PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Rafael Reis

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Quem é a canadense que ameaça recorde de gols de Cristiane nas Olimpíadas?

Christine Sinclair está a dois gols do recorde de Cristiane nos Jogos Olímpicos - Getty Images
Christine Sinclair está a dois gols do recorde de Cristiane nos Jogos Olímpicos Imagem: Getty Images
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

29/07/2021 04h00

Apesar de não ter sido convocada para defender a seleção brasileira no torneio feminino dos Jogos de Tóquio-2020, a atacante Cristiane tem pelo menos dois motivos para torcer por seu país no confronto contra o Canadá, a partir das 5h (de Brasília) de amanhã, pelas quartas de final das Olimpíadas.

O primeiro é ver suas antigas companheiras continuarem na briga pela inédita medalha de ouro. E o segundo é evitar que seu recorde de maior artilheira da história da competição vá parar em mãos estrangeiras.

Afinal, a maior ameaça gringa à marca que Cristiane construiu ao longo de quatro participações em Olimpíadas é justamente a jogadora mais conhecida da equipe canadense, Christine Sinclair.

A camisa 12, que defende o Portland Thorns, dos EUA, tem 38 anos e está em sua quarta participação nos Jogos. Artilheira de Londres-2012 e segunda maior goleadora na Rio-2016, a veterana já acumula 12 gols no torneio.

Somente duas brasileiras estão à frente dela no ranking histórico: Marta, sua adversária de amanhã, que marcou 13 vezes, e Cristiane, a recordista, que meteu 14 bolas para dentro das redes.

Em Tóquio-2020, Sinclair tem sido econômica. Já distante das suas melhores condições físicas, ela só anotou um dos quatro gols canadenses na primeira fase da competição. Marta, em compensação, fez três até o momento.

A canadense já é a maior artilheira do futebol de seleções em todos os tempos (incluindo os gêneros masculino e feminino). Desde 2000, quando defendeu seu país pela primeira vez, ela já anotou 187 tentos, três a mais que a norte-americana Amy Wambach, a recordista anterior.

Comandada pela sueca Pia Sundhage, o Brasil está invicto nos Jogos de Tóquio. Com duas vitórias (5 a 0 sobre a China e um 1 a 0 contra a Zâmbia) e um empate (3 a 3 com a Holanda), terminou o Grupo F na segunda colocação.

O Canadá também ficou no segundo lugar da sua chave. A diferença é que só derrotou um adversário (2 a 1 no Chile) e empatou duas vezes (1 a 1 contra o Japão e também ante o Reino Unido).

O futebol faz parte do programa olímpico há mais de 120 anos, desde os Jogos de Paris-1900. No entanto, as mulheres só puderam estrear na modalidade quase um século mais tarde, em Atlanta-1996.

Desde então, o torneio feminino premiou apenas três países diferentes: os tetracampeões Estados Unidos, a Noruega e a Alemanha, atual detentora da medalha de ouro.

As brasileiras ainda buscam o primeiro título, mas já subiram ao pódio em duas oportunidades. Tanto em 2004 quanto em 2008, alcançaram a decisão, mas foram derrotadas pelas norte-americanas e tiveram de se contentar com a prata.

Desta vez, o campeão olímpico será conhecido em 6 de agosto, no estádio Nacional de Tóquio. Já a final masculina será disputada um dia depois, em Yokohama, mesmo palco do pentacampeonato mundial conquistado pela seleção brasileira dos homens em 2002.

Futebol feminino - Quartas de final*

5h - Canadá x Brasil (Estádio Miyagi, em Rifu)
6h - Reino Unido x Austrália (Estádio Ibaraki, em Kahima)
7h - Suécia x Japão (Estádio Saitama, em Saitama)
8h - Holanda x EUA (Estádio Internacional, em Yokohama)

*todos os horários no fuso de Brasília