PUBLICIDADE

Topo

Amber Heard: 'Johnny Depp arremessava garrafas como se fossem bombas'

Amber Heard chega para depor na Suprema Corte, em Londres - NIKLAS HALLE"N/AFP
Amber Heard chega para depor na Suprema Corte, em Londres Imagem: NIKLAS HALLE'N/AFP

De Universa, em São Paulo

22/07/2020 09h40

A atriz Amber Heard contou hoje em depoimento à Suprema Corte de Londres que Johnny Depp, seu ex-marido, chegou a arremessar 30 garrafas como se elas fossem granadas durante uma briga. A discussão teria acontecido em uma viagem à Austrália, em março de 2015, e Depp teria ferido um dedo acidentalmente.

"Ele jogou todas as garrafas que estavam ao alcance, exceto uma que era uma garrafa de vinho comemorativa do tamanho de uma magnum", contou à Corte.

De acordo com a AP, Heard admitiu que se enfureceu durante a viagem, "mas com raiva a ponto de jogar alguma coisa nele", e chegou a quebra uma garrafa durante a discussão. Ela relatou que, após o incidente, Depp — que estava sob de álcool e drogas — começou a arremessar contra ela dezenas de garrafas e chegou a quebrar uma janela do ambiente.

Ela negou ter cortado o dedo do ex-marido e disse que o ferimento foi causado pelos arremessos de garrafas feitos por ele. Além disso, ela rebateu a acusação feita pela defesa de Depp — que alega que Heard queimou o ator de "Piratas no Caribe" com um cigarro — e afirmou que ele fez isso em si mesmo. "Johnny fez isso bem na minha frente, ele costumava fazer coisas assim", declarou.

Para ela, a viagem do casal à Golden Coast, na Austrália, foi como se ela tivesse sido mantida como refém por três dias, porque Depp estava "completamente fora de si e fora de controle". A defesa do News Group Newspapers — conglomerado dono do jornal processado — usa o incidente para provar as agressões sofridas por Amber.

A estrela de "A Garota Dinamarquesa" e "Aquaman" chega hoje ao terceiro dia no tribunal e deve concluir seu depoimento apenas amanhã. O testemunho de Heard está envolvido no processo em que seu ex-marido acusa o tabloide britânico The Sun de difamação depois de ser sido chamado de "espancador de mulheres".

Ameaças de morte e estupros

Anteontem, primeiro dia de testemunhos de Amber Heard na Corte, a atriz disse que Johnny Depp chegou a ameaçá-la de morte. "Alguns dos incidentes eram tão graves que eu tinha medo de que ele fosse me matar, intencionalmente ou apenas por perder o controle e acabar indo longe demais", declarou a estrela de "Magic Mike XXL".

"Ele explicitamente ameaçou me matar muitas vezes, especialmente no fim do nosso relacionamento", contou.

"O abuso físico incluía socos, tapas, chutes, cabeçadas e enforcamento, bem como lançamento de coisas, me puxar pelo cabelo, me jogando ou me empurrando para o chão. Ele jogava coisas em mim, especialmente garrafas de vidro", afirmou.

Em uma das vezes em que teria enforcado a atriz, Depp teria dito: "Eu vou te matar e transar com o seu cadáver". Ela também sofria ameaças de ser entregue para que outros homens a estuprassem. "Quando nós aterrissarmos, eu posso chamar alguns amigos negros que podem te f**** se você está tão desesperada por isso", teria ameaçado Depp de forma racista.

Versão de Depp

O ator Johnny Depp concluiu na semana passada os depoimentos em sua ação de difamação contra o jornal britânico The Sun após cinco dias no banco das testemunhas, rejeitando novamente as acusações de que agrediu a ex-mulher Amber Heard e a acusando de usar violência contra ele.

Depp rejeita todas as alegações de que atacou sua esposa e diz que Heard estava mentindo, inventando uma farsa coreografada como parte de um dossiê, e que ela o agrediu. Ele afirmou que era abusado pela ex-esposa e citou um histórico violento dela.

Depp afirmou acreditar que o que Heard estava dizendo era uma "confissão inversa".

"Parecia que tudo o que ela me acusava era algo que ela havia feito comigo", disse ele.

Violência contra a mulher