PUBLICIDADE

Topo

Sexo

Sem "performar": 5 coisas que mulheres podem fazer no sexo para ter prazer

	LightFieldStudios/iStock
Imagem: LightFieldStudios/iStock

Heloísa Noronha

Colaboração para Universa

21/07/2020 04h00

A pornografia, o cinema e até a sociedade, de modo geral, privilegiam uma visão um tanto machista do sexo.

Embora nos últimos anos esse cenário venha passando por transformações, com uma perspectiva mais feminista das representações eróticas, a mulher ainda costuma ser vista, idealizada e/ou pensada para fazer caras e bocas, gemer alto, rebolar, fazer mil manobras e posições — sempre em prol do olhar e do prazer masculinos.

É claro que, até certo ponto, "performar" ajuda a entrar no clima, a embarcar numa fantasia, a interagir com o parceiro e a prestar atenção em suas reações. Porém, em exagero ou ao se converter em um hábito, acaba interferindo na percepção tangível que a mulher tem do sexo e na conexão real com o outro e com o próprio corpo.

Para se libertar desse padrão que em muitos casos resvala no fake, nada melhor do que apostar em dicas despretensiosas e até triviais, como as listadas a seguir.

Mulher e a performance no sexo: como se libertar de padrões?

1. Pare de se guiar por estereótipos

Sejam estéticos ou relativos à performance. Primeiro, entenda que todo corpo é perfeito para o sexo e digno de dar e receber prazer.

E, em segundo lugar, pense que as cenas de vídeos pornográficos, filmes eróticos e até de comédias românticas são um recurso para estimular a fantasia, sim, mas não devem ser levadas ao pé da letra. A realidade nunca é igual à ficção, porque esses conteúdos não passam de enredos e imagens construídos, ou seja, artificiais. Se você tiver uma noção clara disso, vai conseguir se inspirar sem se prender a ideias preconcebidas.

2. Pratique o autoconhecimento

Antes de tentar imaginar o que o parceiro quer - e se esforçar para caber na fantasia dele - dedique atenção a si mesma. O sexo é uma troca, mas quando você se empenha demais em apenas dar, acaba se distanciando emocionalmente daquilo que gosta e deseja. Na maior parte dos casos, revelar o que quer pode ser muito mais excitante para o parceiro do que a performance que você julga interessante, porque se mostrar por completo a tornará mais real e natural.

Para isso, no entanto, é preciso aprender a identificar através da masturbação ou prestando atenção nas próprias reações durante a transa.

3. Identifique seus limites

Experimentar é muito bom, mas se não quer colocar algo em prática, não faça. Você pode até provar "em tese", fantasiando, pensando a respeito, imaginando... E isso pode deixá-la à vontade para tentar, mas, na hora H, se quiser parar, simplesmente interrompe. Lembre-se: é importante respeitar as fantasias alheias, mas ninguém é obrigado a embarcar nelas. E você não precisa da aprovação do outro o tempo todo, muito menos no sexo.

4. Entenda que a química é independente de "acrobacias"

Não adianta se pendurar no lustre durante o sexo oral, saber de cor as posições mais difíceis do Kama Sutra ou recitar toda a cartilha do "dirty talking", se todas esses recursos tidos como "selvagens" são forjados. Tanto esforço psíquico acaba levando a uma imensa ansiedade - a mulher está ali, mas não 100% presente e muito menos relaxada e entregue. A química sexual tem mais a ver com toques sutis, com o contato pele com pele, com palavras ditas espontaneamente. A simplicidade pode ser muito excitante, sabia?

5. Busque experiências que aumentem a conexão

O sexo necessita, sim, de novidades e estímulos diferentes. Afinal de contas, a curiosidade alimenta a fantasia. Porém, algumas práticas nem um pouco performáticas ou exageradas podem surtir o mesmo efeito excitante - e, de quebra, potencializar a intimidade e o vínculo entre o casal. Um banho a dois demorado, massagens tântricas e preliminares mais longas do que as habituais são bons exemplos.

FONTES: Danni Cardillo, sexóloga, do Rio de Janeiro (RJ); Giovane Oliveira, psicólogo, sexólogo clínico e consultor em sexualidade da startup de terapia on line Vittude, e Virginia Gaia, astróloga, taróloga e sexóloga holística, de São Paulo (SP).

Sexo