PUBLICIDADE
Topo

André Barcinski

Pepeu Gomes, Tim Maia, o "Rá!" e os ETs: tudo por uma canja do "Síndico"

O cantor Tim Maia (FOTO: Reprodução) - Reprodução / Internet
O cantor Tim Maia (FOTO: Reprodução) Imagem: Reprodução / Internet
André Barcinski

André Barcinski é jornalista, roteirista e diretor de TV. É crítico de cinema e música da ?Folha de S. Paulo?. Escreveu sete livros, incluindo ?Barulho? (1992), vencedor do prêmio Jabuti de melhor reportagem. Roteirizou a série de TV ?Zé do Caixão? (2015), do canal Space, e dirigiu o documentário ?Maldito? (2001), sobre o cineasta José Mojica Marins, vencedor do Prêmio do Júri do Festival de Sundance (EUA). Em 2019, dirigiu a série documental ?História Secreta do Pop Brasileiro?.

Colunista do UOL

03/11/2020 10h09

Resumo da notícia

  • Há 35 anos, Pepeu Gomes pediu que Tim Maia cantasse em um disco. A história dessa parceria envolve ETs e o grito energizante do "Rá!"

Há 35 anos, Pepeu Gomes lançou "Energia Positiva", um disco importante em sua carreira. O LP trouxe o sucesso "Mil e Uma Noites de Amor" e marcou a conclusão de uma trilogia de álbuns pop (com "Um Raio Laser", de 1982, e "Masculino e Feminino", de 1983), que vendeu muito e provou que ele e a então esposa, Baby Consuelo, eram capazes de fazer sucesso fora dos Novos Baianos.

O disco também marcou uma parceria com um ídolo de Pepeu - e seu vizinho - o cantor Tim Maia, que gravou a faixa "Deixa Rolar". A história da gravação dessa faixa é digna da antologia dos melhores "causos" de Tim e me foi relatada pelo próprio Pepeu. Contei tudo em meu livro "Pavões Misteriosos":

Depois do fim dos Novos Baianos, Pepeu e Baby finalmente conseguiram fazer sucesso comercial. Eles capricharam no visual futurista/tropicalista/new wave, misturando cabelos coloridos, penas, roupas de aparência metálica e penteados esquisitos. Lançaram vários hits da fm, como "O mal é o que sai da boca do homem", "Menino do Rio", "Eu também quero beijar", "Masculino e feminino" e "Todo dia era dia de índio". Pepeu e Baby também apareceram em programas de tv falando de Thomas Green Morton, um suposto paranormal mineiro que popularizou o "Rá!", seu "grito energizante". Além de Pepeu e Baby, outros músicos famosos, como Elba Ramalho, Gal Costa, Sérgio Reis e até Tom Jobim, foram vistos gritando "Rá!" nos palcos do Brasil afora.

Tim Maia, que depois da experiência fracassada com a Cultura Racional havia se tornado um cético em relação a gurus de qualquer tipo, costumava ironizar a turma do "Rá!". Em um show no Canecão, em meados dos anos 1980, disse à plateia:

- Agora quero ver todo mundo cantando comigo o "Rá!". Vamos lá, um, dois três...

- Rá! — gritaram os fãs.

- ...diopatrulha! — completou Tim, para risadas gerais.

- Rá!

—...padura!

- Rá!

- ...banada!

Quando a plateia já estava às gargalhadas, Tim arrematou:

- Rá!

- ...paputaqueopariu!

Pepeu Gomes não se aborreceu com Tim Maia. Nem poderia: Tim era um de seus grandes ídolos, um artista que, na opinião de Pepeu, fazia um trabalho musical de alta qualidade sem perder a pegada pop ou abdicar do apelo comercial. A admiração aumentou ainda mais depois que os dois se tornaram vizinhos, no famoso prédio da Barra da Tijuca onde Tim era síndico. "Minha varanda era colada na varanda do Tim. Nós fazíamos 'negociações' pela varanda e ficamos amigos. Mas ele era ainda mais notívago que eu. Várias vezes, meu telefone tocava de madrugada e era o Tim, pra lá de Bagdá:

- Pepeu Gomes, corre na varanda que as naves estão todas em cima do mar!

- Puta que pariu, Tim, são cinco da manhã!

- Vai lá, Pepeu Gomes, vai na varanda pra ver, as naves chegaram!

- Tem certeza de que elas estão lá, Tim?

- Tenho, Pepeu Gomes, vai rápido!

Aí eu chegava na varanda e tava uma chuva da porra, não dava pra ver nada!"

Um dia, Pepeu estava em casa quando ouviu um grande movimento na rua. Foi à varanda e teve uma visão assustadora: não eram as naves voadoras de Tim Maia, mas vários carros da Aeronáutica, que estacionavam apressadamente na frente do prédio. Curioso, desceu para ver do que se tratava. Tim Maia tinha dado cano em um show que faria em um clube da Aeronáutica, na Ilha do Governador. Segundo um oficial, havia 5 mil pessoas esperando pelo cantor. Depois de bater na porta do "síndico" por um bom tempo, sem sucesso, um dos oficiais implorou a Pepeu que tocasse no lugar de Tim Maia. "Eu estava de folga, não tinha nenhum show marcado, peguei o telefone, chamei um baterista e um baixista e fui correndo pro clube. Fizemos o show sem ensaiar nada. Eu virava pros músicos e gritava: 'Deusa do amor, dó maior, se vira!', e conseguimos terminar o show. O público adorou. Quando voltei, no dia seguinte de manhã, quem estava na porta do meu apartamento?

- Pepeu Gomes, meu grande amigo! E aí, sobrevivemos?

- Sobrevivemos é a puta que pariu, Tim! Você devia dar graças a Deus por eu estar aqui, senão você ia levar um tiro de espingarda!

- E como eu posso retribuir o favor, meu amigo Pepeu Gomes?

- Só tem um jeito...

- E qual é, Pepeu Gomes?

- Grava uma música no meu disco!

- Ora, com o maior prazer!"

Pepeu tinha uma música perfeita para Tim: "Deixa rolar", uma baladona cheia de suingue ("Vem, vem, vem/ bota pra fora/ Vem, vem, vem/ você é fera/ Vem, vem, vem, esquece da hora/ Vem, vem, vem/ solta essa fera!"). Eles combinaram a data de gravação e Pepeu decidiu chamar alguns jornais para cobrir a sessão. "Era o Tim Maia cantando no meu disco, eu estava orgulhoso pra cacete!"

Na noite marcada, Pepeu e os técnicos deixaram a faixa prontinha para Tim gravar e esperaram o músico no estúdio. "Eu estava lá com a equipe toda do estúdio, músicos, o pessoal do Globo, do Jornal do Brasil, e nada de o Tim aparecer. Mandei buscar pizza e cerveja, sabe como é, o Tim é notívago, daqui a pouco ele chega, aquela coisa, mas nada do Tim, e eu comecei a ficar desesperado." Às duas da manhã, os jornalistas foram embora. Às quatro, os técnicos do estúdio começaram a desmontar tudo. Pepeu desistiu: "Esse puto não vem mais!". Quando já estava na rua, com o dia amanhecendo, Pepeu viu um táxi parando na porta do estúdio: "Meu amigo Pepeu Gomes! Vamos gravar?". Era Tim Maia. "Eu implorei ao técnico: 'Pelo amor de Deus, não me abandone agora!'. O cara foi um santo, ligou todo o equipamento do estúdio de novo, entramos, e o Tim cantou pra caralho! Gravou a música de primeira! Quando eu tiver noventa anos, vou contar essa história pros meus netos!"

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.