PUBLICIDADE
Topo

"M7 & PP4": Mari a Paula Pequeno estreiam no vôlei de praia

Paula Pequeno e Mari - Reprodução/Facebook
Paula Pequeno e Mari Imagem: Reprodução/Facebook
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

03/03/2020 04h00

A estratégia de associar as iniciais do nome e o número da camisa para criar identidade para um atleta não é nova - que o diga o R9. A tática agora chega, porém, em um esporte onde sequer existem números no uniforme, o vôlei de praia. Na sexta (6) acontece a estreia oficial da dupla M7 & PP4, mais conhecidas com Mari e Paula Pequeno.

Marianne Steinbrecher, a Mari, aposentada nas quadras desde 2017, já fez sua estreia no vôlei de praia. No ano passado, ex-ponteira e ex-oposta campeã olímpica no vôlei "indoor" jogou a etapa de Ribeirão Preto (SP) do Circuito Brasileiro ao lado de Duda, em parceria pontual enquanto Ágatha era poupada por questões físicas.

Em Aracaju (SE) acontecerá não apenas a estreia de Paula Pequeno, bicampeã olímpica, mas também da dupla. Mari e Paula, afinal, estão juntas nesse projeto desde o começo do ano passado. Em outubro as veteranas de 36 e 38 anos, respectivamente, confirmaram que tentariam a sorte jogando juntas, mas coube ao técnico Alexandre Rivetti definir quando elas estariam prontas para estrear.

A escolha foi pela etapa em Sergipe, onde as jogadoras vão passar a semana treinando. Nesta segunda (2) elas já estrearam o uniforme personalizado da dupla, que leva a inscrição M7 & PP4, como elas pretendem ser reconhecidas a partir de agora.

"Sinto-me realmente começando, como uma menina. Estou cada vez mais ansiosa e apreensiva, naturalmente. O vôlei de praia é a versão mais difícil do voleibol, muito mais diferente do que as pessoas imaginam, e encarar uma missão como essa, e nessa altura do campeonato, não vai ser nada fácil", comentou Paula Pequeno ao site da CBV.

As campeãs olímpicas de 2008 - Paula venceu também em 2012 - sonham com os Jogos Olímpicos de 2024, em Paris. Para Tóquio o Brasil já está escalado com Ágatha/Duda e as estreantes Ana Patrícia/Rebecca.

Olhar Olímpico