PUBLICIDADE
Topo

São Paulo

Ceni ganha força no São Paulo após atuação do Fortaleza na Copa do Brasil

Rogério Ceni instrui o Fortaleza na ida das oitavas de final da Copa do Brasil, contra o São Paulo - Kely Pereira/AGIF
Rogério Ceni instrui o Fortaleza na ida das oitavas de final da Copa do Brasil, contra o São Paulo Imagem: Kely Pereira/AGIF

Thiago Fernandes

Do UOL, em São Paulo

28/10/2020 04h00

O Fortaleza foi eliminado nos pênaltis pelo São Paulo nas oitavas de final da Copa do Brasil 2020, mas o técnico Rogério Ceni ganhou ainda mais moral no Morumbi após as duas partidas. O trabalho apresentado diante do Tricolor paulista agradou nos bastidores.

As duas alas das eleições presidenciais, disputadas por Julio Casares e Roberto Natel, ficaram admiradas com a atuação do time diante dos comandados de Fernando Diniz. Os possíveis mandatários ainda não definiram um treinador para 2021 — caso seja feita uma troca e Diniz não permaneça no cargo —, mas gostam do que é feito pelo ídolo do clube paulistano no Fortaleza.

O time de Rogério Ceni conseguiu um empate por 3 a 3 na partida ida, mesmo com dois a menos em campo. Na volta, a equipe obteve nova igualdade — 2 a 2 no Morumbi. Porém, foi derrotada nos pênaltis. Com um elenco mais barato — a diferença da folha salarial mensal supera os R$ 12 milhões —, o treinador do Fortaleza conseguiu fazer frente ao São Paulo na competição de mata-mata.

O duelo era visto de forma especial pelo treinador, sobretudo pela representatividade de ser diante do São Paulo, clube que jogou e iniciou a carreira como técnico em 2017. Em sua saída do Morumbi na passagem como comandante, Ceni teve divergências com o presidente Carlos Augusto Barros e Silva, o Leco.

A derrota nos pênaltis mexeu com o treinador. Depois do jogo ocorrido no Morumbi, Rogério Ceni se debruçou sobre os vídeos até a madrugada de segunda-feira (26). Ele analisou os motivos que levaram o seu time à eliminação. O perfil dedicado também aumentou o seu conceito nos bastidores do São Paulo.

Ceni é visto como um dos prediletos pelos dois candidatos à presidência do São Paulo para o cargo de treinador. Ambos, no entanto, não falam abertamente sobre o tema e aguardam o pleito para tomar uma decisão sobre o futuro de Fernando Diniz, que tem contrato no regime CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas).

São Paulo