PUBLICIDADE
Topo

Futebol

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Mauro Cezar: Intenção do Inter era boa, mas Ramírez foi pior que o Domènec

Do UOL, em São Paulo

11/06/2021 17h22

Classificação e Jogos

O Internacional anunciou hoje a demissão do técnico espanhol Miguel Ángel Ramírez após a sequência de resultados ruins, com a goleada sofrida para o Fortaleza no último fim de semana e a derrota para o Vitória ontem, por 3 a 1, em pleno Beira-Rio, que culminou na eliminação do clube colorado na Copa do Brasil.

No podcast Posse de Bola #133, Mauro Cezar Pereira analisa o trabalho de Ramírez e afirma que a intenção da direção do Inter ao buscar o espanhol foi boa, mas o trabalho não deu certo na transição do estilo de jogo do time que era treinado por Abel Braga para o atual, considerando que talvez tenha faltado cautela ao técnico no processo para adaptar seus jogadores ao que pretendia, assim como a percepção da diferença que é treinar um grande clube brasileiro.

"Deu tudo errado. Claro, dificilmente o técnico é o único culpado, mas me parece que ele é o maior responsável, me parece que ele não teve o entendimento da diferença de treinar um time pequeno do Equador e um grande clube brasileiro, a diferença de pressão e, esse é um ponto importante, o time estava habituado a jogar de outra forma com o Coudet, de outra totalmente diferente com o Abel e aí você rapidamente tenta colocar uma outra forma de jogar", diz Mauro.

"Quando o Inter começou a vacilar em jogos de Libertadores ou mesmo nos jogos do estadual, ele teria que ter tido a sensibilidade de perceber, 'não está funcionando, vamos fazer esse processo um pouco mais lento', mas ele tentou fazer a coisa de forma muito rápida, as coisas não funcionaram, é nítido que os jogadores, ou alguns deles, não conseguem fazer ou não querem fazer, aí eu não sei, não tem como dizer se o jogador não está a fim de executar o que o técnico manda, ele não consegue executar o que ele está mandando, mas não dá para o Internacional ficar nessa situação", completa.

O jornalista defende que a ideia do presidente Alessandro Barcellos ao apostar em Ramírez era boa, lembra que outros clubes brasileiros procuraram o técnico espanhol e que no Flamengo ele era o nome favorito do vice-presidente Luiz Eduardo Baptista, o Bap, quando o contratado acabou sendo o catalão Domènec Torrent.

"A intenção do Internacional e do seu presidente era ótima, muita gente quis o Miguel Ángel Ramírez, vocês falaram aqui o BAP, dirigente do Flamengo no começo do Posse de Bola e o BAP era favorável a ele e não ao Domènec e o Miguel Ángel Ramírez está cometendo mais erros do que o Domènec, ele está conseguindo ser pior que o Domènec foi no Flamengo, o Domènec era um problema defensivo terrível, o do Inter vai além da defesa terrível. Foram oito gols nesses últimos dois jogos, com Fortaleza e com Vitória, e essa eliminação na Copa do Brasil", diz Mauro.

"A intenção era boa, a ideia era legal, mas não deu certo. Eu acho também que isso não significa que você tem que abraçar agora o mais do mesmo. Não pode ser o Abel Braga, que vai trabalhar na Suíça, vamos trazer um técnico para montar um time fechado, que joga na ligação direta, cruzando 300 bolas, porque isso também não levou o Inter ao título, o Inter não foi campeão brasileiro. E não foi porque não teve competência nos jogos contra Sport, contra Flamengo e contra o Corinthians, jogos em que ele perdeu ou empatou, por isso perdeu o campeonato", conclui.

Posse de Bola: Quando e onde ouvir?

A gravação do Posse de Bola está marcada para segundas e sextas-feiras às 9h, sempre com transmissão ao vivo pela home do UOL ou nos perfis do UOL Esporte nas redes sociais (YouTube, Facebook e Twitter).

A partir de meio-dia, o Posse de Bola estará disponível nos principais agregadores de podcasts. Você pode ouvir, por exemplo, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts, Amazon Music e Youtube --neste último, também em vídeo. Outros podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Futebol