Paulo Chaccur

Paulo Chaccur

Só para assinantesAssine UOL
Reportagem

Anabolizantes podem ser um perigo para a saúde cardíaca; entenda os riscos

De problemas no coração à infertilidade, são muitas as consequências do uso desenfreado dos esteroides anabolizantes, um grupo de substâncias sintéticas formadas à base do hormônio testosterona.

O termo "anabolizante" refere-se a sua capacidade de promover o crescimento e o desenvolvimento de diversos tipos de tecidos, incluindo o muscular. Justamente por isso, acabam atraindo aqueles que buscam melhorias estéticas e na performance esportiva, com objetivos que envolvem a redução da gordura corporal, crescimento dos músculos e aumento da força física e resistência.

Porém, na ânsia de garantir os resultados desejados, muitos indivíduos acabam utilizando esses produtos de forma abusiva e indiscriminada, sem considerar os possíveis riscos, efeitos colaterais e danos ao organismo.

A testosterona

Precisamos, entretanto, deixar claro que a testosterona não deve de forma alguma ser considerada uma vilã nessa história. Estamos falando de um hormônio naturalmente produzido pelo corpo e regulado pelo sistema endócrino.

A testosterona desempenha papel crucial, em particular no desenvolvimento e manutenção de características sexuais masculinas, desde a puberdade até a vida adulta, a exemplo dos órgãos sexuais (incluindo os testículos e a próstata), barba, pelos corporais e voz, bem como aumento da massa e força muscular.

É ainda de sua responsabilidade a regulação da produção de espermatozoides, do desejo sexual (libido) e função erétil, do metabolismo e distribuição de gordura (contribuindo para a composição corporal), crescimento e a densidade dos ossos.

Além disso, atua na produção das células vermelhas do sangue na medula óssea e tem impacto no humor, energia e disposição.

Manter suas taxas equilibradas é essencial para a saúde, especialmente dos homens. Vale lembrar, no entanto, que embora a testosterona seja uma substância predominante no corpo masculino, também faz parte, em níveis muito menores, do organismo feminino.

Continua após a publicidade

A utilização dos anabolizantes, portanto, é indicada para pessoas que não produzem quantidades suficientes de testosterona, entre outras finalidades específicas, incluindo o tratamento de condições, como anemia, perda muscular decorrente de certas doenças, inflamações e alguns tipos de câncer.

Ou seja, é preciso ter a real necessidade, recomendação e supervisão profissional, capaz de indicar o melhor tipo, dose e período de uso.

Os benefícios não superaram os perigos

Para atender a padrões estéticos, acelerar a conquista de um corpo e desempenho mais atlético, há quem faça uso de esteroides anabolizantes em doses altíssimas, de 10 a 100 vezes maiores do que as utilizadas na reposição hormonal ou em outros tratamentos.

Por isso, desde abril deste ano, a prescrição de anabolizantes para tais fins está proibida pelo CFM (Conselho Federal de Medicina). A justificativa é que não há comprovação científica suficiente dos benefícios e da segurança dessas terapias. Ao contrário, o que se tem visto é um aumento crescente no número de pessoas com complicações decorrentes do seu uso.

O fato é que níveis acima dos fisiológicos, tanto em homens como em mulheres, pode acarretar em uma série de prejuízos para a saúde —e até mesmo ser fatal.

Continua após a publicidade

Nessa lista podemos citar, entre pessoas do sexo masculino:

  • a redução da produção de espermatozoides (levando à infertilidade)
  • disfunção erétil ou impotência
  • dificuldade ou dor ao urinar
  • encolhimento dos testículos
  • calvície
  • crescimento das mamas (ginecomastia)

Entre representantes do sexo feminino:

  • aparecimento de características sexuais secundárias masculinas, como engrossamento da voz e crescimento excessivo dos pelos faciais e corporais
  • queda de cabelo
  • irregularidades no ciclo menstrual
  • diminuição das mamas

Também há uma série de outras complicações que atingem qualquer indivíduo (de ambos os sexos), como:

  • distúrbios do sono
  • problemas no crescimento (durante a puberdade e a adolescência)
  • questões de pele (desenvolvimento de acne, por exemplo)
  • danos aos rins, fígado, sistema cardiovascular e sistema endócrino
  • questões comportamentais e psicológicas (como euforia, mudanças no humor, agressividade e irritabilidade)
  • dependência
Continua após a publicidade

Consequências para a saúde cardiovascular

Os riscos para a saúde do coração e dos vasos sanguíneos associados ao uso de anabolizantes incluem o aumento da pressão arterial, alterações na composição corporal (facilitando o acúmulo de gordura abdominal) e nos níveis de lipídios no sangue (elevando as taxas de LDL, o chamado colesterol ruim), fatores de risco para o desenvolvimento de aterosclerose e doença arterial coronariana.

Além disso, o uso prolongado de anabolizantes pode provocar o surgimento de um número maior de coágulos sanguíneos, arritmias e hipertrofia cardíaca, isto é, um crescimento anormal do tamanho do órgão, que leva a problemas no bombeamento do sangue e alterações na frequência dos batimentos, com probabilidade de insuficiência cardíaca (devido ao estresse adicional colocado no músculo do coração, o miocárdio). Todos esses cenários elevam as chances de um infarto ou AVC.

Risco que permanece por anos

Esses efeitos são muitas vezes irreversíveis e podem persistir mesmo após a interrupção do uso. Um estudo conduzido por pesquisadores do Hospital Nacional da Dinamarca (Rigshospitalet) apontou que mesmo ex-usuários permanecem com o risco de desenvolver doenças cardíacas anos após pararem os anabolizantes.

Os pesquisadores descobriram que tanto os usuários quanto aqueles que já haviam feito uso em algum momento da vida apresentaram um fluxo sanguíneo no coração pior do que os indivíduos que nunca aplicaram ou tomaram esteroides.

Continua após a publicidade

O levantamento sugere que a microcirculação cardíaca —o fluxo de sangue através dos menores vasos do coração— fica persistentemente prejudicada. Com base nisso, o alerta é que a utilização prévia de esteroides anabolizantes deve ser considerada mais um fator de risco para as doenças cardiovasculares.

Conscientização

Nem todos os esteroides são criados da mesma forma e vão causar reações iguais. Existem mais de cem tipos, cada um com suas propriedades e possíveis efeitos colaterais. Por isso, antes de pensar em iniciar qualquer programa de suplementação ou uso de substâncias que afetem o sistema hormonal, é crucial consultar um profissional de saúde.

Além disso, devido à ilegalidade da compra de anabolizantes, muitas vezes é difícil saber exatamente sua composição e procedência.

Alguns produtos obtidos em academias ou revendedores podem ser produzidos para animais, serem falsos ou ainda terem sido rotulados incorretamente. Portanto, todo cuidado é pouco.

Reforçando que não há dose segura para a utilização de esteroides anabolizantes.

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes