PUBLICIDADE

Topo

Deputado do PSL: feminismo quer "tirar direito da mulher de ser assediada"

O deputado Jessé Lopes (PSL - SC) - Reprodução/Alesc
O deputado Jessé Lopes (PSL - SC) Imagem: Reprodução/Alesc

De Universa, em São Paulo

13/01/2020 13h16Atualizada em 13/01/2020 14h56

Resumo da notícia

  • O deputado Jessé Lopes (PSL - SC) foi criticado após texto contra campanha Não é Não
  • Lopes argumentou que ação feminista quer tirar "o direito da mulher poder ser 'assediada'"
  • Depois, deputado tentou justificar, dizendo que só se referiu a "cantadas ou paqueras"
  • Cofundadora do Não é Não comenta sobre caso e explica diferença de assédio e cantada

O deputado estadual Jessé Lopes, do PSL de Santa Catarina, foi acusado de machismo após postar, em seu Facebook, mensagem contra ação do movimento "Não é Não!", que busca combater o assédio durante o Carnaval.

No texto, Lopes declara: "Não sejamos hipócritas! Quem, seja homem ou mulher, não gosta de ser 'assediado(a)'?? Massageia o ego, mesmo que não se tenha interesse na pessoa que tomou a atitude".

O deputado estadual ainda caracteriza a campanha contra o assédio sexual como um dos "atos mais extremistas" do movimento feminista. "Após [...] já terem conquistado todos os direitos necessários, inclusive tendo até, muitas vezes, mais direitos que os homens, hoje as pautas feministas visam [...] tirar direitos", escreveu.

"Como, por exemplo, essa em questão, o direito da mulher poder ser 'assediada' (ser paquerada, procurada, elogiada...). Parece até inveja de mulheres frustradas por não serem assediadas nem em frente a uma construção civil", completou.

"Toda mulher sabe lidar com assédio. Obviamente estou falando do assédio no sentido que o próprio movimento generaliza (dar em cima), e não de atos agressivos e perturbante", disse ainda.

Diferença de cantada e assédio?

Após receber críticas pelas declarações, o deputado reforçou sua posição em uma nota oficial, postada hoje. Lopes acusou a imprensa de querer "criar uma narrativa" com seu texto.

"A palavra 'assédio' em aspas, não tem essa intenção nem proporção. Mas, o intuito de falar sobre ser cantada ou paquerada, nada mais que isso. Para essa turma, validade só tem a narrativa fria de que eu sou apologista do assédio", defendeu.

Ele foi novamente criticado por seu discurso, e alguns usuários da rede sicuak o questionaram sobre o tempo livre que teria para produzir tal conteúdo.

Campanha 'Não é Não!'

Adesivos são distribuídos de graça em blocos carnavalescos; campanha em cada estado arrecada dinheiro para produzi-los - Reprodução/Instagram
Adesivos são distribuídos de graça em blocos carnavalescos; campanha em cada estado arrecada dinheiro para produzi-los
Imagem: Reprodução/Instagram

A arrecadação de dinheiro para a campanha contra o assédio à mulher "Não é não" foi o que provocou o post inicial do deputado Jessé Lopes no Facebook com críticas ao feminismo.

A ação distribui gratuitamente em blocos carnavalescos adesivos com tais dizeres para que as mulheres colem no corpo a fim de estabelecer limites aos assediadores.

O Coletivo feminista de mesmo nome está, neste momento, promovendo campanhas para arrecadar dinheiro para a produção do material — não só em Santa Catarina, estado que o deputado representa — como em mais 14 estados.

Em entrevista para Universa, a cofundadora da organização Aisha Jacob Mendes classificou a publicação do deputado como um "desserviço".

"Mas, por mais infeliz e nojento que tenha sido o que ele escreveu, é bom perceber que a gente está fazendo um trabalho certo. É impossível dizer que não se precisa falar de assédio, e que não estamos incomodando", pontua.

Aisha ressalta que o trabalho do "Não é Não!", criado em 2017 por um grupo de amigas no Rio de Janeiro e que hoje tem atuação nacional, distribuiu 186 mil tatuagens no ano passado no Brasil inteiro. A expectativa é que, no Carnaval 2020, sejam 200 mil adesivos.

"Dá para entender a importância do movimento pela adesão que tivemos em tão pouco tempo. E é um projeto de reeducação, de homens e mulheres, porque, querendo ou não, vivemos em uma cultura do estupro, que é bizarra, mas é real".

Assédio é diferente de cantada, sim

Mulheres também criam rede de apoio ao colar adesivos durante a folia - Akemi Nitahara/Agência Brasil
Mulheres também criam rede de apoio ao colar adesivos durante a folia
Imagem: Akemi Nitahara/Agência Brasil

A porta-voz do "Não é Não" explica ainda a importância de se separar um comportamento de paquera de um de assédio.

"A gente tem uma máxima: 'Depois do não, tudo é assedio'. Então, se incomodou, deixou sem graça, se a pessoa ficou desconfortável com qualquer comentário seu, isso é tido como assédio", explica.

Para Aisha, o "Não é Não" também tem outra frente potente: a de criar uma rede de apoio entre as mulheres durante a folia. "A mulher que vê outra mulher com o adesivo e está se sentindo ameaçada [por alguém que a assedia] sabe que pode contar com a outra, porque ela compactua com o que a outra pensa".

Vale dizer que a Lei da Importunação Sexual prevê prisão de um a cinco anos a quem "praticar contra alguém e sem a sua anuência ato libidinoso com o objetivo de satisfazer a própria lascívia ou a de terceiro".

*Com entrevista por Nathália Geraldo

Violência contra a mulher