PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Rafael Reis


Pênaltis dão Chuteira de Ouro a Immobile; sem eles, prêmio seria de Lewa

Ciro Immobile converte pênalti; a cena foi vista 14 vezes no Italiano e decidiu a Chuteira de Ouro - Getty Images
Ciro Immobile converte pênalti; a cena foi vista 14 vezes no Italiano e decidiu a Chuteira de Ouro Imagem: Getty Images
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

02/08/2020 04h00

Classificação e Jogos

Foi de pênalti em pênalti que Ciro Immobile desbancou a concorrência de Robert Lewandowski e Cristiano Ronaldo para conquistar a Chuteira de Ouro 2019/20.

O centroavante da Lazio, que venceu o prêmio concedido ao artilheiro dos campeonatos nacionais da Europa com 72 pontos, resultado dos 36 gols marcados na primeira divisão italiana, converteu nada menos que 14 penalidades ao longo da campanha.

E esse número expressivo de tiros de 11 metros acabou sendo determinante para sua vitória.

Lewandowski, do Bayern de Munique, que terminou na segunda colocação, com 68 pontos (34 gols), marcou só cinco vezes de pênalti. Já CR7, que fez 62 pontos (31 gols) e foi o terceiro, balançou as redes em dez penalidades para a Juventus.

Ou seja, descontando os gols de pênalti, Immobile só teria marcado 22 vezes e fecharia a temporada com 44 pontos. Com isso, perderia o prêmio para Lewa (58 pontos e 29 gols) e quase seria alcançado também pelo camisa 7 português (42 pontos e 21 gols).

Mas, como os tentos nascidos de penalidades também valem, o atacante da Lazio se tornou o primeiro italiano a vencer a Chuteira de Ouro desde Francesco Totti, da Roma, lá na temporada 2006/07.

Immobile encerrou ontem sua participação no Italiano. Ele até marcou uma vez (e com a bola rolando), mas não evitou a derrota por 3 a 1 da Lazio ante o Napoli. Com o resultado, o time da capital terminou a competição na quarta posição, atrás de Juve, Inter de Milão e Atalanta.

Com o gol, o centroavante igualou o recorde estabelecido pelo argentino Gonzalo Higuaín, em 2015/16, e se tornou o maior artilheiro de uma única edição do Calcio.

Maior vencedor da história do prêmio, com seis troféus (2010, 2012, 2013, 2017, 2018 e 2019), Lionel Messi também terminou esta temporada no top 10. O astro argentino do Barcelona dividiu a quinta colocação com o norueguês Erling Haaland, do Borussia Dortmund. Cada um deles acumulou 50 pontos.

O futebol brasileiro mais uma vez ficou longe da briga pela Chuteira de Ouro. O representante da nação pentacampeã mundial mais bem classificado foi João Pedro, ex-Santos e Atlético-MG, que defende o Cagliari e ficou no 17º lugar, com 36 pontos.

Neymar, que só pontuou até janeiro, já que o Campeonato Francês foi encerrado precocemente devido à pandemia do novo coronavírus, somou 26 pontos e foi o 66º. Além de João Pedro, outros dois brasileiros ficaram à frente dele: Gabriel Jesus, do Manchester City, 50º colocado, e Carlos Vinícius, do Benfica, 58º.

O Brasil não fatura a taça desde 2001/2002, quando Jardel (Sporting) foi o goleador máximo da temporada europeia. O ex-centroavante do Grêmio também levantou o troféu em 1998/1999. Além dele, apenas Ronaldo (1996/1997) já colocou o país no lugar mais alto do pódio.

Ao longo da temporada, o "Blog do Rafael Reis" publicou semanalmente as parciais da Chuteira de Ouro. A cobertura do prêmio retorna em outubro.

Confira a classificação da Chuteira de Ouro

1º - Ciro Immobile (ITA, Lazio) - 72 pontos (36 gols)
2º - Robert Lewandowski (POL, Bayern de Munique) - 68 pontos (34 gols)
3º - Cristiano Ronaldo (POR, Juventus) - 62 pontos (31 gols)
4º - Timo Werner (ALE, RB Leipzig) - 56 pontos (28 gols)
5º - Erling Haaland (NOR, Borussia Dortmund*) - 50 pontos (29 gols)
Lionel Messi (ARG, Barcelona) - 50 pontos (25 gols)
7º - Jamie Vardy (ING, Leicester) - 46 pontos (23 gols)
Romelu Lukaku (BEL, Inter de Milão) - 46 pontos (23 gols)
9º - Jean-Pierre Nsame (CAM, Young Boys) - 45 gols (30 gols)
Shon Weissmann (ISR, Wolfsberger) - 45 pontos (30 gols)
11º - Danny Ings (ING, Southampton) - 44 pontos (22 gols)
Pierre-Emerick Aubameyang (GAB, Arsenal) - 44 pontos (22 gols)
13º - Francesco Caputo (ITA, Sassuolo) - 42 pontos (21 gols)
Karim Benzema (FRA, Real Madrid) - 42 pontos (21 gols)
15º - Raheem Sterling (ING, Manchester City) - 40 pontos (20 gols)
17º - João Pedro (BRA, Cagliari) - 36 pontos (18 gols)
50º - Gabriel Jesus (BRA, Manchester City) - 28 pontos (14 gols)
58º - Carlos Vinícius (BRA, Benfica) - 27 pontos (18 gols)
66º - Neymar (BRA, Paris Saint-Germain) - 26 pontos (13 gols)
Richarlison (BRA, Everton) - 26 pontos (13 gols)

*Treze gols pelo Borussia Dortmund e 16 pelo Red Bull Salzburg

Rafael Reis