PUBLICIDADE

Topo

Sexo

Você não precisa ser selvagem na cama para ter sexo bom

Nem sempre o sexo de qualidade precisa ser enérgico ou performativo - Getty Images
Nem sempre o sexo de qualidade precisa ser enérgico ou performativo Imagem: Getty Images

Heloísa Noronha

Colaboração para Universa

27/06/2020 04h00

Fetiches, posições mirabolantes, inspiração em cenas de cinema, movimentos que conseguem atingir determinados pontos erógenos, sex toys de última geração, vídeos pornôs... Às vezes há a impressão de que o sexo, para ser bom, precisa ter um toque de selvageria, de inusitado, de incomum, com mil recursos para a experiência ficar ainda mais excitante. É claro que as novidades são uma força motriz para a vida sexual, mas não se trata de uma regra nem de um conceito que se aplica a todo mundo.

Para Paula Napolitano, psicóloga e terapeuta sexual, de São Paulo (SP), há uma certa convenção social e cultural de que o sexo de qualidade é sempre muito enérgico e até performativo. "Isso é reforçado em filmes pornográficos, na mídia e nas redes sociais, e leva as pessoas a acreditarem que é preciso ter essa intensidade para ser bom. Essa imposição implícita funciona quase como uma 'ditadura do sexo', que mostra que, se não as pessoas não vivenciam o sexo assim, então ele é ruim. Porém, o que é bom ou não é algo relativo e varia de pessoa para pessoa e de casal para pessoa", declara.

Ainda conforme Paula, a busca frequente por mais emoção no sexo pode trazer alguns riscos, como a insatisfação constante, como se o que existe não é suficiente. Isso muitas vezes está relacionado a comparações injustas e distorcidas com o que é visto na TV, nos filmes pornôs, etc. "Muitos tendem a valorizar apenas o que não têm e erroneamente acreditam que não é necessário se dedicar para fazer um sexo gostoso", diz.

Na opinião de Rosely Salino, psicóloga, sexóloga e terapeuta de casais, de São Paulo (SP), os mitos e tabus existentes sobre o sexo são alimentados há séculos. Do total recato às fantasias desenfreadas, o comportamento sexual sempre despertou interesse, modismos e repressão. E, mesmo nos dias atuais, ainda existem as ditas 'regras': isso pode, isso não pode, etc... Sempre digo que o melhor afrodisíaco, a melhor fantasia, o melhor acessório é a química entre os envolvidos. Se ela existe não é necessário nenhum incremento, a não ser que as pessoas decidam variar, inventar, experimentar", declara.

Já a sexóloga Danni Cardillo, especializada em Tantra e sexologia humanizada, prega que o sexo deve acontecer de maneira livre, não seguir um "script de fantasias". "O grande barato é ter as ferramentas teóricas, como o conhecimento do próprio corpo, e praticar quando lhe der na telha, até mesmo transformando aquela rapidinha numa transa com valor", fala. Para Danni, o modelo de "sexo selvagem" é mais uma exigência da sociedade patriarcal ditada pela indústria do sexo que vende pornografia e brinquedos eróticos, entre outros símbolos de consumo, que visa os ganhos ditando novos padrões de sexualidade humana. "Cabe às mulheres aproveitarem essas alternativas, até mesmo para quebrar a rotina, possibilitando novos prazeres orgásticos, mas sem invalidar o sexo tido como básico", pontua a especialista.

Aqui é bom ressaltar que o sexo "básico" para uma pessoa pode não ser considerado assim para outra - e que, independente do ponto de vista, pode ser, sim, excitante e prazeiroso. "Sexo gostoso de verdade é quando as pessoas conseguem estar 100% no momento, entregues à relação, sem pensamentos em outros lugares. Há uma troca, uma via de mão dupla, em que ambos estão focados nas sensações, na exploração do corpo como um todo e não pensando em seguir um roteiro com a obsessão de chegar ao orgasmo, por exemplo", afirma Paula.

A prioridade é a entrega, de acordo com Carolina Freitas, mestre em Psicologia e especialista da plataforma Sexo sem Dúvida. "Sexo gostoso não é sobre fazer alguma coisa diferente, é sobre estar ali de corpo e alma presentes, com todos os sentidos estimulados. Muita gente não gosta de inovar e está tudo bem. Minhas dicas para essas pessoas são aproveitar o que gostam, manterem o olho no olho, o corpo no corpo e comunicarem o que gostam. Assim, a vida sexual pode se manter saudável em relações tanto curtas quanto longas", comenta. "Percebo que muitos pacientes vão criando cada vez mais necessidade de fantasias e acessórios nas relações porque não se entregam e tentam disfarçar isso com situações mirabolantes. Não funciona. Como tudo na vida, menos é mais, desde que tenha qualidade", endossa Rosely, relatando sua perspectiva de consultório.

Sexo