PUBLICIDADE
Topo

André Barcinski

Belas Artes exibe uma comédia cubana clássica - e que lembra muito o Brasil

Cena de "Memórias do Subdesenvolvimento", de Tomás Gutiérrez Alea - Divulgação
Cena de "Memórias do Subdesenvolvimento", de Tomás Gutiérrez Alea Imagem: Divulgação
André Barcinski

André Barcinski é jornalista, roteirista e diretor de TV. É crítico de cinema e música da ?Folha de S. Paulo?. Escreveu sete livros, incluindo ?Barulho? (1992), vencedor do prêmio Jabuti de melhor reportagem. Roteirizou a série de TV ?Zé do Caixão? (2015), do canal Space, e dirigiu o documentário ?Maldito? (2001), sobre o cineasta José Mojica Marins, vencedor do Prêmio do Júri do Festival de Sundance (EUA). Em 2019, dirigiu a série documental ?História Secreta do Pop Brasileiro?.

Colunista do UOL

24/11/2020 06h00

A plataforma Belas Artes à La Carte exibe um filme extraordinário: "A Morte de um Burocrata" (1966), do cubano Tomás Gutierrez Alea.

É uma comédia de humor negro que consegue tratar, com sarcasmo e criatividade, de um tema muito sério: a morte.

Tudo começa quando um coroa, "funcionário exemplar" do governo cubano, morre. Não vemos o defunto, apenas seu humilde enterro, em que ele é elogiado por amigos e companheiros de trabalho.

Ele era um funcionário tão "exemplar" que seu maior feito foi a invenção de uma máquina capaz de moldar bustos para monumentos. E amava tanto o país - e seu governo - que foi enterrado junto com sua preciosa carteira de trabalho.

Quando o sobrinho do falecido pede ao governo a pensão a que a viúva, sua tia, teria direito pela morte do marido, ele descobre que precisa da tal carteira de trabalho que foi enterrada junto ao cadáver. E aí começa um longo - e engraçadíssimo - périplo pelos meandros da burocracia cubana.

"A Morte de um Burocrata" tem toques de surrealismo e comédia pastelão. O filme homenageia, em certas cenas, obras famosas de Buñuel, Bergman, Buster Keaton e Harold Lloyd.

Há um livro de entrevistas de Gutierrez Alea, "Os Filmes Que Não Filmei", escrito por Silvia Oroz, que é muito interessante e traz depoimentos do cineasta sobre sua obra. Dá para achar facilmente em sebos e sites de vendas de livros usados. Ness techo, ele fala de como teve a ideia de fazer uma sátira à burocracia:

"Por circunstâncias da minha vida pessoal, tive que resolver problemas domésticos (...) e comecei a conviver com a burocracia. Cheguei a um ponto em que me senti tão agoniado que tinha ânsias de 'justiçar' um burocrata. Tinha acumulado muitas situações de violência reprimida.

Os problemas do cotidiano aumentavam e eu vivia irritado (...) A decisão de fazer esse filme foi uma psicoterapia incrível: me permitiu desviar a violência que estava sentindo e jogá-la no filme. Continuava com minhas dificuldades domésticas - ia aos escritórios, enfrentava funcionários burocratas e perdia muito tempo - mas de algum modo me enriquecia: levava um caderno de apontamentos onde anotava situações, comportamentos, dados. Meus esforços se converteram num trabalho de pesquisa que acabou sendo interessantíssimo e comecei a enfrentar a situação com grande senso de humor."

Uma ótima semana a todos.