PUBLICIDADE
Topo

Iniciativas que inspiram

Casa das Mulheres promove ações de geração de renda no Complexo da Maré

Complexo da Maré possui um polo de costureiras que tem trabalhado em máscaras durante a pandemia - Douglas Lopes/Divulgação
Complexo da Maré possui um polo de costureiras que tem trabalhado em máscaras durante a pandemia Imagem: Douglas Lopes/Divulgação

Kamille Viola

Colaboração para Ecoa, do Rio de Janeiro

30/08/2020 04h00

Fundada há quase quatro anos, em outubro de 2016, a Casa das Mulheres da Maré é um projeto da ONG Redes da Maré que oferece cursos profissionalizantes de gastronomia, assistente de salão de beleza e bordado, além de atendimento psicológico e jurídico. O lugar é também um espaço de empoderamento feminino: todas as formações incluem aulas de Gênero e Sociedade, com conversas sobre desigualdades que estruturam a sociedade brasileira e que afetam as mulheres das favelas.

Com a pandemia, as atividades foram interrompidas, e o bufê Maré de Sabores, que funciona no espaço e é formado por ex-alunas, teve seus eventos cancelados ou adiados, comprometendo a renda das trabalhadoras que o integram. Mas logo surgiram ações que para ajudar a combater os efeitos da Covid-19 no complexo de favelas e gerar renda para moradoras do local.

Dentre as ações planejadas pela ONG na campanha Maré Diz Não ao Coronavírus, estava a distribuição de refeições para a população em situação de rua da Maré. A instituição possui um lugar de acolhimento para pessoas que fazem abuso de álcool e outras drogas, o Espaço Normal, que precisou ser fechado durante a pandemia, já que promovia aglomeração. Com isso e a diminuição da circulação de pessoas na favela, era necessário fazer a comida chegar até essas pessoas. Foram convocadas, então, 18 cozinheiras do Maré de Sabores, que passaram a preparar diariamente a comida para elas. Além disso, dez outras pessoas participam da montagem e distribuição das quentinhas.

"O bufê engaja de 15 a 60 mulheres, dependendo do volume de eventos contratados. Com a pandemia, os eventos cessaram: alguns foram cancelados e outros, adiados. Consequentemente, a renda das mulheres foi comprometida. Entendendo que essas mulheres fazem parte do projeto Maré de Sabores e existia esse pensar da alimentação do território, produzir refeição era uma forma de garantir trabalho e renda para essas mulheres que já estavam engajadas no projeto, a partir do bufê, e garantir a alimentação das pessoas em situação de rua", explica Mariana Aleixo, coordenadora da Casa das Mulheres. "Dia 28, a gente completou cinco meses de distribuição de refeições, sendo em média 300 diárias. Isso corresponde a 43 mil refeições nesses cinco meses. As mulheres trabalham três vezes por semana, numa escala, porque a gente está nesse processo de pandemia", conta. A distribuição diária de refeições está garantida até outubro, graças a editais e campanhas de financiamento coletivo. Em novembro e dezembro, ela vai acontecer duas vezes por semana.

Dezoito cozinheiras do Maré de Sabores passaram a preparar diariamente comida para moradores do complexo - Divulgação - Divulgação
Dezoito cozinheiras do Maré de Sabores passaram a preparar diariamente comida para moradores do complexo
Imagem: Divulgação

Outra ação foi a confecção e distribuição de máscaras: já que elas são um dos principais equipamentos para a prevenção da Covid-19, surgiu a ideia de distribuí-las aos moradores. Como o complexo de favelas possui um polo de costureira, foi encontrada uma forma de aproximá-las da casa, gerar renda para elas e ajudar a combater a pandemia: a produção de máscaras, que são distribuídas de porta em porta, junto a álcool em gel, e também para as pessoas em situação de rua. "Na primeira fase, foram produzidas 20 mil por semana, durante dez semanas, ou seja, 200 mil máscaras. O plano é que a gente tenha duas máscaras por morador, a gente tem 140 mil habitantes, então seriam 280 mil máscaras. Até o final de agosto, vamos chegar a mais 100 mil, ou seja, vamos ter 300 mil máscaras produzidas por essas 54 costureiras", comemora a coordenadora.

