PUBLICIDADE
Topo

Emocionada, Rebeca Andrade celebra ouro no salto: 'Não sei nem o que dizer'

Demétrio Vecchioli

Em Tóquio (Japão)

01/08/2021 07h08

Rebeca Andrade conquistou a medalha de ouro no salto, na manhã de hoje (1), horário de Brasília, e se tornou a primeira ginasta brasileira a ser campeã olímpica. Além disso, é a quarta mulher a chegar ao lugar mais alto do pódio em competições individuais em Jogos Olímpicos. Logo após o pódio, ela não escondeu a emoção e se disse sem palavras para descrever o momento.

Esta foi a segunda medalha de Rebeca em Tóquio. Anteriormente, ela já havia conquistado a prata no individual geral. Ela ainda briga por medalha na final do solo.

A atleta não avaliou os saltos que realizou como os melhores, mas comemorou o fato de a nota de 15.083 ter sido o suficiente para garantir a liderança da competição.

"Estou muito feliz. Trabalhei bastante durante todo esse tempo, não sei o que dizer. Não foram os meus melhores saltos, senti na hora. Tanto que saí falando: "Ah, não foi muito bom", só que isso é ginástica, isso acontece, é do esporte. Mas tirei nota suficiente para me dar o primeiro lugar e... Caraca! Estou muito feliz", disse, ao SporTV.

Rebeca foi a terceira a se apresentar na final, ponto que considerou positivo. Ela ainda lamentou o erro de Jade Carey, dos Estados Unidos, que errou o primeiro salto.

"Eu gostei de ser a terceira porque não perde o aquecimento, não fica tão fria. Então, foi bom. Senti muito pela Jade, porque é muito ruim quando isso acontece. Principalmente durante a competição, porque te desestabiliza um pouco. E a gente treina tanto, imagino o tanto que ela treinou para poder estar aqui, sabe? Mas acontece, é do esporte. Temos de entender que, infelizmente, é normal e seguir firme. Estou muito feliz que ela foi corajosa, foi de novo, saltou e fez a parte dela", afirmou.

Questionada se as duas medalhas conquistadas até aqui fazem ela ir mais tranquila para o solo, Rebeca garantiu que o foco dela nestes Jogos Olímpicos está em fazer boas apresentações e se sentir segura:

"Meu foco, para falar a verdade, não é a medalha. É fazer boas apresentações, me sentir segura, firme fazendo as coisas. Me divertir. Hoje estava muito feliz, na classificatória estava muito feliz, no individual estava muito feliz... E é essa sensação que quero levar para amanhã. Independentemente do que aconteça em relação ao resultado, vou estar feliz porque fiz tudo que podia".