Topo
Comprar ingresso
Comprar ingresso

Discurso conformado de Carille expõe falhas e cria pressão no Corinthians

Vagner Love e Fábio Carille, do Corinthians, após partida contra o São Paulo, perdida por 1 a 0 no Morumbi - Bruno Ulivieri/AGIF
Vagner Love e Fábio Carille, do Corinthians, após partida contra o São Paulo, perdida por 1 a 0 no Morumbi Imagem: Bruno Ulivieri/AGIF

Gabriel Carneiro

Do UOL, em São Paulo

15/10/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Atitudes recentes do técnico do Corinthians incomodaram jogadores e dirigentes
  • Internamente, discurso do comandante é considerado excessivamente resignado
  • Carille tem como filosofia a sinceridade, rejeita técnicos que dão muitas desculpas
  • Não há risco imediato de demissão, mas a pressão sobre Carille tem aumentado

Sétimo treinador com mais partidas à frente do Corinthians na história, Fábio Carille vive seu momento de maior instabilidade no cargo. Além de a equipe não vencer há três jogos no Campeonato Brasileiro, o desempenho é abaixo do esperado e atitudes recentes do técnico abalaram a confiança de parte do grupo de jogadores e da diretoria.

Não existe um risco imediato de interrupção do trabalho, mas as últimas semanas expuseram problemas internos e aumentaram o ambiente de pressão, especialmente por causa do discurso considerado excessivamente resignado do treinador. Carille disse que está "tendo dificuldade" em melhorar o desempenho ofensivo do Corinthians e que "não dá para entender" como está no G4. Ele também afirmou que "tem muitos jogadores abaixo [em relação ao rendimento], não é de hoje" e que o elenco é desequilibrado.

Acho que de 63 jogos não fizemos dez bons jogos no ano.

A relação com alguns jogadores do elenco já vinha abalada desde que o técnico culpou o excesso de "meninos em campo" por uma derrota na Copa Sul-Americana. Este momento da temporada teve consequências imediatas, e parte do elenco mostrou insatisfação.

Agora o abalo é com a diretoria. Depois de reclamações de Boselli dando conta que tinha poucas chances de fazer gol por causa do funcionamento da equipe, Carille afirmou que "a característica do time não é para o Boselli" porque falta um jogador agudo para municiá-lo. O treinador até citou, por duas vezes, tentativas frustradas do clube de contratar Gabigol, Rodriguinho e Róger Guedes.

A exposição das dificuldades da diretoria no mercado incomodou dirigentes do Corinthians. O impacto da insatisfação ainda é desconhecido - não houve, por exemplo, cobranças diretas ao treinador. O presidente Andrés Sanchez sempre usa a permanência de Tite após a eliminação na primeira fase da Libertadores de 2011, diante do Tolima, como argumento para dizer que é um dirigente resistente às pressões externas. Mas hoje é justamente o descontentamento interno que enfraquece Fábio Carille.

Mesmo fragilizado, o técnico do Corinthians tem conceitos sólidos sobre seu comportamento e tipo de manifestação pública. Ele paga o preço pela sinceridade e rejeita o posicionamento de treinadores que escondem problemas de suas equipes. Não há uma tendência de mudança, é um conceito de trabalho. Mas agora os problemas estão escancarados por declarações do próprio treinador:

1) A falta de repertório ofensivo do time;

Boselli tem 40 jogos pelo Corinthians e oito gols marcados, metade pelo Brasileirão - Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians
Boselli tem 40 jogos pelo Corinthians e oito gols marcados, metade pelo Brasileirão
Imagem: Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians

"A casinha está bem fechada. O que temos que crescer é ofensivo, tem que melhorar. E se não melhorar não classifica para a Libertadores. Temos que melhorar para que a gente cresça na competição", em 13/10.

2) A pressão na diretoria por jogadores que não foram contratados;

Jorge Kalil, diretor adjunto de futebol do Corinthians, e o diretor Duílio Monteiro Alves - Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians
Jorge Kalil, diretor adjunto de futebol do Corinthians, e o diretor Duílio Monteiro Alves
Imagem: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

"O clube tentou, Andrés falou de contatos com Gabigol, Rodriguinho e Róger Guedes. Precisamos de jogadores mais agudos para a bola chegar na área. Mas o Corinthians pela sua situação financeira não conseguiu jogadores que jogam perto do 9 e incomodem mais. Infelizmente não conseguimos e isso que falta para nós hoje", em 10/10.

3) A exposição de problemas técnicos do atual elenco;

Carille não individualizou críticas, mas disse que vários jogadores vivem má fase no Corinthians - Bruno Ulivieri/AGIF
Carille não individualizou críticas, mas disse que vários jogadores vivem má fase no Corinthians
Imagem: Bruno Ulivieri/AGIF

"Tem outras equipes com mais equilíbrio no elenco. Nos falta profundidade, jogadores que se posicionam para buscar a bola na frente e dar bola no pé. Tem equipes mais equilibradas em questão de elenco (...) Estou sentindo alguns jogadores importantes com confiança baixa. Então é conversa, trabalho e deixar as coisas mais determinadas. ", em 13/10.

4) A transferência de responsabilidade para não encaixar Boselli;

Argentino tem tido chances como titular nos últimos jogos do Campeonato Brasileiro - Marcello Zambrana/AGIF
Argentino tem tido chances como titular nos últimos jogos do Campeonato Brasileiro
Imagem: Marcello Zambrana/AGIF

"Pelas características do time o 9 sofre muito. O bom é que está mostrando o que é necessário para sermos mais fortes. Se vai acontecer [contratação] não sei, a situação do clube sabemos que não é boa. Jogadores qualificados que resolvem não tem muito, e quando tem é muito caro", em 10/10.

5) A admissão de que não sabe o que fazer para melhorar;

Corinthians chegou a 15 derrotas na temporada, sendo quatro no Brasileirão - Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians
Corinthians chegou a 15 derrotas na temporada, sendo quatro no Brasileirão
Imagem: Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians

"Eu mesmo estou me criticando, cobrando, treinando, trabalhando. Cria-se uma expetativa de ganhar tudo e não estamos preparados para ganhar tudo. Fomos campeões paulistas, vai entrar no meu currículo, mas não foi jogando bem. Estamos precisando jogar mais e melhora com treino e vídeos. Mas não temos muito tempo para treinar", em 10/10.

6) O engessamento com o esquema tático 4-1-4-1;

Próximo desafio do Corinthians é na quarta-feira, contra o Goiás, pela 26ª rodada - Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians
Próximo desafio do Corinthians é na quarta-feira, contra o Goiás, pela 26ª rodada
Imagem: Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians

"Acredito muito nesse sistema. O clube também acredita em atacar aquilo que nos falta para voltar a ser forte."

O próximo desafio do Corinthians sob o comando de Fábio Carille é amanhã (16), às 21h30, contra o Goiás, no Serra Dourada, pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro. O time do Centro-Oeste é o segundo melhor do segundo turno do torneio e promete impor dificuldades ao já pressionado Alvinegro.

Corinthians