho como piloto. Mas é muito difícil saber o que vai acontecer daqui para frente, se ele vai continuar. Ele sempre foi um piloto bem decidido."

Perguntado sobre a sensação de deixar uma equipe tão tradicional quanto a Ferrari, Massa disse que, no começo, pensou que sua carreira inevitavelmente entraria em uma descendente. E acabou se surpreendendo com as reviravoltas que viveu de 2013 para cá.

"Quando você decide deixar a Ferrari, pensa que sua era acabou. É bem estranho. Você começa a pensar se sua carreira está na descendente, porque a Ferrari é muito grande, é como uma religião. Mas também entendi que a vida continuava. Mesmo assim, é uma grande mudança. A expectativa que você vive é muito estranha depois de deixar um time tão grande. Mas não significa que acabou."

O brasileiro foi para a Williams depois de não renovar com a Scuderia, equipe que defendeu por oito anos, e terminou o ano com mais que o dobro de pontos que seu substituto, Kimi Raikkonen, e com mais pódios do que tinha conquistado em 2013. Massa ainda correria por mais cinco temporadas até se aposentar da F1 em 2017. E então partiu para a Fórmula E, onde faz sua segunda temporada pela equipe Venturi.

Massa observou que ainda há algumas portas que podem se abrir para Vettel. "Não diria que é impossível que ele deixe a F1 se não tiver uma oportunidade decente - isso não quer apenas Ferrari ou Mercedes, mas algo que faça com que ele sinta que é um bom negócio continuar. Talvez uma equipe mais nova em que ele possa entrar."

O nome do alemão circula no que seria uma surpreendente transferência para a Mercedes em 2021, ao lado de Lewis Hamilton. Outra porta que poderia ser tentadora para Vettel, mas que parece fechada no momento é na Aston Martin, novo nome que a Racing Point adotará em 2021. O time foi comprado por um consórcio liderado pelo pai de Lance Stroll, Lawrence, em meados de 2018, e está recebendo investimentos importantes. A dupla de pilotos para 2021, contudo, está definida com Stroll e Sergio Perez no momento.

"Aposta em Sainz não é errada"

Massa também comentou sobre a decisão da Ferrari de contratar o espanhol Carlos Sainz para o lugar de Vettel no time a partir de 2021. O brasileiro disse ao UOL Esporte que esperava ver Daniel Ricciardo ficar com o cockpit do alemão, mas defendeu que a escolha da Scuderia também foi boa.

"Muita gente pode falar que a contratação do Carlos Sainz é uma surpresa. Para mim, foi um pouco, mas nem tanto, porque ele demonstrou potencial. Ano passado, ele foi muito bem para a McLaren e merece uma oportunidade. Até pensei que o Ricciardo tinha chance, porque era o nome mais forte no momento [no mercado], mas eles fizeram seu estudo e entenderam que o Sainz pode ser uma boa opção e acho que eles podem ter razão".

Massa lembrou que o piloto de 25 anos andou no mesmo nível que Max Verstappen quando os dois foram companheiros na Toro Rosso, em 2015. Na ocasião, ambos eram estreantes na F1 e Sainz foi melhor que Verstappen em classificações, e perdeu nas corridas. Em 2017, Sainz forçou sua saída da esfera da Red Bull, julgando que não teria as mesmas oportunidades dadas a Verstappen, e foi para a Renault no meio da temporada. Ficou no time francês até o final de 2018, quando se transferiu para a McLaren. Na equipe inglesa, demonstrou grande evolução e passou a ser observado mais de perto pelos times grandes.

"Ele errava um pouco demais no começo, mas cresceu muito. É um piloto inteligente e que trabalha muito - dá para ver que ele sempre está na equipe, no simulador, trabalhando. É uma boa pessoa, é jovem. Acho que ele pode funcionar bem junto com Charles", acredita Massa.

"A gente não pode esquecer que o primeiro ano dele foi muito competitivo, ao lado do Verstappen. Ele demonstrou ser um piloto rápido e pode trazer aquilo que a equipe espera dele. Então não acho que foi uma decisão errada da Ferrari. Acho que ele também pode mostrar sua qualidade em uma equipe grande como a Ferrari e pode dar aquilo que a equipe precisa."

Embora várias mudanças já estejam confirmadas para 2021, a temporada de 2020 da Fórmula 1 ainda não começou. O plano com que a categoria trabalha é fazer as duas primeiras corridas na Áustria, nos dias 5 e 12 de julho, sem público. O calendário ainda não foi divulgado.

Já a Fórmula E, de Massa, tem uma missão diferente e mais complicada a curto prazo: a categoria corre em circuitos de rua grandes cidades, o que dificilmente acontecerá a médio prazo. Os promotores buscam fazer etapas em circuitos permanentes para encerrar uma temporada que já teve cinco etapas. São necessárias apenas mais três para terminar o campeonato e a ideia é realizá-las em datas entre julho e setembro.

Pole Position