PUBLICIDADE

Topo

Minha história

"Sou a primeira vereadora com síndrome de Down do país e quero inspirar"

Aos 26, a fisioterapeuta Luana Rolim de Moura (PP) tomou posse na Câmara de Santo Ângelo (RS) - Arquivo pessoal
Aos 26, a fisioterapeuta Luana Rolim de Moura (PP) tomou posse na Câmara de Santo Ângelo (RS) Imagem: Arquivo pessoal

Júlia Warken

Colaboração para Universa, em Porto Alegre (RS)

08/04/2021 04h00

"No dia 15 de março, me tornei a primeira pessoa com síndrome de Down a ser empossada vereadora no Brasil. Sou suplente na Câmara aqui de Santo Ângelo (RS) e tomei posse para substituir o vereador titular do meu partido, o PP, pela primeira vez em uma sessão.

Foi emocionante porque a minha vontade de fazer política vem desde criança — por causa da minha família. O meu pai já foi duas vezes vereador e o meu avô foi o primeiro intendente de Santo Ângelo.

Estou muito feliz por ter falado 'Sim, eu prometo' na minha posse. Quero inspirar muita gente, principalmente jovens com síndrome de Down e outras deficiências. Os pais e os professores também.

A vereadora durante seu juramento de posse em cerimônia virtual da Câmara de Santo Ângelo (RS) - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
A vereadora durante seu juramento de posse em cerimônia virtual da Câmara de Santo Ângelo (RS)
Imagem: Arquivo pessoal

Sempre tive incentivo dos meus pais e professores. Estudei na escola especial [na Apae] até lá pelos meus dois aninhos. Depois, frequentei escolas regulares — do jardim da infância até o ensino médio. Meus colegas na escola eram ótimos, me tratavam bem.

O acolhimento foi a base de tudo para eu crescer na vida. Eu já sofri um pouco de preconceito, mas a minha aceitação sempre foi muito maior.

Depois de adulta, encarei meu maior desafio: a faculdade de fisioterapia. Os professores nem sempre estavam preparados para me receber e eu tive bastantes dificuldades, mas superei tudo com muito esforço, sempre estudei muito.

Eu amo a fisioterapia, porque eu amo as crianças e os jovens com deficiência e quero muito ajudar a reabilitá-los. Na infância, eu fiz bastante estimulação precoce com fisioterapeuta e fonoaudióloga. Precisa estimular o pequenininho para ele se desenvolver mais futuramente. Precisa estimular a parte cognitiva, a parte motora, a parte da marcha, a motricidade fina e grossa.

Antes da pandemia, eu fazia atendimento domiciliar como fisioterapeuta, cobrando 20 reais por sessão. Atendia principalmente pessoas acamadas, de mais idade, e fazia com elas atividades lúdicas e alongamento. Meu sonho é abrir uma clínica no futuro, mas antes quero fazer pós-graduação.

Além disso, quero concorrer de novo como vereadora em 2024. Quero buscar meu espaço na Câmara. Os meus projetos são simples. Quero trabalhar em prol da comunidade de Santo Ângelo, lutar para implementar políticas públicas para pessoas com deficiência, criar um órgão gestor municipal ligado a políticas públicas de acessibilidade e inclusão, garantir atendimento preferencial à pessoa com deficiência, promover ações de empregabilidade através de programas de educação ao jovem com deficiência.

Também quero passar uma mensagem positiva para as pessoas. Na minha formatura eu falei uma frase marcante: 'Eu não subi de elevador, e sim pelas escadas'. De degrau em degrau, tive altos e baixos, mas eu consegui superar cada um dos desafios da minha vida.

Nós somos capazes de tudo. Aos professores, eu peço mais capacitação, mais preparo e mais aprendizagens novas para nós, jovens com síndrome de Down e outras deficiências.

Para os pais, eu deixo a seguinte mensagem: mais estímulo, mais amor, mais incentivo. Quero que eles invistam no filho.

Eu desejo que as pessoas com síndrome de Down não sejam desiludidas com a vida, eu quero menos preconceito, mais empatia e mais amor. Porque nós somos heróis da vida real."

* Luana Rolim de Moura, 26, é fisioterapeuta e atua como vereadora suplente do PP em Santo Ângelo (RS), cidade de 77 mil habitantes. Candidatou-se em 2020 pela primeira vez e teve 633 votos.

Minha história