PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Quanto Neymar já doou para ajudar no combate ao coronavírus?

Neymar mostra treinamento durante quarentena - Divulgação
Neymar mostra treinamento durante quarentena Imagem: Divulgação
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

16/04/2020 04h20

Lionel Messi e Pep Guardiola já doaram pelo menos 1 milhão de euros (R$ 5,7 milhões) cada para políticas de combate à pandemia do novo coronavírus (covid-17). Cristiano Ronaldo gastou ainda mais, cerca de 4 milhões de euros (R$ 22,8 milhões), para melhor equipar hospitais portugueses que estão tratando infectados pela doença.

E eles não são exceção. Mesmo em um ambiente de crise econômica que também está atingindo suas finanças, vários astros do primeiro escalão do futebol mundial estão financiando iniciativas de amparos aos mais necessitados nesse momento de proliferação do vírus.

Mas e Neymar? O que o principal (e também mais rico) nome da modalidade no Brasil na atualidade tem feito para ajudar na luta contra a pandemia?

Procurada pelo "Blog do Rafael Reis", a assessoria de imprensa do camisa 10 do Paris Saint-Germain limitou-se a dizer que não divulga os valores das doações feitas pelo astro e também pelo instituto que leva o seu nome.

Mas é possível mostrar mais ou menos qual foi o tamanho da ajuda do atacante no combate à covid-19, pelo menos até o momento, a partir do levantamento de tudo aquilo que foi publicado aqui no UOL ao longo das últimas semanas.

No fim de março, a Diretoria, grupo de amigos que inclui Neymar, o apresentador de TV Luciano Huck, o cantor Thiaguinho, o surfista Gabriel Medina, o jogador de vôlei Bruninho e o ator Rafael Zulu, entre outros famosos, fez uma doação coletiva de R$ 1,5 milhão para ajudar comunidades carentes do Rio de Janeiro a lidar com a covid-19.

Já no começo deste mês, o craque da seleção brasileira resolveu fazer uma nova ação, mas dessa vez individual. O valor dessa segunda doação foi de aproximadamente R$ 5 milhões e, segundo o SBT, acabou dividido entre a Unicef e um fundo de solidariedade liderado por Huck.

Além do dinheiro para auxiliar no combate ao coronavírus, Neymar também postou em suas redes sociais algumas mensagens educativas aconselhando o isolamento social e um vídeo no qual pedia "aplausos a todos os profissionais de saúde".

O atacante está desde meados de março em sua mansão na cidade fluminense de Mangaratiba, que fica a cerca de 80 quilômetros do Rio de Janeiro. Apesar do isolamento, ele cumpre uma rotina de treinos com Ricardo Rosa, preparador físico pessoal e do PSG. Amigos e familiares, incluindo seu filho David Lucca, também estão com o jogador.

Ter vindo para o Brasil no começo da crise do coronavírus pode fazer com que o camisa 10 não possa participar do início dos treinos do PSG. Afinal, a França prorrogou suas medidas de distanciamento social até 11 de maio e, até lá, estrangeiros não podem entrar no país.

Em meio à incerteza pela evolução da pandemia na Europa, o Campeonato Francês está previsto inicialmente para retomar os jogos em 17 de junho. Já a Liga dos Campeões, na qual o PSG está classificado para as quartas de final, segue sem previsão de volta.

O time de Neymar lidera a Ligue 1, com 68 pontos, 12 a mais que o Olympique de Marselha. Na Champions, eliminou o Borussia Dortmund e ainda aguarda a definição do seu próximo adversário.

Até ontem, a OMS (Organização Mundial da Saúde) confirmava quase 2 milhões de casos positivos para coronavírus em praticamente todos os cantos do planeta. O número de mortos há havia ultrapassado a barreira dos 120 mil.