PUBLICIDADE

Topo

Alto Astral

"Eu, tu, eles. Todo mundo é médium", diz a sensitiva Márcia Fernandes

De Universa

01/09/2020 13h04

"A mediunidade é um dom inerente ao ser humano. Todos nós somos, eu, tu, eles. Médium é quem está entre a Terra e o Universo e se pode conversar com 'gente de cima' e com 'gente de baixo'". A sensitiva Márcia Fernandes falou nesta terça-feira (1º de setembro) em live de Universa sobre a capacidade que cada pessoa pode desenvolver para se conectar com a espiritualidade. Um dos primeiros tabus que a especialista abordou é o de que a mediunidade é algo raro. Para ela, é uma forma de se relacionar com os mortos que todos podem desenvolver.

"Uns têm ostensivamente. Falando de astrologia, os signos de Virgem e Capricórnio são fortes para mediunidade de cura, por exemplo. O libriano, por sua vez, tem a clarividência, que não é ver morto (vidência), mas olhar pra uma pessoa e saber tudo dela", explica.

A criança que tem amigo imaginário, as sensações que temos ao entrar em um ambiente também foram explicados por Márcia Fernandes, durante bate-papo coma editora de Universa Barbara dos Anjos Lima. Saiba mais.

Mediunidade: como desenvolver e mais aspectos

Segundo Márcia Fernandes, até mesmo o fato de algumas crianças dizerem que tem amigo imaginário pode ser uma evidência de mediunidade.

"Até essa idade, elas trazem a bagagem da vida passada e vai se lembrando. Ela é vidente", analisa. "Além disso, tem crianças que absorvem muito isso e não conseguem dormir, deixando os pais preocupados. Mas tem que cuidar normalmente, porque depois a pineal fecha e isso acaba".

Identificando mediunidade

Além dos aspectos espirituais que a própria pessoa que tem a mediunidade mais aflorada pode perceber, outros sinais podem ser identificados, diz a sensitiva:

  • Médiuns podem ter mãos suando com frequência, ou as mãos mais geladas em alguns momentos
  • Quando o médium chega em lugares específicos, como uma balada, sente a energia mais facilmente. "Ele pode sentir a emoção de um cara que está usando droga por ali", comenta.
  • Quem é médium de escuta geralmente fica mais atento aos barulhos na casa. Mesmo que esteja sozinho, é possível ouvir passos
  • Médiuns que têm o dom da psicografia podem também sentir o braço "ser tomado" pelo morto, para que comece a escrever mensagens

Como trabalhar a mediunidade

A sensitiva explica que nem sempre o indivíduo com mediunidade está apto ou interessado a desenvolvê-la. Aliás, desde que o dom não seja algo descontrolado ou que prejudique a vida cotidiana da pessoa, a sensitiva recomenda que ela permaneça bloqueada.

Em situações em que a mediunidade desperta emoções descontroladas ou que se manifesta em lugares não preparados, no entanto, é indicado realizar atividades espirituais, como reiki, para equilibrar os chacras.

"Tem médiuns que acham que estão loucos, ou que tem esquizofrenia; o que pode ser é claro, mas esquizofrênicos têm mediunidade", diz Fernandes. "Também tenho atendido muitos jovens que têm sonhos horrorosos. E quando vai ver, são médiuns de cura".

Identidade e endereço cósmico

Para quem acredita na energia que pode ser acessada por pessoas que têm mediunidade, a sensitiva explica que é possível explorá-la a partir dos 15 anos.

Isso porque entrar em contato com esse tipo de dom, de acordo com ela, requer compromisso e responsabilidade - e nem sempre a mediunidade é usada para o bem.

Por essa mesma razão, explica Márcia Fernandes, é recomendado que se preserve seu "endereço cósmico", que nada mais é do que seu nome completo e data de nascimento. "Nas redes sociais, é bom errar alguma data, não dar o nome completo. Porque, com esses dados, a pessoa pode tentar 'te amarrar' com um espírito das trevas, que é intermediado por algum médium".

Alto Astral