PUBLICIDADE
Topo

Danilo Lavieri

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Palmeiras se desaponta com a FPF e decide pegar o Corinthians com reservas

Luiz Adriano divide com Cássio no quarto gol do Palmeiras sobre o Corinthians - Cesar Greco
Luiz Adriano divide com Cássio no quarto gol do Palmeiras sobre o Corinthians Imagem: Cesar Greco
Danilo Lavieri

Danilo Lavieri começou a carreira em 2008 e trabalha com futebol desde 2010. Já cobriu Copa, Olimpíada, escreveu a biografia do goleiro Marcos (Nunca Fui Santo) e ganhou prêmio de furo do ano da Aceesp em 2019.

Colunista do UOL

24/02/2021 21h15

O Palmeiras ficou desapontado com a decisão da Federação Paulista de Futebol (FPF) de não adiar o jogo contra o Corinthians pelo Estadual, marcado para o próximo dia 3 de março. Pessoas ligadas à cúpula do clube revelaram ao blog, inclusive, que já há uma decisão que partiu da própria diretoria de entrar no clássico com o time reserva.

VEJA TAMBÉM: Palmeiras e Puma encaminham renovação de contrato

Isso porque o clássico ficou marcado entre as duas decisões da Copa do Brasil, diante do Grêmio. A primeira partida está marcada para este domingo (28), às 16h, em Porto Alegre. A volta será feita no dia 7 de março, no Allianz Parque, em São Paulo, às 18h.

Na ótica palmeirense, a FPF deveria ter protegido o filiado a tentar uma conquista que não volta para o Estado desde 2015, quando o campeão foi justamente o Alviverde, em cima do Santos.

Na prática, a decisão da entidade que controla o futebol paulista coloca o principal clássico do campeonato, que inclusive foi a final da última edição, como um obstáculo para os palmeirenses e ainda diminuí o brilho da competição que é administrada por ela mesma.

SAIBA MAIS: Palmeiras aguarda sinal para contratar atacante do River Plate

O Palmeiras argumenta que fará 18 partidas no ano até o dia do clássico, enquanto seu arquirrival terá disputado 12 no mesmo período.

Essa é mais uma das críticas do Alviverde ao calendário do futebol brasileiro. Recentemente, foi a vez de Abel Ferreira usar suas coletivas para detonar a organização das datas, especialmente por conta da maratona após a conquista da Libertadores. Na ocasião, até mesmo o presidente da CBF, Rogério Caboclo, precisou responder às críticas. Agora, é a vez de a diretoria manifestar sua insatisfação.