PUBLICIDADE
Topo

Julio Gomes

Europeus: Milan, Atlético de Madrid e dupla londrina confirmam candidaturas

Atlético de Madrid supera o Barcelona pelo Campeonato Espanhol - GettyImages
Atlético de Madrid supera o Barcelona pelo Campeonato Espanhol Imagem: GettyImages
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

23/11/2020 05h25

Depois de duas semanas de pausa pelos duelos das seleções nacionais, o futebol europeu entra em um segundo estágio da temporada 2020/2021, que está sendo marcada pelo calendário apertado e o excesso de jogos. A pandemia mudou a relação de forças, e os times dominantes das ligas nacionais estão tendo dificuldades para fazer valer os elencos caros que mantêm e transformar o domínio financeiro em domínio esportivo.

A rodada deste fim de semana mostrou sinais interessantes nas três ligas mais badaladas do mundo. Milan, no Italiano, Atlético de Madrid, no Espanhol, e a dupla londrina formada por Tottenham e Chelsea, na Inglaterra, mostraram que são, sim, sérios postulantes a brigar pelos títulos nacionais. O que, convenhamos, poucos acreditavam que poderia acontecer quando a temporada começou.

Foi-se a primeira parte, aquela inicial, em que os candidatos se posicionam. Agora vem uma longa parte intermediária, que vai durar até fevereiro. Nos próximos três meses, veremos quais equipes irão mesmo brigar pelos títulos nacionais. Entrarão em campo o fator sorte e o planejamento físico, para minimizar as perdas por lesões. A partir de fevereiro/março, começa a reta final: o mata-mata da Liga dos Campeões e o quarto derradeiro das ligas domésticas. Não haverá mais tempo para os técnicos planejarem, pensarem, traçarem grandes estratégias. Agora, é jogo atrás de jogo.

O Atlético de Madrid, de Simeone, já poderia ter brigado de forma mais contundente pelo título espanhol na temporada passada. Mas tropeçou demais em jogos pequenos e foi deixando pontos pelo caminho. Agora, com a afirmação no time de João Félix, o jovem virtuoso português, e a chegada de um atacante de garantias (Luís Suárez), o Atlético parece um candidato mais sério.

No sábado, mesmo sem Suárez, venceu por 1 a 0 um pobre Barcelona - Messi andou em campo por 90 minutos (e ainda assim foi o mais lúcido do time), Piqué saiu machucado e até o intransponível Ter Stegen falhou. Desde que Simeone assumiu o Atlético de Madrid, em 2011, o técnico argentino nunca havia vencido o Barça em uma partida do campeonato - eram 6 empates e 11 derrotas.

É verdade que um desses empates, no Camp Nou, significou o título espanhol para o Atlético, em 2014. E é verdade também que, neste período, Simeone eliminou o Barça duas vezes da Champions League. Mas nunca haver vencido o clube catalão em La Liga era uma pedra enorme no sapato do argentino. Desta vez, não teve Messi para atrapalhar. E o Atlético, com a vitória, se coloca como candidato importante pelo título.

Com 10 rodadas realizadas, a Real Sociedad lidera o Espanhol com 23 pontos. O Atlético, único invicto, tem 20, mas duas partidas a menos. O Real Madrid, que empatou em Villarreal, tem três pontos a menos que o Atlético e um jogo a mais que o rival da cidade. O Barcelona já ficou nove pontos atrás, sem contar a falta de perspectiva pelos lados catalães.

IBRA E SEUS GAROTOS

Outro que quebrou um tabu de 10 anos foi o Milan, ao vencer o Napoli por 3 a 1 no estádio San Paolo. Com dois gols de Ibrahimovic, o Milan se recuperou de dois tropeços (derrota para o Lille na Europa League e empate com o Verona) que deixavam dúvidas sobre as reais chances do time na temporada. A vitória em Nápoles manteve os rossoneri na liderança do calcio, à frente do surpreendente Sassuolo, da Roma, da Juventus e da Inter - todos vitoriosos na rodada.

A última vitória do Milan fora de casa sobre o Napoli havia acontecido em outubro de 2010, com gols de Robinho e do próprio Ibra. Aquela temporada, a 10/11, marcou o último título italiano do Milan - de lá para cá, são nove conquistas seguidas da Juve.

Ao ganhar em um campo onde quase só apanhou na década e deixar o Napoli seis pontos atrás, o jovem time do Milan ganha ainda mais confiança para a sequência da temporada. A única má notícia foi a saída de campo de Ibrahimovic, com uma lesão na perna esquerda - ainda não se sabe por quanto tempo ele desfalcará o time.

Agora, Juve, Inter, Lazio e Atalanta fazem partidas importantes pela Champions League, enquanto o Milan só entra em campo na quinta, pela Europa League - que não é a prioridade na temporada.

MOU E LAMPARD

Na Inglaterra, o Liverpool deu um golpe de autoridade ao fazer 3 a 0 no Leicester, que liderava o campeonato. É claro que, depois de quebrar o longo jejum de 30 anos sem títulos, o Liverpool tem tudo para manter a coroa da Premier League. Mas o fato é que o time de Klopp está com uma defesa desfalcada, o que pode significar um ou outro ponto perdido, e dois times de Londres mostraram no fim de semana que não estão para brincadeira.

O Totttenham jogou à la Mourinho para vencer o Manchester City no sábado por 2 a 0 - sofreu, sofreu, sofreu, aguentou na defesa e matou no contra ataque. Guardiola já tinha visto esse filme antes! Mou é Mou.

Com 20 pontos e saldo melhor que o do Liverpool, o Tottenham é o líder na Inglaterra. São quatro vitórias seguidas e, assim como o Milan, o Tottenham só tem Europa League nas próximas semanas, um torneio que não é prioritário para o clube e que permite poupar alguns titulares ou jogadores mais cansados.

Nos próximos dois fins de semana, o Tottenham tem clássicos londrinos contra o Chelsea e o Arsenal. No meio de dezembro, confrontos seguidos contra Liverpool e Leicester. Ou seja, dentro de um mês teremos a exata noção da força deste time de José Mourinho.

O Chelsea, de Lampard, ex-pupilo de Mou, emendou cinco vitórias seguidas somando Premier e Champions League. Sofreu só um gol nos últimos sete jogos, o que indica que os problemas defensivos, que marcaram o Chelsea na temporada passada, foram resolvidos. Com 18 pontos, o time de Lampard está em terceiro no campeonato, coladinho em Tottenham e Liverpool. O Manchester City tem apenas 12 pontos e está na 13a colocação.

Bayern de Munique, na Alemanha, e Paris Saint-Germain, na França, tiveram resultados ruins no fim de semana. O Bayern só empatou com o Werder Bremen, e o PSG levou uma virada incrível do Monaco depois de abrir 2 a 0 - Neymar entrou aos 15min do segundo tempo.

Os dois são líderes isolados de seus campeonatos, mas não com a mesma folga de outros anos. Mesmo os finalistas da última Champions vão ter de saber lidar com o excesso de jogos e a temporada estranha. Tudo indica que serão campeões de novo. Mas com bem menos vantagem e rodadas de antecipação.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL