PUBLICIDADE
Topo

Um século de nostalgia: bloco lírico mais antigo do Recife chega a 100 anos

Bloco das Flores desfilará no próximo domingo - Bloco das Flores
Bloco das Flores desfilará no próximo domingo Imagem: Bloco das Flores

Aliny Gama

Colaboração para o UOL, em Maceió

21/02/2020 12h28

Fundado em 1920, o primeiro bloco lírico do Carnaval do Recife chega aos 100 anos mantendo a nostalgia dos antigos Carnavais de rua. Para a data não passar em branco, a agremiação vai ser um dos homenageados no Carnaval pela prefeitura do Recife e prepara um desfile à altura para marcar a história.

O Bloco das Flores desfilará no domingo (23), saindo da praça Maciel Pinheiro, no bairro Boa Vista, área central da capital pernambucana. O cortejo contará com cerca de 100 pessoas — 75 mulheres, de idades entre 35 e 90 anos, 15 homens e dez crianças.

Além do coral do Bloco das Flores, que tem oito vozes de mulheres, a agremiação terá participação durante todo o cortejo da orquestra Heleno Ramalho. Para este ano, segundo a organização do bloco, a beleza das roupas e adereços dos participantes serão caprichados. A roupa foi desenhada e costurada pelo estilista pernambucano Jan Moraes.

O bloco nasceu no bairro de São José, na área central da capital pernambucana, idealizado pelo comerciante português Pedro Salgado. A história da agremiação e o nome de seu fundador são citados no famoso frevo "Evocação nº 1", escrito em 1957 pelo compositor Nelson Ferreira. A música faz referência aos blocos da época, como o próprio Bloco das Flores, Andaluzas em Folia e Pirilampos de Tejipió.

O primeiro desfile ocorreu no Carnaval de 1920, com a presença de cem mulheres vestidas de branco, em alusão ao nome inicial, que era Bloco das Flores Brancas. A agremiação era formada exclusivamente por mulheres, pois seus idealizadores queriam proporcionar segurança para as "moças de família" nos blocos carnavalescos. Dois anos depois, o grupo mudou de nome para Bloco das Flores.

A direção do bloco conta que a fundação ocorreu após uma reunião de um grupo de intelectuais, formado por artistas, jornalistas e compositores marchinhas de carnaval, além do empresário português Pedro Salgado. Com o falecimento de Pedro Salgado e do compositor e regente da orquestra, Raul de Moraes, o bloco ficou parado em 1937.

Depois, um grupo de artistas resolveu fundar um bloco lírico, em 2000, e batizou a agremiação de Bloco das Flores para dar continuidade a tradição do carnaval de rua do Recife. Desde lá, o Bloco das Flores sai às ruas durante o Carnaval do Recife arrastando multidão.

Durante o desfile, os participantes cantam músicas líricas (frevo mais lento) e o público, que assiste a agremiação passar, entoa as canções a uma só voz. Dentre elas estão o famoso "Evocação nº 1", que diz em um trecho: "Felinto, Pedro Salgado, Guilherme, Fenelon, cadê teus blocos famosos? Bloco das Flores, Andaluzas, Pirilampos, Apôs-Fum. Dos carnavais saudosos."

Recife e Olinda