PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Por que as seleções da Europa estão jogando neste mês, mas o Brasil não?

Ao contrário dos companheiros europeus, Tite não está trabalhando nesta Data Fifa - Chris Brunskill/Fantasista/Getty Images
Ao contrário dos companheiros europeus, Tite não está trabalhando nesta Data Fifa Imagem: Chris Brunskill/Fantasista/Getty Images
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

06/09/2020 04h00

Na última quinta-feira (3), Espanha e Alemanha empataram por 1 a 1 no clássico que abriu as atividades da temporada 2020/2021 da Liga das Nações da Europa. Desde então, França, Portugal, Inglaterra, Holanda, Itália e todas as potências do Velho Continente também foram a campo.

Enquanto isso, a seleção brasileira não tem nenhuma atividade programada para esta Data Fifa. Os jogadores normalmente convocados por Tite estão (e vão continuar) em pré-temporada com seus clubes na Europa ou curtindo os últimos dias de férias antes de retomar os treinos.

Mas qual é a razão dessa diferença? Por que as equipes europeias estão disputando partidas oficiais desde o meio da semana passada, enquanto o Brasil (e a maior parte das seleções do planeta) descansa?

Como quase tudo em 2020, a resposta é a pandemia do coronavírus.

Já que a Europa viveu o ápice dos casos de Covid-19 alguns meses antes da América do Sul (entre março e abril) e tem a contaminação sob controle há algum tempo, a Uefa decidiu retomar seu calendário de seleções em setembro e deu início à segunda edição da Liga dos Nações.

Enquanto isso, os sul-americanos, que ainda sofrem com números altos de casos em países como Brasil, Argentina e Bolívia, não tinham condições sanitárias e nem logísticas para irem a campo nesta Data Fifa.

Com isso, amistosos foram cancelados, e o início das eliminatórias sul-americanas para a Copa do Mundo de 2022, que no calendário pré-pandemia estava previsto para março, acabou sendo adiado pela Fifa para outubro - e é impossível ter 100% de certeza que não será novamente atrasado nas próximas semanas.

De acordo com a nova programação estabelecida pela entidade, a seleção brasileira irá estrear no qualificatório para o Mundial do Qatar contra a Bolívia, em casa, e depois visitará o Peru. Caso não ocorra nenhuma nova alteração no calendário, os dois jogos serão disputados entre os dias 8 e 13 do próximo mês.

Para viabilizar um possível retorno do futebol de seleções na América do Sul em outubro, cada delegação terá de permanecer no máximo por 72 horas nos país-sede da partida, precisará viajar em voos fretados e só poderá deixar o hotel para jogar ou treinador. Todos os jogadores e integrantes das comissões técnicas terão de apresentar testes PCR (para coronavírus) atualizados com resultado negativo.

O Brasil ainda não disputou nenhuma partida em 2020. Seu último compromisso foi a vitória por 3 a 0 sobre a Coreia do Sul, no dia 19 de novembro do ano passado.

A seleção chegou a ser convocada para os jogos de março, que marcariam o início das eliminatórias. Mas as partidas acabaram adiadas, assim como todo o calendário dos últimos meses (inclusive a Copa América, que seria disputada entre junho e julho).

Originalmente, a Data Fifa de setembro não previa partidas do qualificatório da Copa para a seleção de Tite, mas sim amistosos. Neste mês, o time pentacampeão mundial jogaria o Superclássico das Américas contra a Argentina e também mediria forças contra o Japão.

Além dos confrontos contra Bolívia e Peru, o Brasil ainda tem mais dois compromissos das eliminatórias agendados para este ano. Se o calendário for mantido, a enfrentará Venezuela e Uruguai em novembro.

Mesmo com os efeitos da pandemia, a Conmebol decidiu, pelo menos por enquanto, manter a fórmula de disputa (pontos corridos e confrontos de ida e volta de todos contra todos) da classificação para o Qatar-2022. A entidade tem direito a quatro vagas diretas para o Mundial e mais uma para a repescagem.