PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Rafael Reis

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Ex-melhor do mundo, Alisson enfrenta pior momento e sofre gols "como nunca"

Alisson está vivendo uma temporada atípica no Liverpool - Getty Images
Alisson está vivendo uma temporada atípica no Liverpool Imagem: Getty Images
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

14/04/2021 04h00

Alisson ainda não engoliu a derrota por 3 a 1 para o Real Madrid. Afinal, não é todo dia que o goleiro que já foi um dia eleito o melhor do planeta e que comanda a meta da seleção brasileira sofre três gols em apenas 90 minutos.

O problema para o camisa 1 do Liverpool, que reencontra o time espanhol hoje, em Anfield, no confronto de volta das quartas de final da Liga dos Campeões da Europa, é que episódios como o da semana passada estão se tornando cada vez mais frequentes.

Só nesta temporada, Alisson já foi vazado pelo menos três vezes em uma mesma partida em cinco oportunidades. Leeds United, Manchester City, Leicester, Manchester United e Real foram os clubes responsáveis por mais fazê-lo ficar visitando o fundo das redes.

Em toda sua carreira anterior na Europa, o ex-arqueiro do Internacional só havia levado oito "hat-tricks ao contrário". E eles foram bem espalhados ao longo de quatro anos. Agora, foram cinco em menos de seis meses.

Não à toa, pela primeira vez desde que se assumiu a titularidade de um time no Velho Continente (Roma, em 2017/18), Alisson apresenta uma média superior a um gol sofrido por partida.

Na atual temporada, o brasileiro foi a campo 34 vezes e acabou vazado em 36 oportunidades. A média de 1,06 gol por partida é bem pior que a de 0,67 registrada dois anos atrás, quando ganhou a Champions com o Liverpool e foi eleito o melhor do planeta em sua posição.

Mas claro que a culpa do aumento de gols sofridos pelos Reds não é toda do brasileiro. O sistema defensivo da equipe dirigida por Jürgen Klopp entrou em parafuso depois da grave lesão de joelho sofrida pelo holandês Virgil van Dijk, em outubro.

O excesso de problemas físicos na zaga e as poucas opções de reposição para o setor transformaram os volantes Fabinho e Jordan Henderson em zagueiros frequentemente escalados pelo treinador alemão.

Só que Alisson também aprontou das suas. Contra City e Leicester, dois jogos em que levou pelo menos três gols, o brasileiro cometeu falhas grosseiras e foi detonado pela imprensa inglesa, algo praticamente inédito em sua carreira na Premier League.

A oscilação do camisa 1 da seleção e o ótimo momento vivido por Weverton também criaram uma onda de cobrança nas redes sociais (vinda especialmente de palmeirense, é verdade) para que Tite mude o seu titular nos próximos compromissos do Brasil.

Para eliminar o Real e ser uma das quatro melhores equipes da Europa nesta temporada, o Liverpool precisa vencer hoje por 2 a 0. Caso Alisson seja vazado, a vitória terá de ser por pelo menos três gols de diferença. Por isso, o brasileiro pode ter um papel determinante no destino dos Reds na competição.

Além do confronto entre ingleses e espanhóis, o último dia das quartas da Champions tem ainda o encontro entre Borussia Dortmund e Manchester City, na Alemanha. Com a vitória por 2 a 1 no jogo de ida, basta um empate (ou mesmo uma derrota por um gol de diferença, desde que marque ao menos duas vezes) para o time de Pep Guardiola continuar na briga pelo inédito título.

A decisão do torneio está agendada para dia 29 de maio e será disputada no Olímpico Atatürk, em Istambul (Turquia). O estádio originalmente seria palco da final do ano passado, que precisou ser alterada por causa da pandemia de covid-19.

Média de gols sofridos por Alisson na Europa

2020/21 (Liverpool) - 1,06 por partida (34 jogos, 36 gols)
2019/20 (Liverpool) - 0,78 por partida (37 jogos, 29 gols)
2018/19 (Liverpool) - 0,67 por partida (51 jogos, 34 gols)
2017/18 (Roma) - 0,96 por partida (49 jogos, 47 gols)
2016/17 (Roma) - 1,27 por partida (15 jogos, 19 gols)*

*Reserva, disputou principalmente compromissos de Liga Europa e Copa Itália