PUBLICIDADE
Topo

Scooter elétrica vai bem em ruas calmas, mas sofre nas ladeiras; assista

Arthur Caldeira

Arthur Caldeira, jornalista e motociclista (necessariamente nessa ordem) fundador da Agência INFOMOTO. Mesmo cansado de ouvir que é "louco", anda de moto todos os dias no caótico trânsito de São Paulo.

Colunista do UOL

18/10/2020 04h00

Quando se fala em veículos de duas rodas elétricos muitos pensam apenas em patinetes e bicicletas. Mas já são vendidos no Brasil motocicletas e scooters "de verdade", movidos a eletricidade. Um exemplo é a EV 1 da startup pernambucana Voltz Motors.

EV1 estática - Renato Durães/Infomoto - Renato Durães/Infomoto
EV1 é primeira scooter elétrica da startup pernambucana Voltz Motors, que chegou à São Paulo recentemente; preço á vista é de R$ 9.490
Imagem: Renato Durães/Infomoto

Com porte de scooter a gasolina, a EV 01 precisa ser emplacada, exige CNH para motocicletas, além do uso de capacete e demais equipamentos de proteção. O motociclista também terá gastos anuais com licenciamento, seguro obrigatório (DPVAT) e IPVA - em alguns estados, como São Paulo, os veículos elétricos têm desconto no imposto.

Montado no Brasil, porém com componentes fabricados na China, a EV1 é o primeiro veículo de duas rodas elétricos produzido pela Voltz Motors. À venda desde novembro do ano passado, a scooter já emplacou cerca de 1.500 unidades até outubro.

EV1 movimento - Renato Durães/Infomoto - Renato Durães/Infomoto
EV1 tem desempenho para acompanhar o trânsito em ruas e avenidas com velocidade menor, mas falta desempenho para vias expressas e "força" para encarar as ladeiras de São Paulo
Imagem: Renato Durães/Infomoto

Rodamos com a scooter elétrica por uma semana, no trânsito paulistano. Veja no vídeo que abre a coluna, como ele se saiu. E conheça, abaixo, mais detalhes sobre a EV1.

Desempenho e autonomia

Dotada de motor Bosch com 1.800 W, instalado diretamente no cubo da roda traseira, a EV 01 pode chegar a 60 km/h de velocidade máxima. Com isso, não tem desempenho suficiente para transitar em vias de trânsito rápido, como as Marginais, e não é seguro rodar em rodovias, como Anchieta e Dutra, que ligam cidades da região metropolitana à capital.

Vale dizer que em ruas calmas e avenidas com trânsito mais lento, com limite de até 50 km/h, a EV1 consegue acompanhar o fluxo com facilidade. A partida no semáforo é um pouco mais lenta do que de outras motos - segundo a Voltz, vai de 0 a 60 km/h em 22 segundos.

EV1 traseira - Renato Durães/Infomoto - Renato Durães/Infomoto
Motor elétrico da EV1 instalado na roda traseira tem 1800 watts; desempenho é semelhante a uma scooter de "cinquentinha", de 50 cc
Imagem: Renato Durães/Infomoto

O desempenho lembra o de uma "cinquentinhas", uma mobilete. E, como nos ciclomotores, falta "força" para encarar algumas subidas mas íngremes da capital paulista. Numa ladeira, a velocidade geralmente cai pela metade.

Com uma carga completa na bateria de íons de lítio percorre até 60 quilômetros. Em um dia, rodei 35 quilômetros e a carga caiu para 40%, ou seja, a estimativa da Voltz é bem próxima da realidade. A recarga completa leva quatro horas, mas, em duas horas, é possível recarregar até 60%.

O interessante é que a bateria pode ser removida para recarregar na sua casa em uma tomada comum de 110 V ou 220 V, caso você more em um prédio e não tenha tomada na garagem. Mas vale dizer que é preciso ter jeito para removê-la e a bateria é um pesada, para ser carregada.

Freios a disco nas duas rodas

As rodas são de aro 12, com pneus sem câmara, e freios a disco em ambas. O sistema de freios é suficiente para parar a EV1, que nem vai tão rápido assim. Mas, infelizmente, não oferece sistema combinado e nem ABS.

EV 1 movimento 2 - Renato Durães/Infomoto - Renato Durães/Infomoto
Em função da velocidade reduzida, suspensões e rodas aro 21 encararam bem as malconservadas ruas paulistanas
Imagem: Renato Durães/Infomoto

Nas suspensões, a EV1 usa garfo telescópico convencional, na dianteira, e dois amortecedores, na traseira. O conjunto absorveu bem as imperfeições das ruas de São Paulo, até porque a scooter não chega a velocidades tão altas, o que acaba não exigindo muito das suspensões.

Luzes de LED e som Bluetooth

Com um design futurista, a EV 01 tem faróis e lanterna em LED, além de painel totalmente digital, com diversas informações, e alto-falantes que podem ser conectados ao smartphone por meio de Bluetooth.

A chave tem um chaveiro "smart". Portanto, o condutor pode optar por colocar na ignição ou acionar a scooter à distância. É possível também ativar o alarme e abrir o assento. O compartimento sob o banco não é pequeno, mas não comporta um capacete.

Entregue em casa

Vendida em oito opções de cores, a EV 01 custa R$ 9.490 e pode ser adquirida apenas no site da empresa. O valor não inclui o frete, uma vez que a moto é entregue diretamente na casa do consumidor. Atualmente, o prazo pedido pela Voltz é de cerca de 60 dias.

Ev1 lateral - Renato Durães/Infomoto - Renato Durães/Infomoto
Voltz EV1 tem cavalete central de série, chaveiro smart key, iluminação por LEDs e até alto-falantes Bluetooth
Imagem: Renato Durães/Infomoto

A empresa também anunciou o lançamento de mais duas versões da scooter, com melhor desempenho e mais autonomia. A EV1 Sport terá bateria de 35 Ampere/hora, para chegar até 75 km/h, e a autonomia será de 100 quilômetros. Já a EV1 + (plus), além do motor e bateria mais potentes, contará com Painel TFT e aplicativo para smartphones, como a recém-lançada motocicleta EVS da Voltz.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.