Gustavo Cabral

Gustavo Cabral

Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
Opinião

Por que descobertas sobre morcego com pênis gigante são importantes?

Nesta semana, um estudo sobre morcegos ganhou destaque em diversos lugares do mundo. O motivo? O artigo traz informações sobre uma espécie de morcego (Eptesicus serotinus) que tem um pênis gigante, que é usado como um "braço copulatório", entre outras "curiosidades", que devem motivar novos estudos comportamentais copulatórios de mamíferos.

Bom, não é incomum que a mão ajude muito no momento sexual, com ou sem a falta de funcionamento do pênis. Mas, brincadeiras a parte, o pênis ser grande ao ponto de ser usado como um braço na hora H é sonho demais. Pois bem, não para esses os morcegos.

O estudo revela que o animal tem um pênis desproporcionalmente grande, que ereto constitui aproximadamente 22% do comprimento cabeça-corpo do bicho. Trazendo isso para uma proporção humana, seria como um homem de 1,8m ter um pênis de quase 40 cm de comprimento —um verdadeiro braço entre as pernas.

E, no caso do morcego, a frase "tamanho não é documento" não faz sentido. Além de enorme, o pênis do mamífero voador é bem funcional: o animal é capaz de copular por quase 13 horas seguidas! Isso sem penetração, pois o pênis desse morcego ereto é sete vezes mais longo e mais largo que a vagina da fêmea, tornando assim a penetração uma questão desconcertante e inviável..

Por não conseguir penetrar na vagina, o "acasalamento por contato" é a única opção.

Outra informação interessante do artigo é que metade das cópulas registradas durou na faixa de 53 minutos. Ou seja, "uma rapidinha" desse tipo de morcego chega a quase uma hora!

E o animal ainda tem uma "natureza romântica": a ponta (cabeça) do seu pênis parece um coração.

Mas, além de gerar tantas piadas (e inveja), como a descoberta pode ajudar a sociedade?

Os estudos científicos nunca podem parar. Portanto, é necessário ter mais estudos que mostrem como esses "heróis" da natureza conseguem essas façanhas, e como eles podem ajudar, nem que seja um pouco, com o prazer sexual, entre outras possibilidades que a natureza sempre nos reserva.

Continua após a publicidade

Mas não temos como fugir do fato de que, no processo evolutivo, a compreensão dos comportamentos sexuais copulatórios sempre foi motivo de muita atenção, pois o comportamento sexual é um pilar importante do comportamento humano e das espécies sexuadas de modo geral.

Mas, como diz o artigo, devido ao estilo de vida noturno e indescritível dos morcegos, os comportamentos copulatórios desses animais têm sido em grande parte negligenciados.

Como cientista, eu digo que isso não deveria acontecer, pois além da sua importância para a manutenção da vida, esses morcegos podem nos ajudar bastante com descobertas que nos levem a ter maior prazer de viver.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes