PUBLICIDADE
Topo

Internacional

De volta, Taison cumpre promessa e vai pedir "lugar de D'Ale" no Inter

Taison (d) com D"Alessandro (e) são muito próximos e o atacante quer o "espaço" do meia no vestiário - Ricardo Duarte/Inter
Taison (d) com D'Alessandro (e) são muito próximos e o atacante quer o "espaço" do meia no vestiário Imagem: Ricardo Duarte/Inter

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

17/04/2021 04h00

Taison está de volta. Aos 33 anos, o atacante retorna ao Internacional, clube que o projetou. O regresso 11 anos depois da saída cumpre promessa antiga. E nos momentos finais do acordo — oficializado ontem (16) —, ele já se colocou à disposição de Ramírez, e disse que vai pedir o "lugar de D'Alessandro" no vestiário".

Taison surgiu no Inter. Natural de Pelotas, foi descoberto para as categorias de base, e cumpriu trajetória até chegar ao time principal. No time de cima foi treinado por Tite, e não tardou a virar titular e peça importante.

Depois da conquista da Libertadores e da Sul-Americana, da Copa Suruga e de dois Estaduais, o mercado internacional já olhava Taison de forma diferente. Foi o Metalist que o levou para Ucrânia ao pagar R$ 14 milhões.

Na saída, Taison prometeu que voltaria. Em suas últimas manifestações, disse que gostaria de regressar ao Inter, e não faltaram tentativas. A mudança do Brasil para Ucrânia nunca é simples, e não foi diferente com ele. Taison, a cada janela de transferências, pensava em retornar.

Do Metalist para o Shakhtar Donetsk, onde atingiu a maturidade e o ápice. Mas ainda assim, ano após ano, ele reiterava a intenção de atuar no Inter. Sempre que viajava ao Brasil de férias, visitava o Beira-Rio. Figura sempre presente nos jogos beneficentes de D'Alessandro, repetia que gostaria de voltar ao clube e atuar com argentino. Não foi possível.

A amizade com D'Alessandro até gerou brincadeiras. Na live promovida pelo clube, ontem, Taison revelou que vai "pedir o lugar" de D'Ale.

"O lugar do Cabeção [apelido de D'Alessandro] é sagrado, né? Vou ligar para ele e perguntar se aquele lugar está liberado para mim. Mas o lugar dele é sagrado", disse. O número ele já recebeu. O Colorado oficializou, em vídeo com participação de D'Alessandro, que Taison jogará com a 10.

A promessa se cumpriu ontem. E a negociação para isso foi longa. Taison decidiu que era momento de "voltar para casa" ainda no ano passado. Na ocasião, até trocou mensagens com o treinador argentino Eduardo Coudet, tentou ser liberado por empréstimo, mas não aconteceu. Restou esperar o fim do contrato.

Então, ele deu o primeiro passo na ruptura com o clube ucraniano. Informou à direção que não renovaria o vínculo e passou a recusar repetidas investidas que surgiram. Seu objetivo era apenas um: voltar para casa. Foram ofertas financeiramente melhores, desafios na Europa e na Ásia. Ele nunca abriu espaço para conversa, segundo apurou o UOL Esporte.

"Tinha muita gente duvidando que eu voltaria né? Tive muitas propostas de fora, mas estava na hora de voltar par o meu Inter. Conto com vocês [torcedores], e vocês podem contar comigo para tudo", contou.

E com o passar do tempo, mesmo rebaixado ao time sub-21 ao ter discutido com o treinador do Shakhtar, não recuou. E a firmeza das atitudes ocasionou a liberação dois meses antes do previsto.

De pronto, Taison já conversou com o técnico Miguel Ángel Ramírez. Por telefone, se colocou à disposição. Contou que pode atuar tanto aberto quanto centralizado e disse que está com ritmo de jogo e preparação física em dia, pois vinha treinando normalmente. Aos os dirigentes, relatou que ainda precisa conversar com o técnico quando chegar ao Brasil, na semana que vem.

O atacante não precisa ser inscrito no Boletim Informativo Diário (BID) rapidamente, basta que sua condição contratual com Inter esteja pronta para que seja inscrito na fase de grupos da Libertadores. Segundo ele, o trâmite já foi feito. A estreia dependerá das atividades, mas não deve tardar.

Internacional