PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Após perder 5 eventos, Globo recupera eliminatórias sul-americanas da Copa

Rodrigo Caio e Farfan, durante a partida entre Brasil e Peru, pelas Eliminatórias - Pool/Getty Images
Rodrigo Caio e Farfan, durante a partida entre Brasil e Peru, pelas Eliminatórias Imagem: Pool/Getty Images
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

31/05/2021 05h00

Reavaliando investimentos e estratégias, em parte por causa do impacto da pandemia de coronavírus sobre os seus negócios, a Globo rescindiu contratos, perdeu espaço e parou de transmitir pelo menos cinco eventos esportivos desde o ano passado (Campeonato Carioca, Libertadores, F-1, Champions League e Copa América). SBT, Band e Record ocuparam rapidamente o espaço deixado pela emissora carioca e renegociaram os direitos de exibição de todas estas competições.

O anúncio na última sexta-feira (28) de que a emissora carioca adquiriu os direitos de todas as partidas das eliminatórias sul-americanas da Copa do Mundo sinaliza alguma revisão na política da empresa. Em meados de 2020, a Globo havia aberto mão de transmitir as partidas da seleção brasileira jogadas fora do país. E não dava sinais de que mudaria de posição.

Após quatro rodadas, disputadas entre outubro e novembro de 2020, a Globo exibiu apenas as vitórias do Brasil contra a Bolívia (5 a 0) e contra a Venezuela (1 a 0), ambas as partidas jogadas em São Paulo. A emissora não mostrou a vitória contra o Peru (4 a 2), em Lima, nem contra o Uruguai (2 a 0), em Montevidéu. Foi a primeira vez, desde 2017, que a emissora não exibiu uma partida da seleção brasileira.

Como de praxe, a Globo não dá detalhes sobre a complicada negociação, que se arrastou por pelo menos oito meses. Até chegar a este acordo, a emissora só tinha acertos com a CBF para a exibição das nove partidas que a seleção fará no Brasil e com a AFA para o jogo contra a Argentina no país vizinho.

O impasse se deu com a empresa espanhola Mediapro, que acertou parcerias para negociar em nome das federações de Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela. Segundo vários relatos, a empresa estaria cobrando US$ 20 milhões pelo pacote completo, que incluiria a exibição dos jogos do Brasil como visitante destas oito seleções e todas as demais partidas entre estes países.

Só na véspera da partida contra o Peru é que a situação se tornou pública, mas a Globo nunca esclareceu abertamente por que não exibiu este jogo nem o contra o Uruguai. A falta de transparência é uma característica dos negócios no mundo do futebol.

Procurei a Globo nesta sexta-feira (28) pedindo mais informações sobre o acordo anunciado na véspera, mas não tive resposta até esta segunda-feira (31).

Os principais episódios desta trama confusa estão resumidos abaixo:

13.10.2020 - Na segunda rodada das eliminatórias, o Brasil enfrentou o Peru, em Lima. Sabia-se já desde a véspera que a Globo havia desistido de um acordo para transmissão do jogo. Poucas horas antes da partida, a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) confirmou que o confronto seria exibido pela TV Brasil. Durante a transmissão da vitória brasileira (4 a 2), em dois momentos, o narrador Andre Marques saudou autoridades do governo. "Um abraço especial para o presidente Jair Bolsonaro, que está assistindo ao jogo. Um abraço presidente".

08.11.2020 - O procurador federal dos Direitos do Cidadão, Carlos Alberto Vilhena entendeu que a saudação feita ao presidente Jair Bolsonaro durante a transmissão da partida entre Brasil e Peru pela TV Brasil pode caracterizar um ato de improbidade administrativa. Segundo Vilhena, a Empresa Brasil de Comunicação (EBC), responsável pela emissora, tem que guardar respeito aos princípios da impessoalidade e da moralidade. As menções ao presidente durante o jogo representariam promoção pessoal de agentes públicos e desvio de finalidade.

17.11.2020 - Na quarta rodada das eliminatórias, a partida entre Uruguai x Brasil, em Montevidéu, não teve transmissão pela TV aberta. A vitória da seleção brasileira por 2 a 0 foi vista apenas na plataforma de streaming EI Plus, da Turner, e por um sistema de pay-per-view do Bandsports.

25.01.2021 - O jornalista Milton Neves informou que Walter Abrahão Filho, dono da TV Walter Abrahão (ex-Play TV), assinou um contrato para transmitir com exclusividade 56 jogos das eliminatórias, incluindo sete jogos da seleção brasileira como visitante.

27.01.2021 - O jornalista Rodrigo Mattos informa que a TVWA (TV Walter Abrahão), que acertou a compra de jogos da seleção brasileira nas Eliminatórias por US$ 11 milhões (R$ 60 milhões), tem um capital nove vezes menor do que esse valor, R$ 6,5 milhões.

30.01.2021 - O apresentador José Datena informa no ar, durante uma transmissão do campeonato italiano, que a Band fechou uma parceria com a TV Walter Abrahão para a transmissão das partidas da seleção brasileira como visitante nas eliminatórias da Copa.

02.02.2021 - Abrahão diz que ao UOL que também estava conversando com a Globo. "A seleção brasileira é do povo brasileiro. Eu converso com alegria com todas as emissoras", disse.

05.03.2021 - O jornalista Milton Neves noticia que a TV Walter Abrahão não efetivou o pagamento acertado pelos direitos das eliminatórias. "Assim, o produto está livre no mercado e haverá briga para a obtenção dos direitos", escreveu. "Sabe-se que a Rede Globo voltará firme ao páreo para transmitir todo este produto tão nobre do futebol em seus canais abertos e fechados". Ao UOL, Abrahão justifica: "Impossível pagar algo que não tem data definida por conta da pandemia, o que para nós é uma tristeza, já estamos passando isso com o Catarinense, mas entendemos que o respeito a vida vem antes de interesses comerciais pessoais".

27.05.2021 - A Globo comunica ter adquirido os direitos de transmissão de todos os jogos restantes das eliminatórias sul-americanas para a Copa de 2022. As partidas da seleção brasileira serão exibidas pela Globo e pelo SporTV. E os jogos das demais seleções serão vistos no SporTV. A primeira partida do Brasil como visitante que a emissora mostrará vai ser contra o Paraguai, pela sexta rodada, em 8 de junho.

Cinco competições que a Globo perdeu

Em maio de 2020, interrompeu a transmissão do Campeonato Carioca, abrindo um litígio com a Ferj (Federação de Futebol do Rio de Janeiro). Em fevereiro deste ano, a Record adquiriu os direitos do torneio por dois anos (2021-22).

Em agosto de 2020, a Globo rescindiu contrato com a Conmebol pelos direitos da Libertadores. Como resumiu o colunista Rodrigo Mattos, foi parte de uma readequação da estratégia da emissora à crise econômica e novas condições de mercado. Em setembro, o SBT anunciou um acordo para transmitir as partidas do torneio por dois anos. A estreia foi em setembro do ano passado.

Em fevereiro de 2021, após desistência da Globo, que deteve os direitos por 40 anos, a Band fechou um contrato para transmissão da Fórmula 1 no Brasil.

Em abril de 2021, após uma hesitação da Globo, o SBT também anunciou a aquisição dos direitos de exibição da Champions League na TV aberta. A emissora terá o direito de exibir um jogo por rodada — da fase de grupos até a semifinal —, e transmitirá a final em jogo único com exclusividade na TV aberta.

E em maio de 2021, a emissora de Silvio Santos comunicou ter adquirido os direitos de exibição da Copa América deste ano. Após a desistência da Colômbia e da Argentina, o torneio será realizado no Brasil.

AVISO: Saio de férias por um período mais longo, para desenvolver um projeto, e retorno com a coluna em setembro. Até a volta.

Siga a coluna no Facebook, no Twitter e no Instagram.