PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

TV que deu R$ 60 mi por seleção tem capital 9 vezes menor e sofre penhora

                                 Atacante da Seleção Brasileira causou polêmica por promover festa em meio à pandemia do novo coronavírus                              -                                 PAOLO AGUILAR / AFP
Atacante da Seleção Brasileira causou polêmica por promover festa em meio à pandemia do novo coronavírus Imagem: PAOLO AGUILAR / AFP
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

27/01/2021 04h00

A TVWA (TV Walter Abrahão), que acertou a compra de jogos da seleção brasileira nas Eliminatórias por US$ 11 milhões (R$ 60 milhões), tem um capital nove vezes menor do que esse valor, R$ 6,5 milhões. A emissora sofreu uma penhora judicial de seus bens e contas por causa de uma dívida de R$ 365 mil. E há um indicativo de que seu dono também não tem dinheiro sobrando para a aquisição.

Os direitos das partidas das eliminatórias da Copa-2022 estão em aberto há meses porque nenhuma emissora topou pagar o valor pedido pela Mediapro, agência que intermediou o negócio. Globo, SBT e Band desistiram após a pedida de US$ 2 milhões por jogo da seleção. Assim, partidas do Brasil fora do país, com exceção do clássico com a Argentina, estavam sem previsão de transmissão.

Nesta semana, o colunista do UOL Milton Neves publicou que a TV Walter Abrahão tinha acertado a compra desses 56 jogos. De fato, houve um acerto de valor com a Mediapro. Para o negócio ser definitivo, faltam alguns detalhes financeiros. Concluída a negociação, a TVWA vai transmitir seis partidas do Brasil nas eliminatórias no caminho para a Copa-2022.

A TVWA pertence a Walter Abrahão Filho, empresário e político, filho do ex-narrador Walter Abrahão. Em 2020, comprou a Gamecorp, nome real da TVWA, de Fábio Lula da Silva, filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A empresa tinha sido investigada na operação Lava-Jato por conta de investimentos feitos pela OI, mas Fábio nunca foi condenado. Na sua época, era um canal sobre games.

O capital registrado da Gamecorp é de R$ 6,485 milhões. O único sócio e detentor de todo capital é Walter Abrahão Filho. No final do ano passado, ele transformou a empresa em Sociedade Limitada, em vez de sociedade anônima. Sua sede é em um andar em prédio na Vila Olimpia, na capital paulista.

Até o momento, a emissora, que tem canais na Sky e na Claro, só vem exibindo programas com nomes desconhecidos como "Dose Política", "Bi-lance" e "A Força dos Heróis".

Com Walter Abrahão Filho como dono, a empresa foi processada pela Links Apoio Administrativo que prestava serviços de organização e supervisão dos produtos televisivos no período de Lulinha. O novo dono rescindiu o contrato. Em setembro de 2020, a Justiça de São Paulo determinou "a penhora de bens da empresa (móveis e imóveis) para o pagamento do valor da execução", o que inclui a conta da empresa. O valor total é de R$ 365 mil.

A Gamercorp (TVWA) tentou suspender a execução oferecendo bens em garantia. Walter Abrahão Filho colocou a disposição um carro pessoal dele e um outro veículo de uma empresa da qual é sócio. É uma demonstração de que a própria Gamecorp não tem bens suficientes para dar como garantia. Em petição, a empresa explica: "a penhora de valores em conta corrente implicará deletério efeito à atividade empresarial desenvolvida, impedindo-a de adimplir os compromissos assumidos com fornecedores, empregados, prestadores de serviço etc., o que será claramente agravado tendo em vista atual cenário mundial de pandemia."

Pelos dados públicos mais recentes, o dono da TVWA, Walter Abrahão Filho, tem um patrimônio de R$ 2,3 milhões, declarados à Justiça Eleitoral no final de 2018, quando foi candidato a deputado estadual pelo PR. Possui fundos, uma casa e um carro. Além da emissora, o empresário é dono de uma empresa de imóveis com capital de R$ 20 mil e que tem o mesmo endereço.

Ainda assim, seu canal de TV fez uma oferta de R$ 60 milhões pelos 56 jogos das eliminatórias. Ainda há uma questão de como a empresa provará que pode pagar pelos direitos.

O blog apurou que faz parte da operação da empresa Márcio Morón, ex-executivo da Fox Sports que é próximo a Eduardo Zebini, atualmente responsável pela operação de TV da CBF e também ex-funcionário da Fox. Questionada, a CBF informou desconhecer a origem da TVWA e o negócio.

O empresário Walter Abrahão Filho foi procurado pela reportagem na sede da empresa. Ele não estava no local e não havia ninguém responsável que pudesse falar pela TV. A estrutura de pessoal é reduzida no canal, segundo apurou a reportagem.

Colaboraram Pedro Lopes e Pedro Ivo de Almeida

Rodrigo Mattos