PUBLICIDADE
Topo

Liga dos Campeões deve recomeçar em oito de agosto com novo formato

Klopp, técnico do Liverpool, levanta troféu da Liga dos Campeões - Ben Stansall/AFP
Klopp, técnico do Liverpool, levanta troféu da Liga dos Campeões Imagem: Ben Stansall/AFP

Lancepress*

19/05/2020 08h31

Classificação e Jogos

A Liga dos Campeões pode ter seu formato mudado e ter reinício apenas no dia oito de agosto. O jornal "As" publicou que o grupo de trabalho formado pela Uefa, Associação de Clubes (ECA) e Ligas do futebol europeu pretendem realizar as quartas de final em partida única e criar um quadrangular com quem passasse para a semifinal que seria disputado em Istambul, cidade em que originalmente seria a final da competição.

Segundo apurou a reportagem do UOL Esporte, a Uefa já informou a Paris Saint-Germain e Lyon que tem a intenção de finalizar a Liga dos Campeões em agosto. São justamente os times franceses que protagonizam o ponto mais delicado na tentativa de conclusão do torneio. O encerramento da temporada do futebol no país faz com que os clubes enfrentem um dilema sobre como e quando voltar aos treinos em meio à pandemia do novo coronavírus.

Além do maior torneio de futebol europeu, a Liga Europa pode recomeçar no dia seis de agosto, mas as datas devem ser aprovadas no Comitê Executivo da organização no próximo dia 17 de junho. Esse novo calendário terá reflexo na próxima temporada, pois os jogadores terão férias em setembro e os campeonatos nacionais terão que ser prorrogados, podendo resultar em um atraso na Eurocopa.

A reunião que estava marcada originalmente para o dia 27 de maio foi postergada em duas semanas para que todos encontrem a melhor solução e possam fechar o calendário de clubes no continente. Além disso, três das doze cidades sedes da próxima Eurocopa apresentam problemas por conta da pandemia e podem abrir mão de participar do torneio.

Possibilidade de Champions em agosto coloca franceses em dilema

Na França, PSG e Lyon seguem sem atividades programadas à espera de uma definição sobre a Liga dos Campeões. No caso do clube parisiense, por exemplo, Neymar e Thiago Silva estão no Brasil, ainda sem previsão de retorno à França. Espera-se que as atividades recomecem no mais tardar na segunda quinzena de junho.

A ideia Uefa, já discutida entre os clubes participantes, é criar uma "Super Champions" para finalizar rapidamente a disputa. A competição foi interrompida com PSG, Atalanta, Atlético de Madrid e Leipzig já garantidos nas quartas de final. Os confrontos de oitavas de final ainda pendentes eram Real Madrid x Manchester City, Barcelona x Napoli, Lyon x Juventus e Bayern de Munique x Chelsea.

Presidente da Uefa, Aleksander Ceferin avalia ser precipitada a atitude do governo francês de impedir a realização de esportes coletivo no país até setembro. Os argumentos utilizados pelo dirigente são o retorno do Campeonato Alemão, que ocorreu no fim de semana, e dos treinamentos da elite do futebol na Itália, Espanha e Inglaterra.

A posição do governo francês impede Lyon e PSG de atuarem em casa nas fases restantes do mata-mata. Por isso, a ideia proposta pela Uefa de realizar todo o restante do torneio na Turquia, país a sede da final desta edição, é de agrado dos clubes.

Lyon e PSG seguem submetendo seus jogadores a sessões de treinos à distância. No departamento médico dos clubes, há o receio de que a falta de jogos comprometa o condicionamento físico dos jogadores para a possível retomada da Liga dos Campeões.

A postura de PSG e Lyon também passa pela questão econômica. As premiações volumosas da Uefa serviriam para minimizar os danos causados pelo fim da temporada do futebol francês. O jornal local L'Equipe estima que o clube parisiense deixa de faturar cerca de 240 milhões de euros (aproximadamente R$ 1,44 bilhão) com a decisão do governo francês. O cálculo junta faturamento com patrocínios, bilheteria e direitos de televisão.

*Com informações do repórter João Henrique Marques, do UOL, em Paris.