Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
OpiniãoEsporte

Depoimento de Lenny não denuncia entrega, mas falha de caráter da sociedade

Lenny confirma que Palmeiras não teve esforço contra o Fluminense em 2010.

Compreendido.

O jogo que causou a cizânia de Tite e Felipão, solucionada após treze anos, porque Tite julgou que seu ex-professor e ex-técnico não teria se esforçado contra o Flu, para prejudicar o Corinthians na reta final daquele campeonato.

E Lenny confirma que não se esforçou. Entenda-se: Lenny pode falar por si só.

Não pode falar sobre o chutaço de Dinei que resultou no primeiro gol do Palmeiras, depois de falha de Leandro Euzébio.

O zagueiro do Fluminense também quis entregar?

Nem falou das defesas de Deola, que produziram gritos das arquibancadas, para que o Palmeiras entregasse.

Lenny não se esforçou. Foi isso que ele disse. Deola não se esforçou? E por que fez as defesas? Dinei também não?

Na reta de chegada daquele Brasileirão, o Palmeiras levou 0 x 3 do Atlético Goianiense, 0 x 2 do Atlético Mineiro, 1 x 2 do Fluminense, 1 x 2 do Cruzeiro.

Continua após a publicidade

Nesses jogos o Palmeiras se esforçou? Perdeu por vagabundagem, incompetência ou falta de desejo?

À parte o que aconteceu — ou não aconteceu — naquela penúltima rodada do Brasileirão de 2010, o que o depoimento de Lenny indica é a falha de caráter de nosso tempo.

Há cinquenta anos, nós, brasileiros, reclamamos da corrupção no Congresso Nacional, nas Assembleias Legislativas, de deputados corruptos... e o golpe pelo celular é dado pelo cidadão comum, do outro lado da rua.

O depoimento de Lenny, assim como os gritos da torcida do Palmeiras na Arena Barueri, indica que temos um problema de caráter na sociedade que se precisa corrigir. É urgente!

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes