PUBLICIDADE
Topo

Crivella tira Patrícia Amorim do comando do Legado Olímpico

Patricia Amorim -
Patricia Amorim
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

10/06/2020 14h41

Depois de três anos e meio responsável pela gestão dos equipamentos olímpico municipais, a ex-presidente do Flamengo Patrícia Amorim foi exonerada do cargo de subsecretária do Legado Olímpico pelo prefeito Marcelo Crivella, que é do mesmo partido dela, o Republicanos. Amorim dá lugar a Leandro Alves de Almeida Santos, ligado ao ex-deputado estadual André Lazaroni (MDB).

Patrícia, porém, continua fazendo parte do governo municipal, agora como assistente I na Casa Civil, um rebaixamento expressivo em termos de salário. Recebia R$ 23 mil brutos ao mês e agora ocupa um posto cujo salário previsto, nível DAS-06, é de R$ 1,8 mil.

"Estou aguardando os acontecimentos. De verdade, o que mais importou para mim foi fazer a passagem de política para técnica. Não fiz parte de acordos, e sou muito agradecida por ter realizado um trabalho com pouco recurso", disse ela ao Olhar Olímpico. "Estava falando com a Ana Sátila. Adorei ter ajudado e presenciado o título mundial na minha gestão. Recebi o carinho do Diego e Daniele Hypolito . O que posso querer mais?", completou, em referência ao Mundial de Canoagem Slalom disputado no Parque Radical.

A ex-vereadora havia sido pega de surpresa, na semana retrasada, por uma profunda mudança de hierarquia. A Subsecretaria, criada em 2017 e comandada por ela desde o início, saiu do guarda-chuva da Casa Civil e foi para uma nova secretaria, de Turismo e Legado Olímpico. A pasta foi criada depois de um encontro entre Crivella e Jair Bolsonaro (sem partido) e entregue à deputada estadual bolsonarista Alana Passos (PSL).

Por indicação de Allana, Camila Vieira de Sousa foi nomeada secretária. Camila era gerente de operações da GL Events, empresa que administra o Riocentro e a Arena da Barra, ginásio construído para o Pan de 2007 e também utilizado na Olimpíada do Rio. Depois de 14 anos na empresa, ela pediu demissão para assumir a secretaria. Na primeira visita ao Legado Olímpico, acompanhada de Allana, sequer cumprimentou Amorim.

O processo de fritura da ex-presidente do Flamengo foi completado ontem (9), quando sua exoneração foi publicada no Diário Oficial. Para seu lugar foi nomeado Leandro Alves de Almeida Santos, que foi assessor parlamentar do então deputado estadual André Lazaroni (MDB) e chegou a ser subsecretário de Esporte no estado quando Lazaroni era secretário.

O novo subsecretário também foi candidato a vereador pelo PEN nas eleições de 2016 e recebeu 2.223 votos, não sendo eleito. Agora, ele irá comandar uma pasta com 39 cargos em comissão. Será dele a responsabilidade sobre a Arena Carioca 3 e sobre o Parque Radical de Deodoro.