PUBLICIDADE

Topo

Sexo

Xanddy diz que faz todo dia: frequência alta de sexo ajuda no casamento?

Xanddy e Carla Perez - Reprodução/Instagram
Xanddy e Carla Perez Imagem: Reprodução/Instagram

De Universa

17/06/2021 14h13

Na noite desta quarta-feira (16), Xanddy, vocalista da banda Harmonia do Samba, postou no Instagram um vídeo bem-humorado matando a curiosidade de um seguidor a respeito da sua vida sexual com a esposa Carla Perez. Quando questionado sobre a frequência semanal com que costuma transar com a mulher, ele respondeu: "Semanal? Diária, minha filha!", arrancando risadas de Carla, que estava ao seu lado no momento da filmagem.

Pelo tom brincalhão das postagens, fica difícil saber se ele estava falando sério ou apenas tirando um sarro sobre o assunto. O fato é que o tema repercutiu nas redes, principalmente porque Xanddy e a artista estão prestes a completar 20 anos de casamento. Seria esse o segredo para manter um casal unido por tanto tempo? A seguir, especialistas em sexualidade comentam:

Frequência ideal: um mito

Ana Canosa, psicóloga, sexóloga e colunista de Universa, reforça que é impossível estipular uma frequência ideal para a vida sexual de um casal. "O que existe é um número individual: enquanto para alguns é importante ter relações todos os dias, outros se satisfazem com uma vez por semana, uma vez por mês e assim por diante", explica. Por isso, um dos desafios mais comuns de um casamento é chegar a um consenso sobre a frequência mais satisfatória para ambos.

Marcos Santos, psicólogo e especialista em sexualidade da plataforma Sexo sem Dúvida concorda: "Alimentar a ideia de que precisamos ter um mínimo de relações para sermos felizes no casamento estabelece a quantidade de sexo como um medidor de sucesso, o que resulta em frustração. Na prática, quase nenhum casal transa todo dia — o que não é um indicativo de que suas vidas sexuais sejam melhores ou piores", opina.

Sexo todo dia no casamento: é possível?

Ana associa a repercussão da fala de Xanddy a um sentimento de espanto e até inveja. "Ao ler uma afirmação do tipo, o que passa pela cabeça de muitas pessoas é a ideia de gostariam que o mesmo acontecesse em seus casamentos", diz. Mas, afinal, isso é possível? "Apesar de não ser o mais comum, nada impede que um casal transe todos os dias, mesmo estando em um relacionamento de décadas", afirma. No entanto, isso exige que ambos tenham o mesmo desejo e que priorizem esse momento em suas rotinas.

Ter uma frequência sexual alta ajuda a ser feliz no casamento?

Não necessariamente. "O sexo traz benefícios fisiológicos, tais como sensação de bem-estar e liberação de hormônios benéficos para a saúde e que proporcionam relaxamento. Emocionalmente, pode fazer com que o parceiro se sinta desejado, importante e até afaste possíveis fantasias sobre traição. No entanto, isso só é válido para o sexo bom e de qualidade. Se as relações forem ruins para uma das partes, podem até prejudicar o casamento", diz a psicóloga.

Marco reforça que, de forma geral, casais insatisfeitos neste quesito tendem a dar mais importância para o sexo do que aqueles que se consideram bem. "Se algo incomoda na vida sexual, ela passa a tomar uma proporção enorme e todos os olhares se voltam para o assunto: a pessoa analisa a quantidade, o tempo e vários outros fatores, como se fossem uma obrigação", afirma. Em compensação, quando os dois estão bem resolvidos, a tendência é encararem o sexo com naturalidade, como mais uma atividade prazerosa e de lazer que proporcionam um ao outro.

Relações de longo prazo são feitas de fases

Se duas pessoas foram morar juntas há pouco tempo, é natural que transem frequentemente, já que estão apaixonadas e sendo influenciadas pelos sentimentos de começo de relação. Da mesma forma, não é errado quando o número de transas diminui. "O importante, caso um dos lados se sinta mal com esse afastamento, é expor as insatisfações para o parceiro e não permitir que elas se acumulem. Caso contrário, a parte que está frustrada pode criar teorias de que não é mais amada, desejada e outras possibilidades a respeito do outro que não são compatíveis com a verdade", alerta Ana.

Sexo