PUBLICIDADE
Topo

Como Deivid ajuda o Cruzeiro a ter contas em dia em meio à crise financeira

Deivid, diretor técnico do Cruzeiro, se tornou peça importante nos bastidores do clube - Gustavo Aleixo/Divulgação/Cruzeiro
Deivid, diretor técnico do Cruzeiro, se tornou peça importante nos bastidores do clube Imagem: Gustavo Aleixo/Divulgação/Cruzeiro

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

09/07/2020 04h00

A presença de Deivid na gestão de Sérgio Santos Rodrigues no Cruzeiro se tornou preponderante para a busca por recursos em 2020. O diretor técnico de futebol se encarrega, ao lado do mandatário e outros dirigentes, de encontrar parceiros a fim de bancar reforços e salários — hoje em dia na Toca da Raposa II.

O dirigente costura acordos e, com a credibilidade construída ao longo da carreira no esporte, principalmente como atleta, consegue investidores para honrar os compromissos assumidos pelo clube, que vive grave crise financeira. Nos últimos dias, ele liderou questões para o pagamento antecipado de salários e a busca por dinheiro para a aquisição de Claudinho. Os mineiros pagarão cerca de R$ 3 milhões para comprar 70% dos direitos econômicos do meia-atacante.

Desde que foi anunciado como diretor técnico de futebol do Cruzeiro, em 23 de maio de 2020, Deivid trabalha também em prol das questões referentes ao esporte. O ex-atacante discute internamente as renovações contratuais e é quem busca os reforços no mercado da bola. Ele também foi atrás de Gui Mendes, que pertencia ao Ituano e chegou à Toca da Raposa II por empréstimo até 31 de dezembro de 2021.

Um dos problemas enfrentados pela atual gestão é a questão financeira. Desde o rombo deixado nas contas durante a administração de Wagner Pires de Sá e Itair Machado, o clube tem dificuldades para honrar os compromissos em dia. O Núcleo Diretivo Transitório, que ficou à frente da equipe entre dezembro de 2019 e maio de 2020, não conseguiu honrar todos os compromissos. Houve, inclusive, uma punição na Fifa com perda de seis pontos na Série B do Campeonato Brasileiro por não pagar um débito pelo empréstimo do volante Denílson. O negócio estava avaliado em R$ 5 milhões à época.

Em menos de dois meses à frente do futebol, o ex-jogador se tornou um dos pilares da gestão de Sérgio Santos Rodrigues, que se encerra em dezembro deste ano. Ele, inclusive, é uma escolha do mandatário para o cargo.

Procurado para falar sobre as ações de Deivid nos bastidores, o Cruzeiro se manifestou por meio de nota oficial:

"Deivid é uma figura relevante na história do Cruzeiro, pelos gols decisivos feitos em 2003, nosso ano mais glorioso. Agora, ele também tem importante atuação dentro da gestão do futebol, ao lado do Ricardo Drubscky, André Argolo, Pedro Moreira e Enderson Moreira. É uma equipe que tem total confiança do presidente Sérgio Santos Rodrigues, que trabalha unida, alinhada e sempre busca o melhor para o planejamento esportivo do clube neste momento tão importante, em que temos um objetivo claro de retornar à Série A."

Cruzeiro