Lorena Comparato se deprimiu com rosto diferente após cirurgia: 'Desespero'

O "Sem Filtro" de hoje (11) falou sobre os impactos psicológicos que uma cirurgia pode trazer, principalmente quando não tem fins estéticos. Há quatro meses, a atriz Lorena Comparato passou por um procedimento no nariz devido a uma fratura antiga. Ela sofreu ao ver o resultado, ficou deprimida e ainda não se sente 100%.

"O médico foi claro comigo desde o começo, disse que meu nariz estava 'derretendo' e que isso poderia ocasionar problemas de saúde. Um dos riscos era de que ele mudasse, ficando mais fino e arrebitado, algo que não queria. Foi uma decisão muito difícil", disse a Universa.

Ao ver o rosto diferente, ficou abalada. "Eu chorava. Era um desespero muito grande. A imagem realmente me incomodava muito", conta. Ela chegou a achar que não conseguiria mais trabalhos como atriz e que seu namoro acabaria.

Ajuda psicológica é bem-vinda

Lorena levou um mês para perceber que precisava de ajuda médica para tratar o trauma."Sou diagnosticada com TDAH. Sofri tanto que nem pensei em falar com a minha psiquiatra. Não via saída, estava entrando num buraco profundo", conta.

O cirurgião plástico Guilherme Guardia Mattar ressalta a importância de o médico deixar claro o que pode acontecer no pós-cirúrgico. "É necessário entender que será uma troca. Pode ser uma flacidez por uma cicatriz ou, como no caso da Lorena, uma mudança no nariz para um ajuste ósseo. Temos que avaliar o custo-benefício dessas trocas."

Nesses casos, o amparo psicológico é essencial. "Se o paciente não estiver no melhor momento para um procedimento, é importante o acompanhamento antes da cirurgia", completa.

A psiquiatra Maria Fernanda Caliani, especialista em terapia cognitiva comportamental, diz que devemos prestar atenção ao nosso comportamento após uma cirurgia. "Busque um psiquiatra quando sentir que o sentimento sobre o que vê está ficando intenso, mesmo com a ajuda da terapia", explica.

A médica de Lorena "receitou", como parte do tratamento, que ela se encontrasse com o namorado. Contar com apoio da família e de amigos, e também se acolher, é importante, afirma Maria Fernanda. "Seja gentil consigo mesma e entenda que o corpo leva um tempo para se readaptar. É preciso paciência."

Continua após a publicidade

Seguem aqui os outros temas que foram destaque nesta edição do "Sem Filtro":

Empresário filmado estuprando ex-mulher é absolvido: 'Estou com medo'

Programa também falou sobre a decisão da Justiça em absolver o empresário Ricardo Penna Guerreiro, acusado de estupro. Ele havia sido denunciado pela ex-esposa, Juliana Rizo, que apresentou vídeos da violência que sofria em casa, mas o juiz alegou que faltavam provas. Ainda cabe recurso.

Pessoas felizes em seus relacionamentos também traem, mostra pesquisa

Pesquisa do site Ashley Madison, usado por quem busca relações extraconjugais, revelou que 39% das pessoas que traem estão felizes no casamento.

Continua após a publicidade

'Falta acolhimento': 43% dos LGBTQIAP+ já foram discriminados no trabalho

Uma pesquisa do LinkedIn mostra que 43% das pessoas LGBTQIAP+ sofreram discriminação no trabalho, principalmente por ouvir comentários homofóbicos e piadas sobre sobre as suas orientações sexuais.

Assista ao Sem Filtro

Quando: às terças e sextas-feiras, às 14h.

Onde assistir: no YouTube de Universa, no Facebook de Universa e no Canal UOL.

Continua após a publicidade

Veja a íntegra do programa:

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes