PUBLICIDADE
Topo

MMA


MMA

Brasil fecha ano no UFC com três cinturões e ascensão de Charles e Jessica

Getty Images
Imagem: Getty Images

Brunno Carvalho

Do UOL, em São Paulo

14/12/2020 04h00Atualizada em 14/12/2020 13h45

O Brasil começará o próximo ano com chances de dobrar o número de campeões do UFC. O país fechará 2020 com Amanda Nunes e Deiveson Figueiredo na lista de donos de cinturões da organização - a "Leoa" possui o título de duas categorias (galos e pena) e o "Deus da Guerra" é o campeão dos moscas - e viu Charles Oliveira e Jessica Andrade fecharem o ano credenciados para futuras disputas de cinturão no próximo ano. Além deles, Gilbert Durinho pode garantir o título dos meio-médios para o país - ele enfrenta deve enfrentar o campeão Kamaru Usman em fevereiro.

Charles se credenciou após a dominante vitória sobre Tony Ferguson no último sábado (12), no UFC 256. O triunfo fez com que Dana White afirmasse que "Do Bronx" agora faz parte da lista de cotados para disputar o cinturão que ainda pertence a Khabib Nurmagomedov - o russo anunciou a aposentadoria, mas ainda não foi tirado da lista de campeões da organização.

"Sem dúvida esse cara é um dos melhores do mundo no momento", disse Dana, que confirmou que nenhuma decisão será tomada antes do encontro dele com Nurmagomedov no próximo mês.

A oportunidade de lutar pelo título foi um pedido feito por Charles Oliveira assim que foi decretado vencedor por decisão unânime na luta contra Ferguson. "Eu vim fazer história, e choquei o mundo. Quem dominou ele assim? Só eu. O patrão disse que quem passasse essa luta disputaria o cinturão. Eu ganhei. Eu vou assistir à luta entre Conor e Dustin, e vou lutar pelo cinturão com o vencedor. Pode vir, filho, mas vem sem entender nada, porque eu 'tô' pronto", disse.

Enquanto Charles Oliveira espera a definição do peso leve, Jessica Andrade é cotada para disputar o cinturão de duas categorias. Ex-campeã dos palhas, ela agradou ao mudar para os moscas e vencer Katlyn Chookagian por nocaute no primeiro round, em outubro passado. Com isso, pulou para a primeira posição do ranking da divisão e se tornou uma das favoritas para enfrentar a campeã Valentina Shevchenko.

A mudança, ainda assim, não deve limitar a brasileira. A equipe de Jessica a prepara para que ela esteja pronta para caso necessite lutar em qualquer uma das três divisões: palha, mosca e galo. Caso a luta contra Valentina não se confirme, a "Bate-Estaca" também é cotada para uma revanche contra a chinesa Weili Zhang, responsável por tirar o título de sua cintura.

No caso de Durinho, o título poderia ter vindo ainda em 2020, mas a pandemia da covid-19 atrapalhou os planos do brasileiro. Ele foi diagnosticado com o vírus e retirado da luta que aconteceria em 11 de julho. Número dois do ranking dos meio-médios, Durinho deve ter uma nova chance em fevereiro.

O UFC se despede de 2020 no próximo sábado. O evento realizado em Las Vegas, nos Estados Unidos, no entanto, não terá nenhuma luta valendo cinturão.

MMA