Novo filme de Suzane é ' mais denso', diz Carla Diaz: 'Não para um segundo'

Carla Diaz, protagonista do filme "A menina que matou os pais: a confissão" (Amazon Prime Video) comentou sobre o terceiro filme em que vive Suzane von Richthofen, presa por participar do assassinato dos pais em 2002.

"Foi desafiador. Dessa vez, vamos contar a versão da polícia sobre o caso. O filme é mais denso, desafiador em relação aos outros", disse em papo com Splash no estande da Seara durante o The Town.

Atriz contou experiência após ver resultado: "O filme não para um segundo. Você fica ansioso acompanhando. É um caso muito tenso".

Carla afirmou que interpretar Suzane foi desafiador. "Foi a primeira vez que fiz uma pessoa real. Eu tive que deixar a minha opinião de lado para trazer mais veracidade, mesmo sendo um caso que chocou o Brasil".

Atriz viveu maior desafio dos 30 anos de carreira. "É muito difícil criar uma expectativa sobre a opinião do público sobre o filme. O que eu espero é que as pessoas assistam".

Questionada, a atriz não quis opinar sobre o que Suzane von Richthofen pensaria ao acompanhar a terceira parte da obra.

A assessoria de imprensa de Carla Diaz informou que a atriz não responderia perguntas sobre a vida pessoal. Ela terminou o relacionamento com o deputado federal Felipe Becari (União-SP) em julho, mas fãs especulam sobre uma possível volta do casal nas redes sociais.

A primeira foto de "A Menina Que Matou os Pais - A Confissão", foi divulgada na semana passada.

Em 2021, os filmes "A Menina Que Matou os Pais" e "O Menino Que Matou Meus Pais" se tornaram um sucesso instantâneo de audiência. Cada um dos filmes conta um dos lados dos envolvidos.

Continua após a publicidade

O filme terá Carla Diaz de volta interpretando Suzane e, desta vez, traz os bastidores da investigação que levou à prisão dela e dos irmãos Daniel e Christian Cravinhos. Com direção de Maurício Eça, o filme vai revelar o que os três fizeram nos dias que sucederam o crime brutal que ceifou as vidas de Manfred e Marísia von Richthofen.

Em entrevista a Splash em julho, o roteirista Raphael Montes explicou o que será abordado no filme. "Tem uma história ótima ainda a ser contada: como eles foram pegos? Um disse uma coisa, outro dizia outra, mas ia até cometer o crime. Como a polícia chegou neles? Esse era o desafio também, pois é muito interessante você entender onde é que estão os erros que eles cometeram, os deslizes que os levaram à prisão, e a confissão deles."

'A Menina Que Matou Os Pais - A Confissão' continua a história dos crimes de Suzane von Richtofen
'A Menina Que Matou Os Pais - A Confissão' continua a história dos crimes de Suzane von Richtofen Imagem: Divulgação

Esse novo [filme] é muito em cima especialmente do pós-crime. Ou seja, do julgamento. A Ilana Casoy escreveu um livro sobre esse caso, justamente essa parte. Raphael Montes

Focado em explicar como os criminosos foram descobertos, o longa é um suspense. "O primeiro é mais um suspense psicológico, porque você entende a lógica de um e do outro, ainda que absurdas, claro. Esse é mais um thriller investigativo policial, de juntar pista, de DNA, de falar 'essa roupa estava aqui, não estava lá'. Tem um quê de 'CSI'".

Por se tratar de um crime real, Raphael Montes ressaltou a necessidade de tratar com seriedade o assunto e se basear nas provas usadas no tribunal para construir o roteiro. "O filme é muito em cima da investigação, em cima de provas concretas, relatórios do processo. Os dois primeiros foram feitos em cima do processo também, mas este [filme] é em cima dos dados concretos do processo, ou seja, o que o perito encontrou, o que o policial interrogou. Tivemos, sim, de tomar cuidado, mas também não foi um medo nosso de maneira nenhuma, porque é tudo feito com muita responsabilidade de todos."

Continua após a publicidade

Ele explicou que não houve o envolvimento das partes ligadas ao crime. Portanto, Suzane von Richthofen, Daniel e Cristian Cravinhos não foram consultados. "Os filmes são totalmente independentes deles. Eles não lucraram nada com os filmes, eles não foram consultados, até porque hoje em dia são pessoas absolutamente diferentes de quem eram naquela época. Nós temos os registros do que foi feito e dito, investigado naquela época, então o nosso trabalho foi todo feito em cima do que foi dito, feito, mostrado e registrado naquela época. Não conversamos com os envolvidos, não sabemos se eles viram os filmes, não sei de nada."

"A Menina Que Matou os Pais - A Confissão", estreia no Prime Video em 27 de outubro.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes