PUBLICIDADE
Topo

MMA


Entidade presta esclarecimentos após críticas à arbitragem do UFC 247

Dominick Reyes e Jon Jones, durante luta no UFC 247 - RONALD MARTINEZ/AFP
Dominick Reyes e Jon Jones, durante luta no UFC 247 Imagem: RONALD MARTINEZ/AFP

Ag. Fight

10/02/2020 18h50

O assunto que mais deu o que falar no UFC 247, realizado no último sábado (8), foi a avaliação dos juízes de alguns confrontos da noite. Foram quatro duelos decididos por decisão dividida, além da luta principal entre Jon Jones e Dominick Reyes, que teve seu resultado extremamente questionado. Após a 'chuva de críticas', o Departamento de Licenciamento e Regulação do Texas, entidade que supervisiona a regulamentação de eventos de MMA no Texas (EUA), resolveu se posicionar sobre o tema publicamente.

Através de um comunicado enviado ao site 'MMA Junkie', o Departamento deixou claro que a escolha e indicação dos árbitros em eventos do Ultimate é feito em conjunto com a companhia, a fim de resguardar a saúde e segurança dos lutadores. A nota também rebateu uma acusação feita por Joe Rogan, comentarista oficial do UFC, que afirmou, durante seu podcast, que um dos juízes estava disperso e olhando para baixo durante a luta de Andrea Lee e Lauren Murphy, válida pela divisão dos pesos-moscas (57 kg).

"Como em todos os eventos esportivos, atletas, equipes, juízes, fãs e representantes da mídia podem - e geralmente têm - opiniões diferentes sobre o que aconteceu em uma disputa de esportes de combate. O Departamento de Licenciamento e Regulação do Texas aplaude a paixão que todos estão exibindo por esse esporte. Comentários foram feitos sobre a seleção dos juízes e árbitros. Ao selecionar os profissionais, o 'DLRT' leva em consideração as recomendações feitas pelo UFC. Como em todos os eventos, o DLRT trabalha em estreita colaboração com o UFC e outros promotores para garantir a qualidade e a experiência dos árbitros e juízes para proteger a saúde e a segurança dos lutadores", declarou o porta-voz da comissão, Tela Mange, antes de esclarecer a acusação de Joe Rogan.

"Foram feitas alegações de que um juiz não estava prestando atenção à luta e estava olhando para o chão. Um dos avanços que o UFC fez nos últimos anos foi fornecer pequenos monitores de vídeo abaixo do nível do octógono para cada juiz para monitorar mais de perto as lutas", completou Mange.

Curiosamente, a luta que gerou maior revolta entre os fãs e parte da imprensa foi julgada como decisão unânime - a favor de Jones, que manteve o cinturão dos meio-pesados (93 kg). Neste confronto, um dos árbitros marcou 49-46 a favor do campeão, o que foi considerado um absurdo dada as circunstâncias do combate diante de Reyes.

MMA