PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Rafael Reis


Como Flamengo se tornou o elenco mais caro da história da Libertadores

Gabigol, atacante do Flamengo, celebra gol marcado contra o Independiente del Valle - Marcelo Cortes/Flamengo
Gabigol, atacante do Flamengo, celebra gol marcado contra o Independiente del Valle Imagem: Marcelo Cortes/Flamengo
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

03/03/2020 04h00

Classificação e Jogos

Pouco mais de três meses depois de derrotar o River Plate e conquistar o título da Libertadores-2019, o Flamengo inicia amanhã, contra o Junior de Barranquilla, na Colômbia, a briga para ser tricampeão continental com um grupo de jogadores que já entrou para a história da competição.

De acordo com levantamento feito pelo "Transfermarkt", site especializado no Mercado da Bola, o elenco comandado por Jorge Jesus é o mais caro que o torneio continental já viu em 60 anos de existência.

Segundo a plataforma, o grupo atual de atletas da equipe rubro-negra está avaliado em 151,2 milhões de euros (R$ 756 milhões), uma marca jamais vista anteriormente nos gramados sul-americanos.

Quem mais se aproxima do valor do Flamengo deste ano é justamente o time atual do River, vice da temporada passada, que conta com um elenco estimado em 138,6 milhões de euros (R$ 693 milhões).

As versões 2020 de Palmeiras e Grêmio também superam o preço de qualquer equipe que passou pela Libertadores em anos anteriores.

O Flamengo deste ano é 35% mais caro que o recordista anterior, o Palmeiras que iniciou a disputa do título sul-americano no ano passado. Em relação ao seu próprio elenco de 12 meses atrás, o time carioca ficou 57,5% mais valioso.

O preço subiu de 96,2 milhões de euros (R$ 481 milhões) para os atuais 151,2 milhões de euros, em apenas um ano, devido principalmente a dois fatores: a valorização provocada pelo sucesso de 2019 e a chegada de reforços cada vez mais caros.

Gabigol é o exemplo mais gritante dessa inflação. Um ano atrás, seu valor estimado pelo "Transfermark" era de 13 milhões de euros (R$ 65 milhões). Depois de ser artilheiro da Libertadores e do Brasileiro, seu preço quase duplicou: 23 milhões de euros (R$ 115 milhões).

Ainda que em menor proporção, o fenômeno também atingiu outros jogadores importantes do elenco rubro-negro, casos de Bruno Henrique, Giorgian de Arrascaeta e Willian Arão.

Além disso, os reforços contratados pela diretoria nos últimos meses engordaram um pouco mais a conta flamenguista. O centroavante Pedro, por exemplo, é um dos dez atletas mais caros desta edição da Libertadores.

Michael, Pedro Rocha, Léo Pereira e Gustavo Henrique não chegam a tanto, mas também valem pelo menos 3 milhões de euros (R$ 15 milhões) cada, segundo o "Transfermarkt".

A fase de grupos da Libertadores-2020 começa hoje, com seis partidas. Os primeiros brasileiros a estrear são Internacional (enfrenta a Universidad Católica), Santos (Defensa y Justicia), Athletico-PR (Peñarol) e Grêmio (América de Cali, que jogam hoje.

Outros três times do país estão na briga pelo título sul-americano desta temporada. Além do Flamengo, o Palmeiras (Tigre) também vai a campo pela primeira vez amanhã. Na quinta, é a vez do São Paulo (Binacional) estrear. O Corinthians caiu nas fases preliminares do torneio.

Neste ano, o Maracanã, no Rio de Janeiro, irá receber a decisão da competição interclubes mais importante do continente. A final está marcada para o dia 21 de novembro.

ELENCOS MAIS CAROS DA HISTÓRIA DA LIBERTADORES*

1 - Flamengo-2020 (BRA) - 151,2 milhões de euros
2 - River Plate-2020 (ARG) - 138,6 milhões
3 - Palmeiras-2020 (BRA) - 124,7 milhões
4 - Grêmio-2020 (BRA) - 121,5 milhões
5 - Palmeiras-2019 (BRA) - 112 milhões
6 - Boca Juniors-2020 (ARG) - 111,1 milhões
7 - Boca Juniors-2019 (ARG) - 102,9 milhões
8 - Flamengo-2019 (BRA) - 96,2 milhões
9 - River Plate-2019 (ARG) - 96 milhões
10 - São Paulo-2020 (BRA) - 89,8 milhões

*segundo o "Transfermarkt", no começo da fase de grupos

Rafael Reis