PUBLICIDADE

Topo

Minha história

"Tive um AVC aos 24 anos e fiquei noiva do médico que me socorreu"

A arquiteta Claudia Abati e o médico Thiago Muniz se conheceram no hospital, quando ela sofreu um AVC - Reprodução/TikTok
A arquiteta Claudia Abati e o médico Thiago Muniz se conheceram no hospital, quando ela sofreu um AVC Imagem: Reprodução/TikTok

Claudia Abati* em depoimento a Júlia Flores

De Universa

26/06/2021 14h12

"No dia 23 de dezembro de 2019, eu tive um AVC (acidente vascular cerebral) isquêmico aos 24 anos de idade. Estava na academia e comecei a passar mal. Meu corpo simplesmente parou de responder aos comandos. Fui socorrida por colegas de trabalho; sou arquiteta e cuidava de uma obra próxima ao local.

Naquele momento, lembro-me de estar com a visão embaçada, não conseguir formular frases completas, sentir parte do lado esquerdo do corpo paralisado. Meus amigos, então, me levaram ao pronto-socorro imediatamente.

Fui encaminhada para a UTI e o médico de plantão era o Thiago (34), meu atual namorado. Durante a minha estadia no hospital, contudo, eu não gostava dele.

Não tenho lembranças dos dois primeiros dias que passei internada; só me recordo de tê-lo visto pela primeira vez em 25 de dezembro. Eu acordei muito agitada nesse dia, basicamente só chorava, estava sem movimento nas pernas e na boca, não podia ter acompanhante, ver televisão, nada.

Uma hora ele chegou no meu leito e pediu, por favor, para que eu parasse de chorar, porque estava deixando os outros pacientes ansiosos. Ele não falou de um jeito carinhoso, o que piorou a situação. Então ele perdeu a paciência, chegou com uma cópia da minha tomografia nas mãos e jogou o papel no meu colo dizendo: 'Se eu chegasse aqui e visse esse exame, eu esperaria encontrar uma pessoa vegetando, sem falar, nem comer. Você está aqui bem, trate de parar de chorar e comece a agradecer por estar bem. Quanto menos escândalo fizer, mais rápido vai sair daqui, porque quem te libera sou eu'.

Não imaginava que me apaixonaria por esse homem.

O reencontro

O casal Claudia e Thiago vivem um romance que mais parece a série "Grey's Anatomy" - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
O casal Claudia e Thiago vivem um romance que mais parece a série "Grey's Anatomy"
Imagem: Arquivo pessoal

Quando saí da UTI e fui para o quarto, descobri que ele era o responsável pela ala da clínica médica também e, por isso, continuaria acompanhando a minha evolução. Fiquei internada mais uns três dias. Eu não sabia o sobrenome dele, via apenas o que estava bordado no jaleco.

Eu recebi alta e minha mãe quis presentear a equipe médica com cestas de bebida, encontrei perfil do Thiago no Instagram e mandei mensagem para agradecê-lo pelo cuidado.

Em março de 2020, nos reencontramos em um posto de gasolina da cidade. Ele me viu, perguntou como eu estava e começamos a conversar a partir dali. Quando eu tive o AVC, ainda estava namorando. Era um relacionamento longo, de 6 anos, que não estava funcionando muito bem e eu andava infeliz. Terminamos logo depois que eu tive alta, no dia 7 de janeiro.

Quando estava internada, eu só pensava na razão de estar passando por tudo aquilo aos 24 anos de idade

Como eu tinha acabado de sair de um relacionamento, no momento em que eu e Thiago nos reencontramos, eu não queria namorar tão cedo. Nos falamos e trocamos mensagens nas redes sociais por um mês antes de termos o primeiro encontro - isso é muito tempo para quem mora em uma cidade pequena como a que moramos, Videira, no interior de Santa Catarina. Foi uma conexão mágica quando nos beijamos.

Fomos ficando, ficando...Apesar de estarmos juntos desde março do ano passado, só assumimos o namoro em dezembro de 2020 - mesma época em que ele foi transferido para Chapecó. Ficamos dois meses namorando a distância, mas, em fevereiro de 2021, me mudei para a casa dele. Atualmente moramos juntos.

"Fui pedida em casamento no leito do hospital"

Claudia passou por outra cirurgia de emergência em abril desse ano. Thiago aproveitou a ocasião para pedir a namorada em casamento - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Claudia passou por outra cirurgia de emergência em abril desse ano. Thiago aproveitou a ocasião para pedir a namorada em casamento
Imagem: Arquivo Pessoal

Era para termos casado em agosto deste ano, porém a pandemia atrapalhou nossos planos. Olha só que curioso: o Thiago me pediu em casamento no hospital, enquanto eu me recuperava de uma cirurgia de emergência. Tive um cisto hemorrágico e descobriram que estava com endometriose.

Fui pedida em casamento no dia do meu aniversário, em 7 de abril. O Thiago tinha programado para a data e, como eu estava no hospital, ele me pediu ali mesmo. Estava meio 'grogue' ainda, em razão da operação, mas disse 'sim'

"Acho que o AVC aconteceu para dar uma reviravolta na minha vida", dIz Claudia - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
"Acho que o AVC aconteceu para dar uma reviravolta na minha vida", dIz Claudia
Imagem: Arquivo pessoal

O Thiago foi muito importante para minha reabilitação. Ele me escutava, explicava que o processo de recuperação era lento, mas que eu ia voltar ao normal. Choro só de lembrar. Nunca vou esquecer que no nosso primeiro encontro, a primeira vez que saímos para jantar, eu fui com uma bengala, pois ainda não conseguia caminhar.

Estava com vergonha de sair com a muleta, mas ele me incentivou a descer do carro e entrar no restaurante com o acessório. Disse: 'Ela faz parte de quem você é agora. Não estou dizendo que você precisará usar para sempre. Te prometo que daqui a seis meses você não vai mais precisar dela'.

Acho que o AVC aconteceu para dar uma reviravolta na minha vida. Em menos de 6 meses, tudo se transformou completamente

Para o futuro, queremos fazer uma festa de casamento, sim. E ter filhos — só que eu ainda não posso engravidar por causa dos medicamentos anticoagulantes que tomo. Apesar disso, estou muito feliz, às vezes não consigo acreditar que o que temos é de verdade. Nunca imaginei que um relacionamento fosse ser assim, saudável e calmo.

Nossa história viralizou na internet e recebi mensagens maldosas, dizendo que se ele ficou comigo, vai ficar com outras pacientes. Eu confio no Thiago, sei que ele não faria isso

Tenho sequelas até hoje, apesar de ter feito fisioterapia por seis meses após o AVC. Não consigo identificar a temperatura da minha mão esquerda, arrasto a ponta do pé ao caminhar, perdi o senso de direção da perna, a boca ainda é um pouco torta. O Thiago continua me incentivando. Se estou com preguiça, ele faz com que eu vá para a academia para melhorar. Ele é meu parceiro.

De vez em quando, comento com o Thiago que ele é muito diferente daquele médico que conheci quando estive internada pela primeira vez. Ele fala que só fez aquilo, foi rude e me deu uma bronca, porque eu precisava me acalmar. Se eu estivesse nervosa, o meu fluxo sanguíneo aumentaria e pioraria o quadro. Naquele momento, tudo o que eu precisava era descansar.

Hoje olho para trás e penso: 'Não sei como seria a minha vida se não tivesse encontrado com o Thiago'.

*Claudia Abati, 26 anos, é arquiteta.

Minha história