PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Risco de contágio faz confederação liberar Fratus de Seletiva Olímpica

Bruno Fratus em 2014  - Ezra Shaw/Getty Images
Bruno Fratus em 2014 Imagem: Ezra Shaw/Getty Images
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

07/04/2021 12h34

O principal nadador brasileiro da atualidade não irá participar da Seletiva Olímpica nacional, a partir de 19 de abril, no Parque Aquático Maria Lenk, no Rio de Janeiro. O risco à saúde de Bruno Fratus, que mora nos Estados Unidos e teria que vir ao Brasil especialmente para o evento, fez com a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) o autorizasse, como exceção, a fazer tomada de tempo em uma competição que começa amanhã na Califórnia.

Os critérios de convocação para a seleção brasileira olímpica nas provas individuais envolve a soma de dois fatos: o nadador precisa ser primeiro ou segundo colocado da Seletiva, com tempo abaixo do índice A da Federação Internacional de Natação (Fina). Para os revezamentos serão convocados os cinco primeiros colocados dos 100m e 200m livre.

Ao anunciar a exceção para Fratus, medalha de prata nos últimos dois Mundiais nos 50m e principal esperança de medalha em Tóquio, a CBDA explicou que há um aumento de casos de covid no Brasil, ao mesmo tempo em que nos Estados Unidos, onde ele mora, há uma redução. Assim, fazê-lo vir ao Brasil seria um risco para a saúde dele, que tem um histórico de resultados que justifica essa exceção.

Fratus vai nadar o TYR Pro-Swim Series, que será realizado entre amanhã (8) e domingo (11) em Mission Viejo, na Califórnia, com uma única oportunidade de fazer índice tanto nos 50m quanto nos 100m. De acordo com a CBDA, o Comitê Olímpico do Brasil (COB) foi consultado e aprovou o formato desenvolvido para preservar a saúde do nadador.

Siga o Olhar Olímpico no Twitter e no Instagram e receba atualizações diárias no canal do Telegram.

Ainda que nada abaixo do índice A da Fina, Fratus não saberá, já neste fim de semana, se irá para a Olimpíada, uma vez que ele terá que esperar o resultado da Seletiva Olímpica, daqui a duas semanas. E não só isso. A CBDA criou um protocolo para atletas que testarem positivo para o coronavírus do dia 19 de março até a Seletiva. Esses atletas poderão participar de uma segunda seletiva, restrita a eles, provavelmente em 12 de junho. A data precisa ser aprovada pela Fina.

Os nadadores que tiverem tido covid e estiverem recuperados podem optar por nadar a Seletiva Olímpica. Os que estiverem em quarentena na data do evento só terão como opção participar da segunda chamada. No total, 103 atletas estão inscritos para participar da Seletiva. São 102 brasileiros, mais um brasileiro naturalizado português, Luiz Pepeu, que está na situação contrária de Fratus: vai fazer tomada de tempo no Brasil para não precisar ir à Europa.