Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
OpiniãoEsporte

Palmeiras bi brasileiro com dois reforços apenas, como cinquenta anos atrás

As mais ferozes críticas à gestão do Palmeiras, pela falta de reforços, não aconteceram por causa das decisões exclusivas da direção de futebol.

Desde o início do ano, os debates existiram sobre trazer um meia ou um atacante. Abel queria um 5!

Agora, Aníbal Moreno está contratado, a pedido do treinador.

Abel Ferreira sempre informou querer trabalhar com grupo curto de jogadores.

Chegou a explicar que não gosta de jogadores de cara feia, ao seu lado, no banco de reservas.

Decisão extremamente discutível.

Fato que a soma do treinador à dificuldade da diretoria produziu o sucesso de 2023 nos mesmos moldes de 1973, também temporada de bi brasileiro. "Nós tínhamos um grupo muito estável, que mudava muito pouco", lembra-se o goleiro Émerson Leão.

No início daquela temporada, o Palmeiras também contratou apenas dois jogadores. O centroavante Milton e o ponta-de-lança Manfrini.

"Milton veio do interior de São Paulo, como uma aposta. Manfrini veio com mais experiência", lembra-se Leão.

Continua após a publicidade

Chegou da Ponte Preta, ficou apenas quatro jogos e foi negociado com o Fluminense, onde se tornou destaque do título carioca, Milton também atuou pouco e voltou em 1978.

Desta vez, Richard Rios e Artur foram os únicos reforços. Artur, comprado por 8 milhões de euros mais um milhão de bônus, marcou dez gols, foi o quarto goleador do clube na temporada, mas terminou na reserva. Rios só virou titular por causa da lesão de Gabriel Menino. Daquela vez, contratações aos poucos. Eurico veio do Botafogo de Ribeirão Preto, Luís Pereira do São Bento, Zeca trocado com o Grêmio por Tupãzinho, Edu e Leivinha da Portuguesa, Nei da Ferroviária.

O técnico Osvaldo Brandão ganhou dez títulos em três passagens pelo Parque Antarctica. É o único com mais troféus do que Abel Ferreira, de nove taças.

Os reforços são da base. De 32 jogadores escalados no Brasileiro, 15 são crias da Academia, recorde em qualquer título da história palmeirense.

Como há cinquenta anos, o time histórico foi sendo montado aos poucos, silenciosamente, sem contratações de peso.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes