PUBLICIDADE
Topo

Volta do futebol tem apoio de 33% dos torcedores brasileiros, diz pesquisa

Yago Pikachu cobra escanteio no Maracanã vazio - Thiago Ribeiro/AGIF
Yago Pikachu cobra escanteio no Maracanã vazio Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

11/05/2020 13h01

Um a cada três torcedores de futebol brasileiro apoia a proposta de retornar com as competições imediatamente, aponta uma pesquisa liderada por algumas das principais autoridades em gestão esportiva do país. O número coincide com a aprovação do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que era de 33% na última medição do Datafolha. O presidente tem sido o principal entusiasta da ideia, enquanto o país supera os 11 mil mortos pelo novo coronavírus.

"A gente tem duas hipóteses para esse número, mas não temos como identificar, porque não perguntamos na pesquisa. Uma é o viés político dos respondentes. Outra é a questão das torcidas organizadas, que a gente entende que estão mais propensas a defender o retorno do futebol. Do ponto de vista do torcedor há uma crise de confiança. Tirando esses 33%, pegando os demais 67%, ele quer garantias para voltar ao estádio", analisa o professor Ary José Rocco Jr, da USP, um dos responsáveis pelo estudo.

A pesquisa foi realizada a partir de formulário online, e tem 95% de confiabilidade e 2% de margem de erro, de acordo com os autores, que a realizaram de 5 a 8 de maio. Nesta segunda (11), eles publicaram a primeira parte dos achados. Responderam o questionário 3.032 pessoas, das quais 3.000 foram consideradas válidas.

Dos entrevistados, 44% são torcedores habituais, que dizem frequentar a maioria dos jogos de seus times, 37% vai ao estádio esporadicamente e 11% respondeu que vai somente às partidas principais. Já 8% dos entrevistados disse não frequentar estádios. As respostas desses últimos foram desconsideradas para as análises.

Siga @Olhar_Olimpico

Os pesquisadores quiseram saber: "Você é a favor da volta imediata dos campeonatos de futebol, mesmo sem a presença de público nos estádios?". A essa pergunta, 61% dos entrevistados disse "não" e 33% disse "sim". Os demais 6% não opinaram.

Siga @Olhar_Olimpico

Já à pergunta "Você se sente seguro para frequentar os estádios de futebol do Brasil ainda este ano", a resposta mais escolhida foi "Sim, com implementações de novos protocolos de higiene, saúde e segurança", por 36% dos entrevistados. Outros 4% voltariam mesmo sem medidas adicionais. Dos entrevistados, 26% voltariam só com uma vacina e 32% não voltariam aos estádios este ano.

Os dados serão discutidos a partir de quarta-feira pelos pesquisadores, que vão definir os cruzamentos. Para Rocco, a conclusão que se pode tirar até agora é que há insegurança para a volta da torcida. "Num primeiro momento a grande conclusão é que o torcedor na pior das hipóteses quer um protocolo para se sentir suficientemente seguro para voltar ao estádio. Mas a gente ainda está analisando com mais detalhes. Do ponto de vista do torcedor, ele precisa de alguma coisa", avalia.

Assinam o estudo Rocco, que também é líder do Grupo de Estudo e Pesquisa em Comunicação de Marketing no Esporte), Erinaldo Chagas (Pit) (gestor esportivo), Luis M. Barros (diretor da Sou do Esporte e gestor esportivo), Luiz Augusto Brum (gerente operacional de evento - Team Copa/Dentsu), Marina Tranchitella (gerente executiva de operações do Internacional) e Rômulo O. Macedo (gestor de estádios e arenas)