PUBLICIDADE
Topo

Luciana Bugni

Borel na Fazenda: rehab de homem acusado de agressão deve funcionar de novo

O cantor Nego do Borel na Fazenda: redenção em rede nacional? - Reprodução/Instagram/@negodoborel
O cantor Nego do Borel na Fazenda: redenção em rede nacional? Imagem: Reprodução/Instagram/@negodoborel
Conteúdo exclusivo para assinantes
Luciana Bugni

Luciana Bugni é gerente de conteúdo digital dos canais de lifestyle da Discovery. Jornalista, já trabalhou na "Revista AnaMaria", no "Diário do Grande ABC", no "Agora São Paulo", na "Contigo!" e em "Universa", aqui no UOL. Mora também no Instagram: @lubugni

Colunista do UOL

10/09/2021 08h00

Tem duas coisas que a galera gosta quando começa um reality show: participantes gente boa e participantes barraqueiros. A produção de A Fazenda sabe exatamente o que está fazendo nesse quesito. Não é à toa a participação de Nego do Borel.

O cantor, extremamente gente boa nas redes sociais e no palco, movimentou a mídia recentemente após ser acusado de agressão pela ex-mulher, Duda Reis, nove anos mais nova.

Ele afirma que não pode comentar as acusações. Segundo ele, se perguntarem poderá responder algumas coisas no confinamento porque foi injustiçado, mas o resto do processo segue em segredo de justiça.

Já vimos essa história antes, algumas vezes. E sempre vale muito a pena para quem participa do programa após situações que mancharam suas imagens.

Biel é Fênix da rehab

Exemplo recente é Biel, que participou da edição do programa em 2020. Antes disso, foi gravado assediando uma jornalista durante uma entrevista. Depois, brigou publicamente com uma namorada. Aí sim, pediu desculpas.

A Fazenda foi sua redenção. Semifinalista, ele pode ser considerado o campeão moral da última edição. Como bem definiu meu colega Chico Barney, graças à paciência do público em mantê-lo lá até o final.

Chegou a ganhar o apelido de Fênix, alcunha que usa até hoje nas redes sociais. Namora a cantora Tays Reis, a emissora que o trouxe de volta segue apostando nele, tem milhões de seguidores e um fandom considerável. Realmente, renasceu.

O primeiro reabilitado a gente nunca esquece

Dado Dolabella é o primeiro exemplo da rehab bucólica dos peões. Ele venceu a primeira edição com folga, mantido na unha até o fim do programa pelo público.

Seu currículo de tretas é generoso: e vai além da famosa briga com Luana Piovani, que virou caso de polícia mesmo (ele agrediu a ex e uma camareira em 2009).

No reality, teve brigas sérias com todos os participantes. Colecionou inimizades e foi para a Roça nove vezes, sempre porque algum colega de confinamento o indicava. Anos antes, em 2003, foi entrevistado por João Gordo e levou armas como machado e corrente para o estúdio. A entrevista inflamou e quase terminou em violência física. Coisa leve...

Hoje, bem mais pacífico, milita pró veganismo nas redes sociais e defende pautas humanitárias. Ele se coloca contra o terrorismo, por exemplo.

O violento não é violento o tempo todo

Você pergunta: mas como aquele Dado do passado, com esse temperamento, namorou mulheres como Luana, Wanessa Camargo, Helena Ranaldi, Adriane Galisteu, Deborah Secco, Danielle Winits? Porque o violento não se comporta assim o tempo inteiro, ué! Dado devia ser um cara legal, engraçado, além de ser bonitão na época.

Homens que vivem relacionamentos abusivos ou que são acusados de violência geralmente são divertidos. Eles encantam porque na maior parte do tempo são engraçados, cúmplices e atenciosos. Um vilão não é vilão o tempo todo nem nos filmes. Os homens violentos são interessantes, exceto quando têm rompantes de agressividade. E isso já bastante condenável.

Borel postou diversos stories no dia anterior ao anúncio da Fazenda. Parecia se tratar de um flashback de suas boas ações: distribuição de alimentos, abraços em crianças, muita gente em volta que o admira bastante. Em um dos vídeos, um menino faz malabares em uma Avenida. Quando abre o vidro, reconhece o ídolo, a quem chama de paizão. O cantor diz que se emociona até hoje quando vê a gravação. Nas próximas imagens, o garoto está dentro do carro e vai receber uma carona do artista. A atitude é muito bacana, mesmo.

Ele também apresenta seu pastor e diz frases religiosas no restrospecto que termina pungente: "Faça metade do que eu fiz antes de acusar de qualquer coisa". Ele sabe que vem bomba e está se prevenindo.

Nos próximos meses, a Record exibirá o Borel simpático e boa praça que ninguém duvida que ele seja. Um arranca rabo ou outro podem rolar, mas isso não é coisa séria. Seu direito de defesa perante a opinião pública durará meses e deve ser bem aproveitado.

Um paralelo interessante é o de Karol Konká no BBB21: seus abusos foram condenados e seu cancelamento demorando a passar. Os caras sempre têm uma segunda chance. E às vezes nem precisam dela: a mulher que os acusa é geralmente condenada e tida como aproveitadora ou mentirosa antes da análise de qualquer fato.

Pra sorte da Record, tem muito barraco por aí. Qual o próximo garoto problema aposta da emissora para curar a imagem na rehab? DJ Yvis? Ele segue preso, suas agressões for a filmadas. Mas vai saber.

Você pode discordar de mim no Instagram.