PUBLICIDADE
Topo

Julio Gomes

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Jogos de Bayern e Real contra italianos são mais perigosos do que parecem

Immobile em ação com a camisa da Lazio - GettyImages
Immobile em ação com a camisa da Lazio Imagem: GettyImages
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

23/02/2021 04h00

Bayern de Munique e Real Madrid, duas das camisas mais poderosas e vitoriosas da Europa, voltam a campo nesta semana pela Liga dos Campeões da Europa. O Bayern vai a Roma nesta terça para enfrentar a Lazio. O Real viaja a Bérgamo para pegar a Atalanta.

São clubes italianos de menor expressão, mas que estão jogando uma bola redondinha e podem surpreender.

No ano passado, quando chegou ao mata-mata da Champions de forma surpreendente, a Atalanta não podia jogar em Bérgamo - o estádio não tem capacidade mínima e estrutura exigidas pela Uefa. Resultado? Goleou o Valencia em Milão, no jogo que ficou conhecido como "bomba biológica". O coronavírus correu solto pelas arquibancadas - fazia frio e todos se abraçavam a cada gol -, as pessoas pegaram a estrada de volta e Bérgamo foi a primeira cidade europeia a viver o caos hospitalar, com milhares de mortos e cenas dantescas.

Na bolha de Lisboa, meses mais tarde, a Atalanta seria eliminada pelo PSG levando dois gols no fim. O time foi mantido (de importante, saiu apenas Papu Gomez, brigado com o técnico Gasperini), o espírito ofensivo continua e a Atalanta volta a fazer uma tremenda temporada.

Classificou-se na Champions, está na final da Copa da Itália e na quinta posição no Italiano. Nos últimos três meses, perdeu só um jogo - com 12 vitórias e 7 empates pelas três competições. Na média, são mais de 2 gols por partida e o segundo melhor ataque do calcio.

Só quem ganhou da Atalanta neste período foi justamente a Lazio, empatada na quinta posição na Itália. Venceu sete de seus últimos oito jogos - caiu somente para a líder Inter, em uma partida em que não teve muita sorte. No último fim de semana, a Lazio fez 1 a 0 na Sampdoria, enquanto a Atalanta meteu 4 a 2 no bom time do Napoli.

É neste cenário que jogarão Bayern e Real. Contra dois times em alta, confiantes, que gostam de atacar e não têm medo de cara feia - e nem nada a perder. Jogos assim são sempre perigosos, ainda mais em fase de mata-mata.

Falar que o Bayern, campeão da Europa e do mundo, é favorito contra a Lazio é chover no molhado. Mas, depois daquelas duas apresentações preguiçosas no Mundial de Clubes, o Bayern já tropeçou duas vezes seguidas na Bundesliga. Empatou com o Arminia Bielefeld, que ocupa a zona de rebaixamento, e perdeu para o Frankfurt, que faz bela campanha. A vantagem do Bayern na ponta caiu para dois pontos - o RB Leipzig vem em segundo.

Aquela máquina de trucidar adversários em 2020 não existe mais. Um ano atrás, em fevereiro, começava a sequência de 23 vitórias seguidas que daria o "sextete", a temporada perfeita para o Bayern. Do início da temporada atual, outras 23 vitórias vieram - mas com seis empates, três derrotas e uma eliminação da Copa da Alemanha no meio deste caminho.

A Lazio tem atuado com três zagueiros e alas bem abertos e ofensivos, com o talentoso espanhol Luis Alberto na armação, Immobile e Correa formando um ataque talentoso e perigoso, o sérvio Milinkovic-Savic chegando por trás. No gol, a experiência de Reina, aquele. No meio, talvez jogue Lucas Leiva, mas Simone Inzaghi pode mudar o setor. O treinador adota o discurso da humildade e diz que "não há pontos fracos" no Bayern. Mas é discurso. Na prática, acredito que a Lazio jogará de forma bem agressiva e tentará explorar os buracos que o Bayern deixa pelo campo.

Assim como a Atalanta será agressiva contra um Real Madrid que convive com altos e baixos na temporada. O Real tem desfalques muito importantes: Sergio Ramos, Carvajal, Marcelo, Odriozola, Militão, Hazard, Rodrygo, Valverde e Benzema.

Destes, logicamente, os caras mais relevantes são Sergio Ramos e Benzema. As garantias lá atrás e lá na frente. Ramos ainda traz liderança, espírito de luta e tudo mais. Benzema, que é mais caladão, vive mais uma boa temporada. É uma nova chance para Vinícius Jr, que possivelmente será titular e terá campo para percorrer contra uma Atalanta que permite essas jogadas em velocidade.

Mas o Real precisará encontrar a maneira de sair vivo de Bérgamo. A Atalanta vai pressionar e começar o jogo com tudo.

No papel, o favoritismo dos dois grandões é imenso. Mas a prática é outra coisa. Olho na Lazio e na Atalanta, elas podem conseguir mais do que imaginamos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL