Topo

Beleza


Beleza

Precisa mesmo cortar "dois dedinhos" do cabelo para ele crescer mais?

"Dois dedinhos de cabelo = cabelo maior". Será que é verdade?  - Getty Images/iStockphoto
"Dois dedinhos de cabelo = cabelo maior". Será que é verdade? Imagem: Getty Images/iStockphoto

Bárbara Stefanelli

Colaboração para o Universa

22/01/2019 04h00

É bem provável que você já tenha ido ao cabeleireiro e escutado que precisa tirar "só dois dedinhos" das pontas para os fios crescerem mais fortes e belos. Aí o resultado é que, em vez de ficar com os fios longos (se esse for o objetivo), o seu cabelo acaba sempre no mesmo comprimento, já que a toda ida ao salão você acaba cortando praticamente tudo o que cresceu.

Pois saiba que essa história é um mito e você não precisa tirar as pontinhas. "Isso de cortar dois dedinhos para o cabelo ficar mais forte é lenda. Não tem nenhum fundamento de verdade", afirma Luciano Barsanti, médico e tricologista, diretor médico do Instituto do Cabelo e presidente da SBTri (Sociedade Brasileira de Tricologia).

Adriano Almeida, presidente da SBC (Sociedade Brasileira do Cabelo) também é enfático: "Não existe comprovação científica de que tenha que cortar para ter um cabelo saudável. Cabelo não é planta e você não precisa ficar podando para crescer. Quem tem cabelo sadio pode ficar sem cortar".

O que pode existir, dependendo da saúde dos fios, é um problema estético: as pontas duplas --quando a parte externa do fio se parte em dois. Mas elas não impedem o crescimento, e os médicos afirmam que quem deseja ter fios mais longos pode ficar, sim, sem cortá-los até que cheguem ao comprimento desejado. O corte, para quem tem ponta dupla, seria necessário apenas para deixar o cabelo mais uniforme e sem aquele aspecto de frizz.

Como prevenir as pontas duplas?

Essa abertura nas pontas é causada por fatores químicos (como tintura excessiva, luzes ou alisamentos constantes) e também por agentes físicos (sol e água do mar, poluição, secador de cabelo e chapinha, entre outros).

Os conselhos das fontes consultadas pela reportagem são: se for à praia ou piscina, use chapéu (de preferência com tecido com fator de proteção UV); dê um intervalo mínimo de três semanas nos tingimentos; evite outros procedimentos químicos; não fume e evite ambientes com muitos fumantes --a fumaça fica impregnada nos fios, deixando-os mais quebradiços.

Hidratações periódicas também são importantes para prevenir a quebra dos cabelos. Já os produtos com silicone, como o leave-in, ajudam a disfarçar o aspecto quebradiço, mas não resolvem o problema.

E o que fazer para os cabelos crescerem?

A boa alimentação é imprescindível. "Geralmente, quando o cabelo não cresce, a questão é nutricional", explica o presidente da Sociedade Brasileira do Cabelo. E, para evitar que isso aconteça, o consumo de proteínas, minerais, como o ferro, e alimentos com vitaminas do complexo B (como ovos, carnes e castanhas) garante a saúde dos fios.

É recomendado o uso de cápsula vitamínicas, mas de uso controlado e receitado pelo seu médico. Não adianta comprar na farmácia, já que a dosagem deve ser baseada no exame de sangue de cada um, para saber quais são as carências nutricionais da pessoa. "Tem que fazer uma fórmula direcionada para o paciente. Essas vendidas em farmácia têm dosagem muito baixa, são feitas para um público geral. Então, na grande maior parte dos casos, nem conseguem tratar", garante Almeida.

Beber bastante líquido e manter o corpo hidratado também é essencial. E evite o excesso de álcool. A bebida acelera a criação de radicais livres (moléculas que provocam o envelhecimento dos tecidos do corpo) e ainda causa inflamações no nosso organismo, reduzindo a quantidade de vitaminas importantes para a saúde dos fios.