Topo

Sete médicos são acusados de homicídio por recusarem fazer aborto na Itália

Valentina Milluzzo tinha 32 anos quando morreu - Getty Images
Valentina Milluzzo tinha 32 anos quando morreu Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

29/10/2019 18h48

Valentina Milluzzo morreu em 2016. Ela estava grávida de gêmeos, mas os especialistas já sabiam que os bebês não tinham chance de sobrevivência.

Ainda assim, sete médicos se recusaram a fazer o aborto e a salvar a vida de Milluzzo. Agora, esses sete médicos serão julgados por homicídio doloso, quando há a intenção de matar.

Na Itália, o aborto é legalizado desde 1978, contudo os profissionais podem se recusar a fazer o procedimento alegando "objeção moral".

O chefe do departamento de obstetrícia do hospital de Cannizzaro, onde Milluzzo morreu, afirmou na época que a morte não foi causada pela postura dos médicos e que eles seguiram o protocolo.

Já Salvatore, o pai de Valentina, diz que isso é mentira. "O médico me disse 'olha, não existe esperança para os bebês, mas mesmo que a Valentina esteja sofrendo, nós não podemos fazer nenhuma intervenção enquanto ouvirmos os corações dos bebês", afirmou ao jornal inglês Financial Times.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Violência contra a mulher