Embora a Casa não esteja com seu funcionamento regular, algumas mulheres, além das envolvidas na campanha Maré Diz Não ao Coronavírus, ainda têm visitado o espaço. "A gente não está estimulando a volta das formações, mas, com atividades agendadas, com protocolos de circulação dentro da casa, com horário e número controlado, a gente mantém o vínculo com essas mulheres. A ideia é que as nossas ações agora sejam pontuais, algumas virtuais — entendendo que nem todas as mulheres vão ter acesso, por causa de pacote de dados —, mas que essas formações cheguem a um número de mulheres e que mantenham vínculos para que, quando já houver a vacina, quando a pandemia estiver de alguma forma controlada, a gente possa retomar nossas atividades normais", espera Mariana Aleixo. A casa também continua com atendimento jurídico e psicológico, que teve aumento na procura durante a pandemia.

O embrião do espaço foi o Maré de Sabores, um projeto de protagonismo feminino a partir da gastronomia que surgiu em 2010 e foi o primeiro a ocupar o espaço em sua inauguração, em 2016. Logo, o curso teve um desdobramento, o bufê de mesmo nome. "Esse desdobramento foi muito orgânico. A gente imaginava, inicialmente, que as mulheres iriam se qualificar, melhorar os serviços prestados na Maré e iriam para o mercado de trabalho, iriam empreender. Elas se organizaram a partir dessa primeira formação, que é gastronômica, mas também política, de perguntar: 'O que a gente faz com o que a gente aprendeu junto?'. Fomos entendendo essa condição da mulher, dessa qualidade de vida que é mais coletiva, que está ligada à família, e criamos uma alternativa a partir disso, que é o bufê. É uma forma de elas gerarem trabalho e renda a partir da produção de caterings e também da lógica de vida delas: o que é possível de tempo de trabalho [para cada uma], e assim por diante", descreve a coordenadora.

Casa das Mulheres da Maré é um projeto da ONG Redes da Maré que oferece cursos profissionalizantes para mulheres da comunidade - Douglas Lopes/Divulgação - Douglas Lopes/Divulgação
Casa das Mulheres da Maré é um projeto da ONG Redes da Maré que oferece cursos profissionalizantes para mulheres da comunidade
Imagem: Douglas Lopes/Divulgação

O sonho da construção do espaço era algo anterior ao próprio curso de gastronomia. O lugar é uma resposta da Redes da Maré à sua própria experiência na comunidade, ao reconhecer que as mulheres estão sempre na liderança da garantia de direitos do território. "Isso está desde a construção desta favela e das outras do Rio de Janeiro. Para garantir água, foi a partir da reunião de mulheres. Energia. O nosso território foi construído por meio desse protagonismo das mulheres, de olhar essa questão da qualidade de vida a partir da família, do coletivo. Ter um espaço era reconhecer que as mulheres estão nessa liderança e, consequentemente, organizar essas mulheres de outra forma nesse momento", analisa ela.

A processo que culminou na fundação da ONG Redes da Maré começou em 1997, com a criação do Curso Pré-Vestibular Comunitário da Maré — a vereadora Marielle Franco, por exemplo, foi aluna. Em 2007, a instituição foi formalizada com o nome atual. A organização tem 40 projetos divididos em quatro eixos: Arte, Cultura, Memórias e Identidades (que inclui um espaço cultural, o Centro de Artes Maré); Desenvolvimento Territorial (do qual a Casa das Mulheres e o Espaço Normal fazem parte); Direito à Segurança Pública e Acesso à Justiça e Educação. "A Redes tem uma coisa muito particular: ela nasce a partir de moradores e hoje também é liderada e produzida por pessoas do território. Eu nasci aqui na Maré, me formei em gastronomia e, a partir desse desdobramento, surge o Maré de Sabores", pontua Mariana Aleixo.

Iniciativas que inspiram